Boas sintonias, boas vibrações, pensamento incomum, em um sonho, em um ideal bonito.

Patricia Tavares

Boas sintonias, muito boas vibrações, pensamento incomum, na mesma direção, naquela pessoa especial, na situação linda, em um sonho, em um ideal bonito.

O fato é que o pensamento direciona tudo, o pensamento nos liga àquela pessoa querida, aquele fato enriquecedor, no lado bom de qualquer situação, a uma ação transformadora/ motivadora, a um cafuné, a um beijo… a um café com alguém especial, a um encontro com amigos, às confraternizações, a um objetivo elevado.

O pensamento nos liga muito mais que o sangue, que os fatores físicos e materiais, ele nos liga de fato, pela alma, e torna real o que antes parecia irreal, torna próximo o que antes estava muito distante.

Pense no melhor, fale de esperanças, de paz, de amor, seja revolucionário, desejando o bem intensamente, mesmo em condições tão adversas.

Troque afeto, carinho, mesmo em um contexto hostil.

Siga acreditando. Seja agente transformador.

Onde existir pedras, plante flores.

Siga com a cabeça erguida, ainda que as dificuldades queiram sucumbi-lo.

Mostre ao mundo que nada pode ser mais poderoso que o pensamento no melhor, o querer bem ao próximo, o conseguir se colocar no lugar do outro.

A desculpar o mal operante, a perdoar a pequenez humana, a entender que vivemos em um mundo ainda pouco desenvolvido, um mundo de provas e expiações, onde o perdão se faz tão necessário, fundamental. Onde é preciso exercitar a compreensão todos os dias.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Patricia Tavares
Sou Psicóloga e Reikiana nível 2, trabalho há 19 anos em consultório com psicoterapia, hipnose clínica. Já trabalhei em hospital, núcleo de violência da mulher. Acredito na vida, no amor, nos bons sentimentos, no perdão, na beleza da alma, na superação, no ressignificar, na humanidade. Adoro escrever e falar sobre sentimentos, superações, motivar pessoas, conseguir promover o melhor, despertar o que possa ser maravilhoso em cada um de nós e libertar pessoas de suas prisões emocionais, com uma nova e especial forma de viver, independente dos acontecimentos da vida.