Cientistas revelam que a felicidade pode nos proteger de infecções intestinais

Resiliência Humana
cientistas-revelam-que-a-felicidade-pode-nos-proteger-de-infeccoes-intestinais

Cientistas revelam que a felicidade pode nos proteger de infecções intestinais graves.

A positividade nem sempre é alcançada com facilidade, mas um novo estudo fornece mais uma razão para que todos façamos o possível para injetar um pouco de otimismo em nossas vidas. Pesquisadores do UT Southwestern Medical Center descobriram evidências de que a serotonina, a substância química do cérebro responsável por sentimentos de felicidade e bem-estar, pode ser capaz de impedir que patógenos intestinais prejudiciais causem infecções mortais.

Essencialmente, o estudo indica que a felicidade pode proteger contra infecções intestinais graves.

A serotonina é considerada um produto químico do cérebro, mas cerca de 90% é realmente produzido no trato gastrointestinal. Também existem trilhões de bactérias vivendo no estômago e, embora a grande maioria dessas bactérias seja boa e benéfica, algumas são patogênicas e também chegam ao trato gastrointestinal. Quando isso acontece, pode levar a infecções intestinais graves e às vezes fatais.

As bactérias intestinais, como qualquer outra forma de bactéria, são bastante suscetíveis ao ambiente em que vivem. Com isso em mente, os autores do estudo ponderaram se os níveis de serotonina produzidos no intestino afetavam esses patógenos de alguma forma.

Para estudar essa possível relação, os pesquisadores se concentraram na Escherichia coli O157, um tipo de bactéria conhecida por causar surtos semi-frequentes de infecções de origem alimentar, às vezes mortais. Algumas amostras dessas bactérias foram cultivadas pela equipe em laboratório e depois expostas à serotonina.

Notavelmente, os testes de expressão gênica realizados após essa exposição revelam que a serotonina realmente reduziu significativamente a “expressão” de genes nas bactérias que causam infecções.

Além disso, quando as células humanas foram expostas às bactérias enfraquecidas pela serotonina, essas bactérias não eram mais capazes de infligir “lesões associadas à infecção”. Então, basta adicionar um pouco de serotonina e a bactéria perde sua capacidade de produzir uma infecção.

Avançando nos estudos, os pesquisadores queriam testar sua ideia em assuntos vivos. Então, eles reuniram um grupo de camundongos e estudaram como a serotonina influenciava as capacidades virais de Citrobacter rodentium, que é praticamente o equivalente de e.coli para humanos. Alguns dos ratos foram geneticamente modificados para produzir mais serotonina do que o habitual. Outros foram modificados para produzir menos do que o normal.

A felicidade pode ser a dose que faltava para impedir infecções intestinais graves

Os camundongos que estavam produzindo mais serotonina tinham muito menos probabilidade de desenvolver uma infecção ativa por Citrobacter rodentium e / ou apresentar sintomas significativos após serem expostos à bactéria. Por outro lado, camundongos com baixos níveis de serotonina desenvolveram infecções graves e muitos morreram.

Os ratos que receberam fluoxetina (Prozac) para aumentar seus níveis de serotonina também não foram infectados após a exposição à bactéria.

Experimentos adicionais ajudaram a equipe de pesquisa a identificar o receptor de serotonina tanto na E. coli quanto na C. rodentium; a proteína conhecida como CpxA. Essa proteína é realmente comum entre as bactérias intestinais, portanto, parece provável que a serotonina tenha um grande efeito na saúde geral do intestino.

Os autores do estudo querem continuar seus trabalhos sobre esse assunto e esperam que a serotonina possa ser usada como uma opção legítima de tratamento para infecções bacterianas do intestino. Até o momento, existem muito poucos antibióticos disponíveis que são eficazes contra a E. coli O157.

“O tratamento de infecções bacterianas, especialmente no intestino, pode ser muito difícil”, diz a líder do estudo Vanessa Sperandio, Ph.D., professora de microbiologia e bioquímica no UT Southwestern Medical Center, em comunicado.

“Se pudéssemos redirecionar o Prozac ou outras drogas da mesma classe, isso poderia nos dar uma nova arma para combater essas infecções desafiadoras”.

O estudo está publicado na Cell Host and Microbe. Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações de Study Finds
*Foto de Brooke Cagle no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia