As vezes, a gente precisa se perder um pouco para conseguir retomar as rédeas da nossa vida!

Stephanie Luz

As vezes, a gente precisa se perder um pouco para conseguir retomar as rédeas da nossa vida! O dia amanhece nos dizendo que é preciso recomeçar e levantar mais forte!

A gente acha que o estável nos faz feliz. Acha que permanecer na zona de conforto é o melhor.

A gente esquece que o tempo passa, a vida acontece, pessoas entram e saem, a gente se perde um pouco e se reencontra com as lições que aprendeu após cada queda, e levanta ainda mais forte para recomeçar.

A gente esquece que muda, melhora, evoluí, cresce. Esquece que hoje somos um e amanhã não seremos mais a mesma pessoa.

A gente se esquece que a vida é um ciclo interminável.

Que o mundo vai girando, girando e girando, e nós vamos o acompanhando.

Deixando um pedaço de nós em cada um, deixando para trás aquilo que não precisa seguir na bagagem.

Deixando para trás tudo que perdeu o sentido e que pesa demais.

Deixando para trás os erros que nos tornam mais sábios, que nos ensinam e nos mostram os novos caminhos a serem seguidos.

A gente se esquece um pouco dessas coisas que parecem tão simples, tão pequenas, mas que são extremamente importantes, essenciais.

A gente se esquece. Mas, o tempo passa.

O dia sempre amanhece outra vez nos dando uma nova chance para fazer diferente, ser diferente, recomeçar depois do caos, mudar para dar um novo sentido a tudo.

As vezes a gente precisa se perder um pouco para conseguir retomar as rédeas da nossa vida, de um novo ponto de partida, e recomeçar sem medo do que virá no caminho.

E depois que a vida já deu muitas voltas, a gente percebe que ficar na zona de conforto não é confortável.

Que mudar é preciso e que errar faz parte da nossa evolução.

A gente aprende que é preciso recomeçar todos os dias e que em cada nova etapa da vida florescemos um pouco mais – e descobrimos que recomeços são lindos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Stephanie Luz
Sou acadêmica de psicologia porque a mente humana sempre me encantou. E a vida me ensinou a tirar as experiências de dentro de mim através das palavras. Escrever se tornou meu oxigênio; se não escrevo, sufoco.