Coisas que você aprende com pessoas que não são capazes de te amar

“Você tem muitos problemas, sabia disso?” Uma pessoa que estou gostando de sair algumas vezes, me disse isso, recentemente, no departamento masculino de uma loja de departamentos. Ela não disse isso por maldade. Na verdade, era para ser uma piada. Nós dois estamos experimentando casacos ridículos no meio do verão e ela estava me desafiando a usar uma jaqueta horrível. Minha reação instintiva foi fazer uma careta e dizer: “Nem a pau, de jeito nenhum”.

Então eu digo isso a ela, e ela apenas sorriu e balançou a cabeça. Ela está ase acostumando a esse tipo de comportamento meu. Eu tinha dito “não” para ela mais cedo naquela manhã também. Ela sugeriu que fôssemos tomar um brunch em um restaurante à beira-mar e eu recusei a ideia.

“A beira-mar? Sem chance. Desculpe.” – eu disse.

“É divertido, eu prometo!” – ela retrucou.

“Não.” – foi o meu veredito.

Brigar sobre onde fazer o brunch é estranho e, em muitos aspectos, inútil, mas também não é surpreendente. Sempre que gosto de alguém, volto para a pré-escola. Eu quero puxar seus cabelos, provocá-los e manter, geralmente, à distância. Eu quero dizer não.

Tudo se resume a paredes construídas. Tudo se resume a sentir que tenho que testar constantemente me protegendo de alguém e levá-los ao inferno para ver se eles podem sobreviver.

Estou dando a eles um milhão de motivos para fugir e nenhum para ficar, o tempo todo esperando e rezando para que eles realmente fiquem por aqui.

É como se eu estivesse sendo possuída por um espírito maligno que está determinado a me manter solteira. Em muitos pontos, eu gostaria de simplesmente romper com esse espírito e dizer:

“Não me escute! Eu sou um idiota. Eu realmente gosto muito de você, mas sou terrível em expressar isso.”

Basicamente, essa pessoa está certa. “Eu tenho muitos problemas” e, aos 26 anos, eles parecem estar se multiplicando.

Então não pude deixar de me perguntar: eu gostava dele porque me sentia atraída por ele ou porque havia uma parte de mim que desejava ser mais parecida com ele?

Às vezes, é difícil fazer a distinção. Neste caso, acho que foi definitivamente mais o primeiro do que o segundo. Ainda assim, havia momentos em que eu olhava para ele e sentia que tudo em mim estava errado.

Antes de conhecer esse garoto, eu estava convencida de que estava morto por dentro porque fazia dois anos desde que eu tinha uma queda por alguém.

Eu tinha paixões falsas, é claro. O tipo em que você conhece alguém e fica obcecado por ela antes de ter alguma ideia de quem diabos ela realmente é.

Ah com certeza. Eu tinha muitos desses. Mas no fundo você sabe que não gosta deles e que é apenas algo que você faz para se sentir humano.

Com esse menino foi diferente. A faísca foi instantânea. Ele estava no meu nível. Ele percebeu. Eu não me sentia assim há muito tempo.

É incrível como seu coração consegue se adaptar à solidão, mesmo que nunca esqueça o que é estar perto de alguém.

Por algum tempo ali, eu estava determinada a dizer a ele como me sentia. Eu planejei cenas elaboradas na minha cabeça nas quais eu iria esclarecer meus sentimentos. Não haveria nenhum ponto para isso, obviamente. Seria um ato totalmente egoísta. Eu faria isso apenas para tirar esse peso dos meus ombros, mesmo que isso significasse destruir uma amizade especial.

Para dizer a verdade, achei a paixão de tal confissão sedutora porque fazia muito tempo que não sentia nada poderoso. As coisas estavam estagnadas e eu estava desesperada por algo que evocasse qualquer tipo de emoção que não fosse “qualquer coisa”.

Talvez se eu ainda tratasse meus relacionamentos como se fossem sacos de lixo para despejar emoções, eu poderia amar alguém novamente; Sim – Eu amaria alguém novamente. Mas ele não seria capaz de me amar, porque eu também não sei amar.

As pessoas — mesmo as erradas — entram em sua vida para lhe ensinar as lições que você não pode aprender sozinho. É seu trabalho não fazer um barulho sobre isso. Você apenas senta, ouve, deixa suas palavras sangrarem em seu couro cabeludo, e dá o fora na hora apropriada.

A gente aprende com aqueles que não estão disponíveis que a gente também não sabe amar.

Este menino em particular me ensinou que aqueles que não são capazes de te amar, muitas vezes, te ensinam mais sobre o amor.

Isso não é engraçado?

Não, não é. Mas é real.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações TC. Foto de Brooke Cagle no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia