Cercar-se de pessoas estressadas afetará seu cérebro, de acordo com a ciência

Resiliência Humana

Você já entrou em uma sala de bom humor e saiu irritado e tenso sem saber muito bem o porquê? Ou talvez você tenha se sentido particularmente estressado depois de conversar com uma pessoa, embora aparentemente ela não tenha lhe dado razões para isso? A chave para entender o que aconteceu está no contágio emocional: é provável que você tenha sido inoculado com estresse.

Sabemos que as emoções são tão contagiosas quanto a gripe e que estados emocionais negativos, como o estresse, se espalham mais rápido, duram mais e são mais intensos que as emoções positivas, como demonstrado por um estudo da Universidade de Harvard. No entanto, agora os pesquisadores da Universidade de Calgary vão um passo além, sugerindo que a interação com pessoas estressadas pode fazer com que nosso cérebro reaja como se estivéssemos expostos diretamente à situação estressante. Ou seja, nosso cérebro não estabeleceria grandes diferenças entre “seu estresse” e “meu estresse”.

Seu estresse estressa meu cérebro

A ideia de que o estresse é contagioso não é completamente nova. Há anos se sabe que parentes de pessoas que sofrem de um transtorno de estresse pós-traumático podem desenvolver sintomas semelhantes, mesmo que não tenham experimentado diretamente a situação traumática. Um estudo realizado na Universidade Bar Ilán descobriu que casais de veteranos de guerra com estresse pós-traumático tinham um funcionamento mental semelhante e uma meta-análise realizada na Universidade de Copenhague provou que esse tipo de estresse também pode passar de pais para filhos.

O pior de tudo é que, embora o estresse seja transmitido mais facilmente entre as pessoas com quem temos um vínculo emocional, também podemos ter o estresse de completos estranhos, como pesquisadores do Instituto Max Planck de Ciências Cognitivas e Cérebro do Leipzig.

No experimento, cada participante foi comparado com estranhos ou com seus parceiros. Mas antes de submeterem essas pessoas a situações estressantes. 40% das pessoas apresentavam sinais fisiológicos de estresse, como aumento dos níveis de cortisol, quando o parceiro estava estressado, e 26% das pessoas também se estressavam quando estavam relacionadas a um estranho estressado.

Os pesquisadores apontaram que ” deve haver um mecanismo de transmissão através do qual o estresse de uma pessoa cause um estado semelhante no observador, até o nível de desencadear uma resposta ao estresse no nível hormonal “.

A explicação, ou pelo menos parte dela, vem da mão de um estudo publicado na revista Nature que replicou esse desenho experimental em pares de animais. Um dos membros do casal foi exposto a uma situação estressante e depois voltou com seu parceiro.

Quando os neurocientistas examinaram as respostas cerebrais, descobriram que ambos os cérebros reagiam da mesma maneira e que uma população específica de células era ativada, neurônios secretores de CRH, que também são encontrados nas pessoas e estão envolvidos na resposta fisiológica ao estresse.

Esses pesquisadores afirmam que ” as experiências ou o estresse de outras pessoas podem estar mudando de maneira inesperada “. De fato, o estresse crônico, mantido ao longo do tempo, pode causar estragos em nosso cérebro. Um estudo publicado na revista Neurology revelou uma relação entre cortisol, hormônio do estresse e volume cerebral. Esses neurocientistas provaram que, em níveis mais altos de cortisol, menor era o volume total do cérebro e menos substância cinzenta estava concentrada nos lobos frontal e occipital. Isso explicaria por que o estresse causa problemas de memória e atenção.

Por que o estresse dos outros nos estressa?

A capacidade de compartilhar informações emocionais é um eixo central da experiência humana. Não é apenas uma fonte de riqueza, mas também é essencial coordenar as interações sociais. Para ter sucesso em nosso ambiente social, devemos não apenas ser capazes de captar as pistas emocionais – expressões faciais, tom de voz e posturas corporais – mas também interpretá-las corretamente e agir em conformidade.

Se detectarmos sinais de hostilidade, por exemplo, será melhor afastar-se, mas se alguém estiver triste, é melhor confortá-lo. As expressões emocionais funcionam como uma cola social, elas nos servem para navegar com algum sucesso nas águas da sociedade e também para nos manter seguros.

No entanto, como resultado dessa harmonia emocional, não surpreende que as emoções dos outros acabem nos afetando. O estresse é um estado muito peculiar, pois é ativado diante de um suposto perigo; portanto, é provável que, por uma simples questão de sobrevivência, receba tratamento preferencial no nível neuronal e seremos muito mais vulneráveis ao seu contágio. Ou seja, nosso cérebro capta e processa os sinais de estresse emitidos por aqueles que nos rodeiam mais rapidamente e isso nos torna mais suscetíveis a reagir da mesma maneira, para nos proteger – apenas no caso – de uma possível ameaça.

Podemos nos proteger do estresse dos outros?

Não podemos impedir que outros se estressem, nem podemos escapar de muitos dos encontros estressantes que nos perseguem todos os dias, mas podemos escolher como reagir. Nós não somos escravos das emoções. Se percebermos que nosso nível de estresse está aumentando devido ao contágio emocional, precisamos parar para assumir uma distância psicológica da situação.

Estar ciente do que acontece conosco geralmente é suficiente para recuperar o controle, pois, naquele momento, o cérebro emocional cede lugar ao cérebro racional. Entender de onde vem o estresse é essencial para eliminar a causa ou, pelo menos, gerenciá-la melhor. Se não for suficiente, praticar alguma técnica de relaxamento rápido pode ser de grande ajuda.

De qualquer forma, devemos lembrar que o estresse em si não é prejudicial. O prejudicial é que essa resposta permaneça permanentemente ativada. Portanto, em vez de recriminar ou se preocupar porque estamos estressados, devemos simplesmente cuidar para que esse estresse desapareça.

 

Texto originalmente publicado por Jennifer Delgado, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia