Aprendi a me afastar quando percebo que não me querem ali.

Resiliência Humana
aprendi-a-me-afastar-quando-percebo-que-nao-me-querem-ali

Aprendi a me afastar quando percebo que não me querem ali.

Muitas pessoas podem dizer que não vale a pena se retirar de lugares onde não gostam de nós, que basta ter um pouco de amor-próprio, agir de acordo, mas a prática não é tão simples.

Querer ficar em um lugar, porque queremos, porque nos acostumamos ou porque simplesmente tínhamos expectativas diferentes, pode ser um obstáculo.

O primeiro passo importante que devemos dar é reconhecer que eles não nos amam, seja porque nunca o sentiram ou porque esse sentimento já desapareceu. Uma vez reconhecido o fato, devemos aceitá-lo e da forma menos traumática para que possamos nos retirar com a maior dignidade possível.

Não importa o que tenhamos feito no passado, se toleramos cenários piores, todos temos a possibilidade de mudar, de respeitar, amar e cuidar mais de nós mesmos.

Todos nós temos o direito e o dever de só permanecer em um lugar onde somos verdadeiramente amados e valorizados.

Ninguém deve se conformar com menos do que merece e é precisamente neste ponto que grande parte das pessoas que passam por situações que os expõem a humilhações, abusos, engano ou qualquer outra circunstância que os fere, têm algum tipo de problema.

As crenças de merecimento são muito importantes, quando sabemos o nosso próprio valor, com condições cativantes, capazes de fazer amar quem queremos. Quando sabemos o que somos e o que estamos dispostos a dar, é muito menos frequente enfrentar situações onde não nos querem ou não apreciam a nossa presença.

Se tivermos clareza de que merecemos o melhor, se estivermos dispostos a colaborar com a felicidade de outrem, se não formos mesquinhos de sentimentos e não buscarmos apenas o bem-estar individual, podemos ficar calmos porque teremos poucas chances de atrair experiências que nos machucam ou nos fazem sentir deslocados.

Às vezes, precisamos passar por certas experiências dolorosas para tomar consciência de nosso valor, entender que é melhor não esperar nada de ninguém para não nos decepcionarmos, mas que em geral basta amar a nós mesmos e estabelecer os limites do que podemos aceitar em qualquer situação.

É preciso saber a hora de se afastar antes de se ferir.

Lembre-se sempre de que sua principal responsabilidade é consigo mesmo, se você está em uma situação ruim, você tem o dever de sair dela.

Errar é bom, confiar nas pessoas erradas pode acontecer, apaixonar-se por alguém que não nos corresponde também é um risco, mas ainda está dentro dos parâmetros de normalidade, mas se nos submetemos a uma situação dolorosa por não aceitamos a realidade por nos conformarmos com menos, não tem nenhum sentido e nos coloca em uma posição em que nossa dignidade será comprometida.

Sempre há alguém esperando para nos amar, mas não podemos adiar o amor-próprio, devemos senti-lo em qualquer circunstância e a partir dele tomar as decisões mais convenientes para nós.

Se afastar, às vezes não é fuga ou medo, é um sinal claro de que nos amamos a tal ponto de não aceitar migalhas de afeto ou implorar amor a quem não nos ama.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações DC. *Foto de Levi Meir Clancy no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia