Ciência confirma: pessoas inteligentes vivem mais e têm melhor saúde

Resiliência Humana
Reading is my hobby! Top view of happy young man holding hands behind head and smiling while lying on the hardwood floor with colorful books laying all around him

Foi no ano de 2001 que dois cientistas da Universidade de Aberdeen descobriram um relacionamento inesperado depois de analisar 2.792 pessoas nascidas em 1921. Eles descobriram que a inteligência não apenas nos ajuda a resolver problemas, mas também é uma das chaves para viver mais.

Depois de analisar um teste de inteligência que essas pessoas realizaram aos 11 anos, os pesquisadores descobriram que aqueles que obtiveram maior pontuação também tiveram uma vida mais longa. Uma série de estudos subsequentes, incluindo um realizado na Universidade de Edimburgo, confirmou que pessoas mais inteligentes têm um risco 24% menor de morrer prematuramente e também tendem a gozar de melhor saúde.

Pessoas com um QI mais alto têm menor propensão a morrer prematuramente devido a diferentes condições, incluindo doenças cardiovasculares e câncer.

Como a inteligência influencia nossa saúde?

Existem diferentes teorias para explicar a influência da inteligência em nossa saúde. Um deles indica que as pessoas mais inteligentes tendem a ir mais longe em seus estudos, o que lhes permite acessar empregos mais bem remunerados que, por sua vez, lhes proporcionam melhores cuidados de saúde.

No entanto, estudos que controlaram variáveis ​​socioeconômicas sugerem que isso pode ser apenas uma pequena parte da explicação. Os psicólogos da Universidade de Delaware estão convencidos de que a chave é que a inteligência anda de mãos dadas com as habilidades de raciocínio e resolução de problemas, o que nos ajudaria a levar um estilo de vida mais saudável que nos permita impedir o aparecimento de doenças e facilitar a adesão terapêutica.

Na prática, a inteligência seria um fator protetor que nos ajuda a:

  • Entenda melhor os fatores de risco para nossa saúde e identifique nossos comportamentos prejudiciais.
  • Desenvolva estratégias que nos permitam praticar hábitos mais saudáveis ​​e evitar ambientes prejudiciais.
  • Preste mais atenção aos sinais de alarme que nosso corpo envia, para detectar possíveis problemas de saúde a tempo e encontrar soluções a tempo.
  • Permanecer intelectualmente ativo, o que contribui para criar uma “reserva cognitiva” que atrasa o aparecimento de doenças como demências.
  • Assuma uma distância psicológica dos problemas, para reduzir o impacto negativo em nossa saúde emocional e física.

Em resumo, a inteligência nos ajudaria a tomar as melhores decisões para nossa saúde ao longo da vida. Isso nos permitiria discernir o que é bom e ruim para nossa saúde, ajudando-nos a detectar fatores de risco e a entender seu impacto negativo, bem como a encontrar as melhores soluções para levar um estilo de vida mais saudável.

Fontes:

Calvin, CM et. Al. (2017) Inteligência infantil em relação às principais causas de morte no seguimento de 68 anos: estudo populacional prospectivo. BMJ ; 357: j2708.

Calvin, CM et. Al. (2011) Inteligência na juventude e mortalidade por todas as causas: revisão sistemática com metanálise. Int J Epidemiol; 40 (3): 626-644.

Gottfredson, L. & Deary, IJ (2004) A inteligência prediz saúde e longevidade, mas por quê? Direções atuais em ciências psicológicas ; 13 (1): 1-4.

Whalley, LJ e Deary, IJ (2001) Estudo de coorte longitudinal de QI infantil e sobrevida até a idade de 76 anos. BMJ ; 322 (7290): 819.

 

Texto originalmente publicado no Ricón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia