Coloque sua vida nas mãos de Deus, e Ele te recompensará!

Resiliência Humana

“Ela está realmente vivendo a sua melhor vida. Viajando. Apenas fazendo o que ela quiser”. Será, mesmo?

Eu ouvi essas palavras na semana passada em uma rua em Roma lotada, de parede a parede, com estudantes universitários e jovens adultos, todos vivendo suas melhores vidas.

Tendo acabado de terminar uma conferência de missões, também estivemos lá – talvez também em busca de nossas melhores vidas.

Minha família pisoteava com as massas de chafariz de monumento a obelisco, cada uma dando o testemunho de um homem que viveu um ou dois mil anos atrás.

Os bastões de selfie eram o banner e “Cheeeese” era o coro, já que os smartphones documentavam a melhor vida de todos nas redes sociais.

Vivendo minha melhor vida.

Essa frase é uma hashtag, um coloquialismo, um mantra dos nossos dias.

É o conselho mais cotado de Oprah e uma variação do Best Seller do New York Times # 1 de Joel Osteen.

Ela fez o seu caminho a partir das plataformas elevadas de gurus e para o mainstream. É tão difundido, na verdade, que nós, seguidores de Cristo, devemos nos perguntar se é mesmo dentro da igreja – ou dentro de nós que encontramos essa felicidade.

Teologia da Prosperidade

Somos rápidos em rejeitar a flagrante heresia dos pregadores da prosperidade. Nos eriçamos com as curas televisionadas, as chamadas mortes no Espírito, e prometemos que se você se doar até doer, Deus o abençoará.

As garantias de saúde e riqueza em troca de fé suficiente nos fazem alternar entre riso e fúria. Você acredita nesses caras? Nós perguntamos um ao outro. Como as pessoas se apaixonam por esse absurdo?

Mas – você e eu não acreditamos, em algum nível, que porque nosso Deus é bom, e porque nosso comportamento é muito bom, nossas vidas também devem ser boas?

Não esperamos uma certa quantidade de saúde e riqueza?

Quer dizer, nós demos nossas vidas a Deus. Dedicamos nossos filhos a ele. Nós lemos a sua palavra. Damos (pelo menos um pouco) quando a placa de oferta é passada.

Nós cantamos músicas para elogiá-lo.

Nós começamos nossas manhãs em oração para ele. Nós somos dele e ele é nosso. Então ele deveria nos abençoar, certo?

Para muitos de nós no Ocidente – e estou olhando no espelho com pesar aqui – o cristianismo é a cereja em cima de um sorvete que já é bem doce.

Há uma teologia da prosperidade higienizada à espreita nos cantos dos nossos corações e mentes: Eu sou um filho de Deus. É sua vontade para mim viver a boa vida – minha melhor vida, aqui e agora.

Como é viver a minha melhor vida de acordo com as Escrituras?

Precisamos fazer essa pergunta das Escrituras porque somos inundados com respostas de outras fontes. Mídias sociais, capas de revistas, filmes e todos os memes da cultura pop nos dizem que nossas melhores vidas devem se assemelhar àquela garota descrita nas ruas de Roma: “Viajar. Apenas fazendo o que ela quiser, sabe?

Mas as palavras de Cristo cortam o coração:

Se alguém vier atrás de mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Pois quem quer que salvasse a sua vida a perderia, mas quem perde a sua vida por mim e pelo evangelho salvá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder sua alma? ( Marcos 8: 34-36 )

Segundo Jesus, a melhor vida é aquela que está perdida nele. Em contraste com o ar cultural que respiramos, Jesus nos exorta a não perseguir o mundo inteiro. Em vez disso, ele nos instrui amorosamente a tomar nossas cruzes e segui-lo, nosso Salvador, que voluntariamente dedicou sua vida pela nossa.

Jesus diz que nossas melhores vidas são encontradas quando as colocamos em suas mãos.

Não foi uma perda para minha família que, ao nos fotografarmos diante de monumentos romanos em ruínas para os homens, estávamos construindo nosso próprio monumento – um registro digital de nossa viagem, nossa família, nossa (melhor?) Vida.

Assim como o obelisco que documenta as vitórias nas batalhas decai, também as nossas fotos e as contas de mídia social vão cair. Todos os monumentos aos homens – calcário, digital e outros – devem eventualmente cair.

Mas há um tipo de monumento que durará. Há ações que são eternas e são realizadas na “melhor vida” comandada por Cristo. Uma vida que está perdida nele é realmente salva. E trabalhos feitos por ele duram para todo o sempre.

O apóstolo Paulo disse que eventualmente, o trabalho de cada um se manifestará, pois o Dia o revelará, porque será revelado pelo fogo. . . . Se o trabalho que alguém construiu sobre a fundação [de Cristo] sobreviver, ele receberá uma recompensa. Se o trabalho de alguém for queimado, ele sofrerá perdas, embora ele próprio seja salvo. ( 1 Coríntios 3: 13-15 )

Como cristãos, nosso trabalho será testado.

Se tivermos edificado sobre o fundamento de Cristo, se perdermos nossas vidas e fizermos nosso trabalho por causa dele, nosso trabalho sobreviverá e seremos recompensados. Ou passaremos nossas vidas em obras que vão queimar, embora sejamos salvos.

Como estamos vivendo? Nossas obras desmoronarão como a suposta Cidade Eterna de Roma, ou elas permanecerão por toda a eternidade?

Vida entregue

Minha família e eu visitamos o local onde Paulo provavelmente foi preso em Roma. De seu cativeiro, aguardando julgamento, Paulo escreveu à igreja em Filipos, dizendo: “Quero que vocês saibam irmãos, que o que aconteceu comigo realmente serviu para promover o evangelho” (Filipenses 1:12).

Mais tarde, ele escreveu: “Sim, e eu me regozijarei” ( Filipenses 1:18 ). E então, “Mesmo que eu seja derramado como uma oferta de bebida,. . . Estou feliz e me alegro com todos vocês. Da mesma forma, você também deve estar feliz e se regozijar comigo”(Filipenses 2: 17–18).

Contrário à nossa carne e nossa cultura, Paulo nos mostra como viver a melhor vida que Jesus oferece é um derramamento que leva à alegria. Essa abordagem da vida se opõe diretamente à saúde, riqueza e boa vida que nós, no Ocidente próspero, esperamos.

A melhor vida que o mundo oferece é aquela que é passageira.

Os monumentos que construímos para nós mesmos desmoronarão. Mas a vida que dura e a vida que produz alegria é a vida perdida por causa de Jesus e do evangelho.

Pela graça de Deus e com sua ajuda, você e eu realmente viveremos nossas melhores vidas.

Jen Oshman ( @jenoshman ) é esposa e mãe de quatro filhas e serviu como missionária por dezessete anos em três continentes. Ela e o marido servem com a Pioneers International e ela escreve regularmente em seu blog.

*Com informações de Desiringgod. Livremente traduzido e adaptado por REDAÇÃO RESILIÊNCIA HUMANA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia