Aquecimento global é uma ameaça maior do que o coronavírus, diz Cruz Vermelha

Resiliência Humana
aquecimento-global-e-uma-ameaca-maior-do-que-o-coronavirus-diz-cruz-vermelha

Aquecimento global é uma ameaça maior do que o coronavírus, diz Cruz Vermelha

A Cruz Vermelha afirma que o mundo foi atingido por mais de 100 desastres relacionados às mudanças climáticas desde que a OMS declarou a pandemia.

O mundo deve reagir com a mesma urgência às mudanças climáticas que à crise do coronavírus, afirma a Cruz Vermelha, alertando que o aquecimento global representa uma ameaça maior do que o COVID-19.

Mesmo com a pandemia, a mudança climática não está parando de causar estragos, disse a Federação Internacional da Cruz Vermelha e das Sociedades do Crescente Vermelho (FICV) em um relatório.

Em seu relatório sobre catástrofes globais desde os anos 1960, a organização com sede em Genebra apontou que o mundo havia sido atingido por mais de 100 desastres – muitos deles relacionados ao clima – desde que a Organização Mundial da Saúde declarou a pandemia em março.

Mais de 50 milhões de pessoas foram afetadas, disse.

“Claro, o COVID está aí, está à nossa frente, está afetando nossas famílias, nossos amigos, nossos parentes”, disse o secretário-geral da FICV, Jagan Chapagain, em uma entrevista coletiva virtual.

“É uma crise muito, muito séria que o mundo enfrenta atualmente”, disse ele sobre a pandemia, que já matou mais de 1,3 milhão de pessoas.

‘Sem vacina para as mudanças climáticas’

Mas, alertou, que a FICV espera que “a mudança climática terá um impacto mais significativo a médio e longo prazo na vida humana e na Terra do que o coronavírus”.

E embora pareça cada vez mais provável que uma ou várias vacinas estariam disponíveis em breve contra COVID-19, Chapagain enfatizou que “infelizmente, não há vacina para as mudanças climáticas”.

No que diz respeito ao aquecimento global, advertiu, “será necessária uma ação muito mais sustentada e investimentos para realmente proteger a vida humana nesta Terra”.

A frequência e a intensidade das condições meteorológicas extremas e eventos relacionados com o clima têm aumentado continuamente desde 1960, disse a IFRC.

Somente em 2019, o mundo foi atingido por 308 desastres naturais – 77% deles climáticos ou relacionados ao clima – matando cerca de 24.400 pessoas.

O número de desastres relacionados ao clima e às condições meteorológicas aumentou quase 35% desde os anos 1990, disse a IFRC, chamando-o de “desenvolvimento mortal”.

Desastres relacionados ao clima e ao clima mataram mais de 410.000 pessoas na última década, a maioria delas em países mais pobres, com ondas de calor e tempestades sendo as mais mortais, disse o relatório.

Diante dessa ameaça, que “literalmente ameaça nossa sobrevivência a longo prazo”, a FICV convocou a comunidade internacional a agir com a urgência necessária.

“Esses desastres já estão ocorrendo em todos os países do mundo”, afirmou.

“Com desafios como esses, a solidariedade internacional não é apenas uma responsabilidade moral, mas também a coisa mais inteligente a se fazer.

“Investir na resiliência nos lugares mais vulneráveis ​​é mais econômico do que aceitar aumentos contínuos no custo da resposta humanitária e contribui para um mundo mais seguro, próspero e sustentável para todos”, acrescentou.

A IFRC estimou que cerca de US $ 50 bilhões seriam necessários anualmente durante a próxima década para ajudar 50 países em desenvolvimento a se adaptarem às mudanças climáticas.

Ele enfatizou que esse montante foi “diminuído pela resposta global ao impacto econômico da COVID-19”, que já ultrapassou US $ 10 trilhões.

Também lamentou que muito do dinheiro investido até agora na prevenção e mitigação da mudança climática não fosse para os países em desenvolvimento que estão em maior risco.

“Nossa primeira responsabilidade é proteger as comunidades mais expostas e vulneráveis ​​aos riscos climáticos”, disse Chapagain, alertando que “nossa pesquisa demonstra que o mundo coletivamente está falhando em fazer isso”.

“Há uma clara desconexão entre onde o risco climático é maior e para onde vai o financiamento da adaptação climática”, disse ele.

“Essa desconexão pode muito bem custar vidas.”

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Aljazeera

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia