Cientistas encontram evidências de mudanças moleculares no corpo após a meditação consciente.

Resiliência Humana
cientistas-encontram-evidencias-de-mudancas-moleculares-no-corpo-apos-a-meditacao-consciente

Com a crescente evidência de que a meditação pode ter efeitos benéficos para a saúde, os cientistas têm procurado compreender como essas práticas afetam fisicamente o corpo.

Um novo estudo realizado por pesquisadores em Wisconsin, Espanha e França relata a primeira evidência de mudanças moleculares específicas no corpo após um período de meditação consciente.

O estudo investigou os efeitos de um dia de prática intensiva de atenção plena em um grupo de meditadores experientes, em comparação com um grupo de indivíduos de controle não treinados que se engajaram em atividades silenciosas e não meditativas.

Após oito horas de prática de mindfulness, os meditadores mostraram uma gama de diferenças genéticas e moleculares, incluindo níveis alterados de maquinário regulador de genes e níveis reduzidos de genes pró-inflamatórios, que por sua vez, se correlacionaram com uma recuperação física mais rápida de uma situação estressante.

“Até onde sabemos, este é o primeiro artigo que mostra rápidas alterações na expressão gênica em assuntos associados à prática da meditação mindfulness”, disse o autor do estudo Richard J. Davidson, fundador do Center for Investigating Healthy Minds e do William James e Vilas Professor de Psicologia e Psiquiatria da Universidade de Wisconsin-Madison.

“O mais interessante é que as mudanças foram observadas em genes que são os alvos atuais dos antiinflamatórios e analgésicos”, diz Perla Kaliman, primeira autora do artigo e pesquisadora do Instituto de Pesquisas Biomédicas de Barcelona, ​​Espanha (IIBB-CSIC -IDIBAPS), onde foram realizadas as análises moleculares.

O estudo foi publicado na revista Psychoneuroendocrinology.

Treinamentos baseados em mindfulness mostraram efeitos benéficos em distúrbios inflamatórios em estudos clínicos anteriores. Os novos resultados fornecem um possível mecanismo biológico para efeitos terapêuticos.

Os resultados mostram uma regulação negativa de genes que estão implicados na inflamação.

Os genes afetados incluem os genes pró-inflamatórios RIPK2 e COX2, bem como vários genes de histona desacetilase (HDAC), que regulam a atividade de outros genes epigeneticamente removendo um tipo de etiqueta química.

Além do mais, a extensão em que alguns desses genes foram regulados para baixo foi associada a uma recuperação mais rápida do cortisol para um teste de estresse social envolvendo um discurso improvisado e tarefas que exigem cálculos mentais realizados na frente de uma audiência e uma câmera de vídeo.

Surpreendentemente, dizem os pesquisadores, não houve diferença nos genes testados entre os dois grupos de pessoas no início do estudo.

Os efeitos observados foram vistos apenas nos meditadores após a prática da atenção plena.

Além disso, vários outros genes modificadores de DNA não mostraram diferenças entre os grupos, sugerindo que a prática da atenção plena afetou especificamente certas vias regulatórias.

No entanto, é importante observar que o estudo não foi projetado para distinguir quaisquer efeitos do treinamento de meditação de longo prazo daqueles de um único dia de prática.

Em vez disso, o principal resultado é que os meditadores experimentaram mudanças genéticas após a prática da atenção plena que não foram vistas no grupo não meditador após outras atividades silenciosas.

Esse é um resultado que fornece a prova do princípio de que a prática da atenção plena pode levar a alterações epigenéticas do genoma.

Estudos anteriores em roedores e em pessoas mostraram respostas epigenéticas dinâmicas a estímulos físicos, como estresse, dieta ou exercícios em apenas algumas horas.

“Nossos genes são bastante dinâmicos em sua expressão e esses resultados sugerem que a calma de nossa mente pode realmente ter uma influência potencial em sua expressão”, diz Davidson.

“A regulação dos HDACs e das vias inflamatórias pode representar alguns dos mecanismos subjacentes ao potencial terapêutico das intervenções baseadas na atenção plena”, diz Kaliman. “Nossas descobertas estabeleceram a base para estudos futuros para avaliar mais estratégias de meditação para o tratamento de condições inflamatórias crônicas.”

O financiamento do estudo veio do National Center for Complementary and Alternative Medicine (número de concessão P01-AT004952) e doações do Fetzer Institute, da John Templeton Foundation e de um doador anônimo para Davidson. O estudo foi conduzido no Center for Investigating Healthy Minds no UW-Madison Waisman Center.

**DA REDAÇÃO RH. Com informações HFR. *Foto: Wesley Hitt / Getty Images

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia