Baleias Beluga também podem ficar doentes com coronavírus

Resiliência Humana

Baleias Beluga também podem ficar doentes com coronavírus

Por Liz Allen – Escrevo sobre micróbios oceânicos, ecologia marinha e oceanografia.

As baleias beluga e outros mamíferos marinhos também podem ser suscetíveis à infecção por coronavírus.

Com a atual crise global de saúde, o ‘coronavírus’ tornou-se recentemente um nome familiar. Mas o tipo que causa o surto atual é apenas parte de uma família inteira de coronavírus, alguns dos quais podem infectar mamíferos marinhos.

Como nos seres humanos, a infecção por “corona” também pode causar focas e baleias beluga. No entanto, as cepas ou tipos que adoecem os mamíferos marinhos diferem daquelas que nos deixam doentes. No entanto, os sintomas de infecção nesses mamíferos marinhos podem ser semelhantes aos experimentados por pessoas que sofrem de coronavírus.

O primeiro “corona” a obter atenção internacional foi o SARS, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave, que causou um surto global em 2003. O vírus SARS causa sintomas semelhantes aos da gripe, incluindo tosse, calafrios e febre. Da mesma forma, o coronavírus recentemente nomeado, COVID-19, que estourou em Wuhan, China no final de 2019, causa febre, tosse e falta de ar.

Os mamíferos marinhos têm esses mesmos sintomas? Bem, isto depende.

Em junho de 2000, vinte e um focas foram encontradas mortas nas praias de Point Reyes, perto de San Francisco, Califórnia. Intrigados com a morte repentina de tantas focas, os cientistas procuraram entender o que matou esses animais.

Pesquisando os falecidos recentemente, os cientistas trabalharam para descobrir a causa da morte. Ficou claro que era provável algum tipo de infecção, pois todos os focos apresentavam pulmões bastante anormais, com alguns mostrando sinais claros de pneumonia. Por fim, três vírus foram isolados desses, incluindo um coronavírus.

Em 2000, mais de vinte focas foram encontradas mortas. Um “corona” pode ter desempenhado um importante papel no evento de mortalidade em massa.

Ainda não se sabe se o coronavírus, ou um dos outros vírus identificados, causou a morte em massa dessas focas-marinhas, ou se esses vírus estavam apenas ‘aproveitando-se’ das focas que já estavam doentes com outra coisa ainda por resolver. seja descoberto.

Felizmente, porém, o que quer que tenha causado o evento de mortalidade não provou ser uma ameaça para as espécies, listada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como ‘menos preocupante’.

Enquanto isso, as baleias beluga infectadas com coronavírus mostram sinais de graves danos ao fígado. Porém, como nas focas, ainda não se sabe se foi ele o que causou diretamente o dano hepático ou se o vírus simplesmente estava presente nas belugas doentes.

Curiosamente, os coronavírus também foram descobertos em amostras de golfinhos-nariz- de -garrafa , mas nenhum desses golfinhos mostrou sinais de mal-estar.

Embora os coronavírus encontrados nesses mamíferos marinhos sejam diferentes dos tipos conhecidos por infectar seres humanos, alguns coronavírus podem infectar humanos e outros mamíferos.

Por exemplo, acredita-se que o coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), que se espalhou pelo mundo a partir de 2012, tenha sido transmitido aos seres humanos a partir de camelos.

De fato, cerca de 7,5 % das doenças infecciosas humanas são originárias de outros animais, provavelmente incluindo o atual coronavírus, COVID-19.

Dado que os animais podem funcionar como ‘reservatórios’ de doenças infecciosas como os coronavírus, espera-se que os surtos dessas doenças continuem nos mamíferos marinhos e nos seres humanos, embora nem todos precisem ser graves.

*Tradução e adaptação Iara Fonseca para REDAÇÃO RH. *Com informações Forbes
Foto: Cartes News

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia