As 6 características de um “espírito livre”, segundo Nietzsche

Resiliência Humana

Os piores laços do espírito são aqueles que não percebemos.

“Ninguém é mais escravo do que aqueles que acreditam falsamente que são livres” , escreveu Goethe.

Embora às vezes nos assuste tanto reconhecer que preferimos olhar em outra direção, para não perceber a profunda divisão entre o desejo de liberdade do “eu” e as cadeias opressivas que os “outros” geralmente representam.

Nietzsche, que dedicou parte de seu trabalho a pensar em como nos libertar da tirania social, refletiu sobre como deveria ser um “espírito livre”, uma pessoa que possui suas ações, que pensa e decide por si mesma sem se deixar condicionar pela sociedade.

Uma pessoa com espírito livre não é um produto da engenharia social, toma as rédeas de sua vida e assume a responsabilidade por suas ações.

Como é a pessoa com espírito livre?

Ao longo do livro “Além do bem e do mal”, Nietzsche converte a auto-afirmação da vontade e renuncia à influência de outros sobre os pilares fundamentais para se tornar um espírito livre, mas também descreve outras características que, em sua forma de entender, devem incluir pessoas que aspiram pensar e decidir por conta própria.

Eles gostam de solidão.

“Todo homem seleto aspira instintivamente a ter seu próprio castelo e esconderijo, onde possa se redimir da multidão, de muitos, da maioria”, escreveu Nietzsche.

E não é por acaso que é uma das primeiras características dos espíritos livres que menciono, pois, segundo o filósofo, a solidão escolhida é uma condição essencial para o pensador livre.

A solidão não é apenas uma condição sine qua non para a introspecção, mas também nos permite assumir a distância psicológica necessária para encontrar o nosso verdadeiro “eu” sob tantas camadas sociais.

Eles ouvem com a mente aberta.

Um espírito livre não é uma pessoa arrogante, mas foge da presunção de saber tudo e abre sua mente para novos conhecimentos e perspectivas.

Nietzsche escreveu:

“O amante do conhecimento deve ouvir sutil e diligentemente, deve ter ouvidos em todos os lugares em que fala sem indignação”.

Embora uma parte da jornada do espírito livre passe por caminhos internos, na busca de si mesmo, outra parte ocorre no mundo compartilhado, portanto essas pessoas devem estar dispostas a beber de todas as fontes.

Eles são eles mesmos.

“Temos que nos livrar do mau hábito de querer concordar com todos”, disse Nietzsche.

A necessidade de buscar aprovação e aceitação pode nos afastar de nós mesmos, levando-nos a silenciar nossos verdadeiros desejos e aspirações.

É por isso que o espírito livre é libertado da mentalidade de massa e daquela preguiça privada que consiste em estar sujeita à opinião pública.

Um espírito livre ouve, mas depois valoriza e decide autonomamente.

Isso, em muitas ocasiões, pode significar que outros não concordarão com nossas ideias e decisões, o que nos renderá muitas críticas.

Se você quer ser livre tem que estar preparado para lidar com essa oposição.

Eles são fortes e sabem lidar com as críticas.

Ser um espírito livre em uma sociedade que faz tudo para que as pessoas se encaixam em moldes pré-estabelecidos exige muita força e coragem.

Nietzsche disse que “é uma questão de poucos serem independentes: é um privilégio dos fortes”.

Eu pensei que quem tenta ser “entra em um labirinto, e multiplica por mil os perigos que a vida já implica em si mesma” e nem sequer pode aspirar à empatia, já que a maioria das pessoas não o entendem, para que possam qualificar suas habilidades, ideias e decisões como bobagem ou heresia, dependendo do nível de alarme que causam e da extensão em que se chocam com as normas sociais estabelecidas.

Nietzsche havia previsto: “nossos intelectos supremos necessariamente parecem – e devem parecer! – disparates e, em certas circunstâncias, crimes, quando chegam indevidamente aos ouvidos daqueles que não são feitos ou predestinados para eles”.

Eles vão além dos estereótipos sociais.

O espírito livre que Nietzsche descreve deve ser capaz de ir além do bem e do mal, evitar essa “perigosa fórmula moral”, uma vez que só nos faria “advogados corajosos por ideias modernas”; isto é, defensores do sistema diferente.

Para o filósofo, ser um espírito realmente livre é o mesmo que livrar-se do condicionamento moral e social para determinar nossas vidas para nós mesmos, além do que devemos ou não devemos fazer.

Portanto, é um chamado para subverter a antiga estrutura de valores que, segundo ele, escraviza o espírito humano. Uma estrutura de valor baseada em boas ou más, etiquetas que nos impedem de ver as coisas em sua vasta complexidade e contornam toda a gama de cores que existem entre preto e branco.

Eles desenvolvem desapego.

Para Nietzsche, o espírito livre “não pode permanecer apegado a nenhuma pessoa: nem mesmo aos mais amados”, nem a um país, martírio e até à ciência, porque esse apego doentio tiraria a objetividade e a possibilidade de avançar no mundo no caminho da descoberta.

Ele até afirma que não devemos “nos ater ao nosso próprio desânimo, àquele afastamento voluptuoso e alienação do pássaro que foge cada vez mais longe da altura, a fim de ver mais e mais coisas abaixo de si […] Você precisa saber como reservar: Esta é a prova mais forte de independência.”

A prática do desapego consiste em abraçar a incerteza e ter flexibilidade para mudar ideias, se percebermos que estávamos errados ou que essas ideias estavam nos prejudicando porque perderam a razão de ser.

Do pensador livre ao espírito livre

As características do espírito livre que Nietzsche define indicam que são pessoas que não estão acorrentadas a costumes, convenções sociais e estereótipos, mas, acima de tudo – e mais importante – que não estão acorrentadas a padrões de pensamento predominantes, não apenas em termos de ideias, mas do próprio processo de pensamento.

São pessoas que questionam tudo porque precisam alcançar sua própria verdade.

De fato, Nietzsche faz a distinção entre um pensador livre e um espírito livre, uma vez que, enquanto o primeiro corre o risco de se apegar a suas ideias, tornando-as imóveis, o espírito livre busca continuamente à medida que está imerso em um processo de crescimento constante.

O pensador livre está exposto à tentação de mudar um Deus por outro, como fizeram os cientistas, que sacrificaram a religião no altar da ciência para construir um novo altar sobre o qual dogmas estabelecidos questionam muito pouco.

O espírito livre de Nietzsche, pelo contrário, é um buscador incansável, um questionador tenaz que tenta formar sua própria imagem do mundo sem impor aos outros.

Nessa busca, ele é libertado dos laços e certezas para empreender a jornada mais emocionante de todas:

a busca por nossas próprias ideias.

Vamos manter essa ideia de Alvin Toffler:

“Os analfabetos do século XXI não serão aqueles que não sabem ler e escrever, mas aqueles que não sabem aprender, desaprender e reaprender”.

Fontes:

Acampora, C. (2014) “Em que sentidos os espíritos livres são livres?” Pli: The Warwick Journal of Philosophy ; 25: 13-33.

Nietzsche, F. (2007) Além do bem e do mal. Gradifco: Buenos Aires.

*Via Rincon Psicologia. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia