As coisas não dependem só de mim… dependem da evolução do outro também!

Iara Fonseca

Nem tudo nessa vida, para dar certo, depende apenas da minha vontade, infelizmente, dependem também da evolução do outro!

Nunca estamos sozinhos, por mais que, muitas vezes, possamos nos sentir sós! Sempre dependemos de alguém para que nossos sonhos ou planos se realizem!

“Quando um não quer, dois não brigam”, diz o ditado, mas eu discordo, mesmo quando um não quer, se o outro insistir demais, ele briga pelos dois!

O mesmo não ocorre quando a intenção é boa.

Quando desejamos fazer algo inovador, motivacional, que promova o bem para todos os envolvidos, mas um dos envolvidos não possui a mesma motivação, não deseja agir e nem contribuir, fica praticamente impossível fazer tudo acontecer sozinho!

Tentar convencer o outro de que ele deve fazer isso ou aquilo é uma enorme perda de tempo!

Cada um possui o tempo certo de maturação dos fatos!

Uns conseguem reconhecer uma oportunidade em mil!

Outros deixam as oportunidades passarem sem nem perceberem que eram oportunidades reais até que o outro as aponte já distantes!

Existem muitos de nós aqui nessa Terra, mas nos encontramos em estado e nível evolutivo diferentes!

Nos relacionamos e amamos independente se nos encontramos no mesmo nível ou não!

E na maioria das vezes precisamos esperar o outro evoluir mais uns estágios para que ele possa atingir o entendimento que exigimos dele!

Isso se dá em vários níveis de conhecimento!

Muitas vezes, estamos mais evoluídos em um aspecto da vida enquanto o outro está mais evoluído em outro! E nos unimos para trocar experiências, para somar um com o outro e nos beneficiar mutuamente daquilo que ainda nos falta!

Porém, é impossível tentar forçar que o outro chegue a um novo nível só porque queremos que ele chegue!

Muitos tentam pular algumas fases, mas é em vão, a evolução tem que ser natural, o outro precisa querer evoluir. Não adianta querer atropelara o processo e sair fazendo pelo outro, tomar a frente e sair resolvendo os problemas do outro!

Eu fico indignada quando vejo mães e pais fazendo isso com os filhos!

E penso: Que raio eles pensam que estão fazendo? Será que acreditam que fazer por ele é ajudar? Que ajuda é essa que faz pelo o outro o que ele mesmo deveria ser capaz de fazer?

No que essa ajuda pode ser válida? Só se for para esfregar na cara dele que ele não consegue, que ele é incapaz, e formar um adulto vulnerável e inseguro das próprias habilidades.

Valioso seria se o seu exemplo servisse de motivação a ponto do outro querer aprender com você! Querer seguir o seu exemplo! Isso sim é valioso!

Cobrar atitudes que o outro não é “ainda” capaz de tomar é crueldade! Então, infelizmente, devemos esperar! Aguardar que o outro tome consciência das coisas que devem ser feitas e dos padrões que o limitam.

Se estamos em um relacionamento e nosso parceiro não gosta de dançar, por exemplo, e a gente gosta, tentar fazer ele gostar, até podemos, mas não podemos obrigar. Obrigar geraria nele uma repulsa pela dança, não acham?

Se temos uma empresa e achamos que deveriam ser feitas algumas mudanças, mas nosso sócio não concorda, não podemos fazer valer nossa vontade, concordam?

Algumas coisas dependem exclusivamente de nós, como nos motivar para fazer exercícios, comer coisas saudáveis, realizar um bom trabalho, educar os filhos, mas outras coisas como os filhos aprenderem a lição que ensinamos, o personal estar doente, o sócio estar irritado… dependem da evolução do outro.

Devemos entender as limitações daqueles que convivem conosco e as nossas próprias limitações! Esse é um ato de autoconhecimento necessário para a nossa evolução, mas principalmente… é um ato de amor!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!