Bento XVI nos alertou anos atrás sobre os perigos que vivemos hoje.

Resiliência Humana
bento-xvi-nos-alertou-anos-atras-sobre-os-perigos-que-vivemos-hoje

Bento XVI nos alertou anos atrás sobre os perigos que vivemos hoje.

Várias vezes durante seu pontificado, o Papa Bento XVI soou o alarme sobre a direção que a sociedade estava tomando e nos disse o que devíamos fazer em resposta.

Como os videntes e profetas de outrora, o Papa Emérito Bento XVI várias vezes alertou sobre a direção que a sociedade estava tomando e para onde estava indo, e o que devemos fazer.

“No Antigo e no Novo Testamento, o Senhor proclama o julgamento sobre a vinha infiel”, disse Bento XVI em sua homilia aos bispos reunidos em outubro de 2005.

“A ameaça de julgamento também nos preocupa, a Igreja na Europa, a Europa e o Ocidente em geral.

(…) O Senhor também clama aos nossos ouvidos… ‘Se não se arrepender, irei até você e tirarei o seu candelabro do lugar.’

A luz também pode ser retirada de nós e faremos bem em deixar este aviso ressoar com toda a seriedade em nossos corações, enquanto clamamos ao Senhor: ‘Ajuda-nos a nos arrepender!

Dê a todos nós a graça da verdadeira renovação! Não permita que sua luz em nosso meio se apague!

Fortalece a nossa fé, a nossa esperança e o nosso amor, para que possamos dar bons frutos!”.

A referência de Bento XVI a Apocalipse 2: 5, onde Jesus está falando à igreja em Éfeso, serve como um lembrete ainda mais claro hoje. Não foi a única vez que Bento XVI se voltou para o Livro do Apocalipse.

Durante suas saudações de Natal de 2010, ele advertiu:

“O livro do Apocalipse (18:13) inclui entre os grandes pecados da Babilônia – o símbolo das grandes cidades irreligiosas do mundo – o fato de que ela negocia com corpos e almas e os trata como mercadorias. Nesse contexto, o problema das drogas também surge e com força crescente estende seus tentáculos de polvo ao redor do mundo – uma expressão eloquente da tirania do mammon que perverte a humanidade. Nenhum prazer é suficiente … ”

Bento XVI advertiu que esse “mal-entendido fatal sobre a liberdade … na verdade, mina a liberdade do homem e, em última análise, a destrói”.

Dois anos depois, falando aos bispos dos Estados Unidos em sua visita ad limina, ele novamente alertou sobre o que viu acontecendo. Ele lhes disse:

“É imperativo que toda a comunidade católica nos Estados Unidos perceba as graves ameaças ao testemunho moral público da Igreja apresentado por um secularismo radical que encontra cada vez mais expressão nas esferas política e cultural. A gravidade dessas ameaças deve ser claramente avaliada em todos os níveis da vida eclesial. De particular preocupação são certas tentativas feitas para limitar a mais prezada das liberdades americanas, a liberdade de religião.”

Bento XVI destacou o “poder das ideologias terroristas. Atos violentos são aparentemente feitos em nome de Deus, mas este não é Deus: são falsas divindades que devem ser desmascaradas; eles não são Deus ”, e então as drogas“ como uma besta voraz que arranha “todas as partes do mundo e as destrói: é uma divindade, mas uma falsa divindade que deve cair. Ou ainda o modo de vida proclamado pela opinião pública: hoje devemos fazer coisas assim, o casamento não conta mais, a castidade não é mais uma virtude, e assim por diante”.

Essas palavras são ainda mais relevantes hoje, pois vemos os limites da liberdade religiosa de maneiras diferentes.

Bento XVI lembrou que muitos dos bispos lhe falaram dos “esforços combinados” feitos para “negar o direito de objeção de consciência por parte de indivíduos e instituições católicas com relação à cooperação em práticas intrinsecamente más” ou de reduzir “a liberdade religiosa à mera liberdade de culto sem garantias de respeito pela liberdade de consciência.”

É claro que existe o caso interminável das Pequenas Irmãs dos Pobres como um excelente exemplo do que ele estava falando.

Ele lembrou que os documentos de fundação da América foram “fundamentados em uma visão de mundo moldada não apenas pela fé, mas por um compromisso com certos princípios éticos derivados da natureza e do Deus da natureza. Hoje, esse consenso diminuiu significativamente em face de poderosas novas correntes culturais que não são apenas diretamente opostas aos ensinamentos morais fundamentais da tradição judaico-cristã, mas cada vez mais hostis ao Cristianismo como tal.”

Não vemos isso todos os dias nas notícias, entretenimento e política?

No início de 2010, Bento XVI também consultou o Livro do Apocalipse.

“A respeito dessa batalha em que nos encontramos, dessa retirada do poder de Deus, dessa queda de falsos deuses, que caem porque não são divindades, mas poderes que podem destruir o mundo, o capítulo 12 do Apocalipse menciona esses, mesmo que com uma imagem misteriosa, para a qual, acredito, existem muitas interpretações diferentes e belas.” Ele se concentrou no rio de água que o dragão cospe na mulher em fuga.

Bento XVI olhava para o rio como “as correntes que dominam a todos e querem fazer desaparecer a fé na Igreja, a Igreja que parece já não ter lugar perante a força destas correntes que se impõem como única racionalidade, como a única maneira de viver.”

No dia de Pentecostes de 2012, em sua homilia Bento XVI lembrou de Babel e sua torre, “um reino no qual os homens haviam concentrado tanto poder que pensavam que não precisavam mais confiar em um Deus distante e que eram poderosos o suficiente para poder construir um caminho para o céu por si mesmos, a fim de abrir seus portões e usurpar o lugar de Deus.”

Este relato bíblico contém “uma verdade perene” que vemos na história e em nosso mundo.

“O progresso da ciência e da tecnologia nos permitiu dominar as forças da natureza, manipular os elementos e reproduzir os seres vivos, quase a ponto de fabricar o próprio ser humano. Nesta situação, orar a Deus parece obsoleto ou sem sentido, porque nós mesmos podemos construir e realizar o que quisermos … No entanto, não percebemos que estamos revivendo a mesma experiência de Babel. É verdade, aumentamos a possibilidade de comunicação, de obter informações, de transmitir notícias, mas podemos dizer que aumentou a nossa capacidade de compreensão? Ou, talvez, paradoxalmente, nos entendemos cada vez menos?”

Bento XVI respondeu à essa pergunta afirmando que a Sagrada Escritura nos diz que a unidade “só pode existir como um dom do Espírito de Deus que nos dará um novo coração e uma nova linguagem, uma nova capacidade de comunicação. E foi isso que aconteceu no Pentecostes”.

Na Caritas in Veritate ele advertiu novamente: “Um humanismo que exclui Deus é um humanismo desumano. Só um humanismo aberto ao Absoluto pode nos guiar na promoção e construção de formas de vida social e cívica”.

Em 2010, durante suas saudações de Natal, Bento XVI ecoou os profetas antigos, dizendo: “ Excita, Domine, potentiam tuam, et veni (desperta, ó Senhor, o teu poder e vem).”

“Repetidamente, durante o tempo do Advento, a liturgia da Igreja ora com essas palavras ou outras semelhantes. São invocações que provavelmente foram formuladas quando o Império Romano estava em declínio. A desintegração dos princípios fundamentais do direito e das atitudes morais fundamentais que os sustentam abriu as barragens que até então protegiam a convivência pacífica entre os povos. O sol estava se pondo sobre um mundo inteiro. Desastres naturais frequentes aumentaram ainda mais essa sensação de insegurança. Não havia poder à vista que pudesse impedir esse declínio. Ainda mais insistente, então, foi a invocação do poder de Deus: o apelo para que ele viesse e protegesse seu povo de todas essas ameaças”.

Vemos ameaças semelhantes, pois muitas áreas da sociedade estão mostrando sinais óbvios de deterioração semelhante. Bento XVI disse:

“Excita, Domine, potentiam tuam, et veni. Também hoje temos muitos motivos para nos associarmos a esta oração do Advento da Igreja. Apesar de todas as suas novas esperanças e possibilidades, nosso mundo está ao mesmo tempo perturbado pela sensação de que o consenso moral está entrando em colapso, consenso sem o qual as estruturas jurídicas e políticas não podem funcionar. Consequentemente, as forças mobilizadas para a defesa de tais estruturas parecem fadadas ao fracasso”.

Embora essa perspectiva possa parecer fazer a Casa Desolada de Dicken parecer a Pequena Casa da Pradaria, Bento XVI não nos deixou sem esperança e sem um caminho para a frente e para fora. Por exemplo, ele disse em Light of the World :

“A Igreja é sempre chamada a fazer o que Deus pediu a Abraão, que é garantir que haja homens justos suficientes para reprimir o mal e a destruição”.

Esperança e ação

Quando Bento XVI falou sobre Apocalipse 12 e a água cuspida na mulher e seu filho, ele enfatizou algo diferente do possível dano.

A Mulher não é prejudicada porque “a terra que absorve estas correntes é a fé do povo simples, que não se deixa vencer por estes rios e que salva a Mãe e salva o Filho. É por isso que o Salmo diz que o primeiro salmo da Hora a fé dos simples de coração é a verdadeira sabedoria (Salmo 119: 130). Esta verdadeira sabedoria de fé simples, que não se deixa submergir nas águas, é a força da Igreja. E voltamos ao mistério mariano”.

Como os primeiros profetas, ele não deixava as pessoas no escuro, mas falava claramente.

Bento XVI acrescentou que o Salmo 82 tem uma “palavra final” sobre a fonte do problema e solução, mesmo depois que o versículo 5 lamenta que “os alicerces da terra foram abalados.

Vemos isso hoje, com os problemas climáticos, como os alicerces da terra são abalados, como são ameaçados por nosso comportamento.

Os alicerces externos são abalados porque os alicerces internos são abalados, os alicerces morais e religiosos, a fé que segue o modo de vida correto. E sabemos que a fé é o alicerce e, sem dúvida, os alicerces da terra não podem ser abalados se permanecerem perto da fé, da verdadeira sabedoria.”

Mas Bento XVI, o vidente, não nos deixa lá sem nos dar outros impulsos fortes. Ele deixou isso claro para o público geral na primavera de 2005, quando afirmou:

“A história, de fato, não está nas mãos dos poderes das trevas, do acaso ou das decisões humanas apenas. Quando a energia maligna que vemos é liberada, quando Satanás irrompe com veemência, quando uma multidão de flagelos e males vêm à tona, o Senhor, o árbitro supremo dos eventos históricos, surge. Ele conduz a história com sabedoria para o alvorecer dos novos céus e da nova terra, da qual, à imagem da nova Jerusalém, canta a última parte do livro do Apocalipse”.

E no discurso de 2010 ele nos orientou à esperança e a uma solução, citando o Salmo 82: 8:

“Levanta-te, ó Deus, julga a terra; pois todas as nações pertencem a você!”

Em seguida, concluiu com este apelo: “Assim dizemos ao Senhor: ‘Levanta-te neste momento, toma o mundo nas tuas mãos, protege a tua Igreja, protege a humanidade, protege a terra.’ E nos entregamos mais uma vez à Mãe de Deus, Maria, e rezamos: ‘Tu, grande crente, tu que abriste a terra aos céus, ajuda-nos, abre as portas também hoje, para que a verdade vença, a vontade de Deus, que é o verdadeiro bem, a verdadeira salvação do mundo. ‘ Um homem.”

*DA REDAÇÃO RH. Com informações NCR.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia