ARRISQUE-SE OU PERCA A CHANCE: UMA HISTÓRIA SOBRE COMO ABANDONAR SUA ZONA DE CONFORTO

Resiliência Humana

ARRISQUE-SE OU PERCA A CHANCE: UMA HISTÓRIA SOBRE COMO ABANDONAR SUA ZONA DE CONFORTO

POR KRISTIN

Nos meus mais de 30 anos neste planeta, passei cerca de 29 deles temendo o futuro.

Serei aceito na faculdade de direito? Tive dúvidas.

E se eu não passar no exame? Eu passei.

E se eu não conseguir encontrar um emprego? Encontrei um emprego três meses antes da formatura.

Então, adivinhe? Eu odiava a prática da lei. Isso é muito preocupante para a carreira que mais persigo.

Preocupei-me com coisas que funcionaram bem, estavam fora do meu controle ou, francamente, não importavam.

Eu disse a mim mesma que sou tenaz, quero o melhor da vida e só estou sendo prudente.

Na verdade, isso é uma porcaria total; e acontece que me preocupo com dinheiro muito menos do que pensava.

Na verdade, eu me preocupo apenas com algumas coisas … família, fé, saúde e viagens. Sou muito menos complexa do que meu eu mais jovem teria admitido.

Descobri que os humanos temem o desconhecido e não se sentem à vontade para correr riscos.

Declarações abrangentes são feitas diariamente, sem o entendimento de que, quando falamos essas coisas, elas se tornam nossa realidade.

“Eu adoraria ir para a Itália, mas isso nunca vai acontecer para mim.”

“Eu adoraria fazer as viagens que você faz, mas tenho medo de voar.”

“Eu não acredito que você publicou um livro, eu nunca poderia fazer uma coisa dessas.”

“Eu sou muito velho, muito jovem, muito alto ou muito estúpido.”

Essas declarações são simplesmente motivadas pelo medo do desconhecido.

Esse medo pode ser paralisante e nos impede de experimentar tudo o que este mundo tem a oferecer.

Mas a verdade é que, quando realmente chegamos ao cerne das coisas, percebemos que há perigo na vida cotidiana.

Nunca extinguiremos totalmente todos os riscos e coisas ruins podem acontecer em qualquer lugar.

Eu defenderia que experimentar o desconhecido é libertador, especialmente quando é desconfortável.

Costumo ouvir histórias de pessoas que saem da Terra muito antes do que parece justo ou racional. Quanto eles dariam por apenas mais um dia? O que eles fariam com aquele dia? O que você fará com o seu dia? Você ainda tem um.

Eu costumava temer o desconhecido e, de tempos em tempos, ainda o faço. Eu trabalho nisso todos os dias. Viajar mudou minha perspectiva.

Experimentar outras culturas e caminhar em território desconhecido só me proporcionou mais conforto e expandiu meu pensamento.

Isso faz o mundo parecer um pouco menor e meu papel nele, um pouco maior.

É claro que devemos ser prudentes e conscientes, mas também devemos aceitar o desafio de nos aventurar fora de nossa zona de conforto … e, no meu caso, também de fuso horário.

Rasguei os limites da minha zona de conforto há 18 meses, quando entrei em St. Thomas.

Para os caçadores de emoções por aí, eu entendo que isso é amendoim pequeno e eu sou totalmente exigente. Mas, para mim, superei o medo de altura ao longo da vida e, na sexta tirolesa, estava praticamente voando para fora da plataforma.

Eu. Kristin

A garota que segura os casacos enquanto todos pulam na montanha russa.

A garota que insistiu que sua tirolesa seria a única a quebrar (não quebrou).

Foi incrível, libertador e totalmente empoderador. Agora, sou uma garota apaixonada por tirolesa que, em poucas semanas, passará pela Fremont Street em Las Vegas … quem sabia!

Apliquei meu novo senso de aventura ao iniciar meu próprio negócio.

É uma quantidade terrível de trabalho, mas eu adoro isso.

Ah, e também não estou ganhando dinheiro, obrigado por perguntar. Apenas vivendo o sonho americano. Mas, na realidade, estou vivendo meu sonho. Estou incentivando as pessoas a se aventurar e viajar pelo mundo. É o meu propósito.

Não deixe o medo do desconhecido ou (insira seu maior medo aqui) impedi-lo de expandir sua mente, viver seu propósito ou desfrutar de experiências na lista de desejos.

Afinal, a vida é realmente muito curta. O que você fará com o tempo que tiver?

*Via The Culture Ist. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia