Beber um ou dois copos de álcool por dia pode aumentar as chances de ter um derrame, diz estudo

Resiliência Humana

Beber um ou dois copos de álcool por dia pode aumentar as chances de ter um derrame, de acordo com um novo estudo.

Por Bard Wilkinson, CNN

Contrariando as alegações anteriores de que o consumo moderado de álcool pode prevenir derrames e outras doenças e condições, este novo estudo publicado no The Lancet vincula até baixos níveis de consumo de álcool ao aumento da pressão arterial que pode levar a derrames.

O estudo vem depois que uma pesquisa publicada no ano passado concluiu que não há um nível saudável de consumo.

No novo estudo, os pesquisadores descobriram que uma a duas bebidas por dia aumentava o risco de derrame em 10% a 15% e que quatro bebidas por dia aumentavam o risco de sofrer um derrame em 35%. Uma bebida foi definida como um copo pequeno de vinho, uma garrafa de cerveja ou uma única medida de álcool.

“Não há efeitos protetores da ingestão moderada de álcool contra derrame. Mesmo o consumo moderado de álcool aumenta as chances de sofrer um derrame”, disse o co-autor do estudo Zhengming Chen, do Departamento de Saúde da População de Nuffield, da Universidade de Oxford, em um comunicado à imprensa.

“As descobertas para ataques cardíacos foram menos claras, então planejamos coletar mais evidências”.

Os pesquisadores, da Universidade de Pequim, da Academia Chinesa de Ciências Médicas e da Universidade de Oxford, dizem ter descoberto o impacto do álcool no derrame após acompanhar 500.000 chineses por 10 anos.

O que o excesso de álcool pode fazer com sua saúde

Nas populações do leste asiático, dizem os pesquisadores, existem variantes genéticas comuns que reduzem bastante a tolerância ao álcool, porque causam uma reação de descarga extremamente desagradável após o consumo de álcool.

Embora essas variantes genéticas reduzam bastante a quantidade de pessoas que bebem, elas não estão relacionadas a outros fatores do estilo de vida, como o fumo.

Outros cientistas geralmente concordaram com as descobertas do estudo, mas alguns apontaram possíveis falhas.

“Este estudo utiliza uma nova abordagem genética para tentar determinar o efeito do consumo de álcool no risco de doenças cardiovasculares”, disse Tim Chico, professor de medicina cardiovascular da Universidade de Sheffield.

“Embora já tenha sido sugerido que a ingestão moderada de álcool possa reduzir o risco de derrame ou doença cardíaca, este novo estudo adiciona evidências recentes de que não há efeito protetor, mesmo com baixos níveis de ingestão”, acrescentou.

“Infelizmente, a esperança de que o álcool de alguma forma proteja contra doenças cardiovasculares provavelmente não tem fundamento”.

David Spiegelhalter, professor de compreensão pública do risco na Universidade de Cambridge, disse que o estudo lhe deu dúvidas sobre suas teorias anteriores. “Sempre me convenci razoavelmente de que o consumo moderado de álcool protegia as doenças cardiovasculares, mas agora tenho minhas dúvidas”, afirmou.

O Dr. Stephen Burgess, da Universidade de Cambridge, destacou as limitações do estudo, dizendo que ele examinava apenas uma população chinesa e se concentrava em espíritos, não em vinho. Mas ele admitiu que isso sugere que “não há benefício cardiovascular em beber e que o risco de derrame aumenta mesmo com o consumo moderado de álcool leve”.

*Via Edition.cnn. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

Foto: Shutterstock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia