“Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito…”

Iara Fonseca

Querer convencer o outro da nossa verdade é uma completa perda de tempo e uma invasão muito desrespeitosa!

Se estiverem interessados no que pensamos ou achamos virão ao nosso encontro e nos perguntarão. Se não estiverem interessados, demonstrarão nos ignorando!

Se assim for, não force a barra, não insista em puxar assunto, em querer saber, em enfiar goela a baixo as suas certezas em cima do outro.

Quando agimos assim, quando queremos impor nossas verdades com a desculpa de que estamos querendo ajudar, se o outro já disse por A mais B que não está interessado na nossa maneira de enxergar a vida, nas nossas estratégias, nas nossas ideias, e ainda assim, insistimos, estamos provando que queremos colonizá-lo.

Que desejamos mudá-lo, que não aceitamos as suas escolhas, que não toleramos o jeito como ele decidiu viver e ser feliz, que a forma como ele pensa e age nos incomoda profundamente, a ponto de querermos constantemente, fazer com que ele mude de opinião, de rota, de estilo, e siga o que achamos ser melhor para ele!

Esse comportamento só demonstra a nossa intolerância!

“Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro.” Saramago

Mas a banda toca outros ritmos também… E tudo bem!

Viver a própria vida dá trabalho, mas querer viver a vida do outro dá um trabalho maior ainda!

Exigir que o outro tome decisões baseadas nas suas escolhas é uma falta de respeito tremenda! E tentar a todo momento o convencer disso, é um abuso e uma imposição de autoridade!

Cobrar atitudes que o outro não é capaz de tomar e nem quer tomar, é de um desamor profundo!

Insistir na ideia que já foi refutada trilhões de vezes é de fazer defunto revirar no túmulo!

Sejamos honestos: Que prazer é esse de tentar convencer quem quer que seja da sua verdade?

Que necessidade é essa de pressionar e cobrar mudanças daquele que nem cobra nada de você? Daquele que se sente feliz sendo quem é e não prejudica ninguém sendo assim…

Se você acredita que o seu alvo de convencimento está se prejudicando ou prejudicando outras pessoas e possui a convicção que deve intervir, então ore!

Ore e peça aconselhamento a Deus!

Deus sempre envia as melhores respostas!

Se você estiver certa, Deus te ouvirá, e enviará lições para que ele enxergue por si só que ele precisa mudar!

Mas, ouça bem, se a sua preocupação for infundada, se a escolha que ele fez for a que Deus planejou para que ele se edifique e evolua, Deus ficará em silêncio, e a resposta será:

Deixe-o em paz! Deixe-o ser feliz a sua maneira!

Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é, não é mesmo? E por conta disso, busca as melhores lições para se tornar melhor!

Alguns precisam aprender na dor, outros acolhem os ensinamentos no amor, e a maioria necessita dos dois!

Aceite as escolhas dos outros e vá ser feliz!

Aprenda a respeitar o modo como o outro pensa, o jeito que ele vive, as decisões que toma e vá viver a sua vida também!

Forçar o outro a ser o seu bibelô de luxo é pura sacanagem! Demonstra apenas a sua triste vaidade, e a sua doença emocional!

Pare de fazer isso, é muito feio, e as pessoas, com certeza, se afastarão de você!

Eu aprendi a não querer convencer ninguém!Te respeito se você escolher continuar a tentar manipular os outros para que eles façam exatamente o que você quer que façam! Mas a minha escolha, sempre, será ficar bem longe de você!

Sabe aquela frase? “Não tenho nada contra, mas prefiro longe!”. Pois então, é isso!

Passe bem!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!