Apego e dependência emocional: Quando o amor te faz sofrer!

Se você quer entender a si mesmo, e porque sofre em seus relacionamentos, um dos principais desafios a serem enfrentados é identificar qual é o seu estilo de apego.

Essa tendência que surge durante a primeira infância no relacionamento com os pais condiciona muito nossa maneira de se comportar e criar vínculos na idade adulta.

Por exemplo, o apego ambivalente e a dependência emocional estão intimamente relacionados e é importante ir à raiz do conflito para resolvê-lo.

Estima-se que mais de 23% dos adolescentes e jovens adultos sejam emocionalmente dependentes em seus relacionamentos. E isso afeta severamente seu bem-estar psicológico. Essas pessoas vivenciam constante ansiedade e desconforto em seus vínculos afetivos e podem ser muito limitadas no seu dia a dia. No entanto, esses traços dependentes têm uma origem anterior que deve ser analisada.

O que é apego ambivalente?

O apego é um vínculo afetivo intenso que se estabelece entre o bebê e seu cuidador principal (geralmente a mãe) durante os primeiros anos de vida. Isso se baseia nas demandas da criança e na capacidade do adulto responsável em responder adequadamente.

Quando o cuidador é sensível às necessidades do bebê e consistente em suas respostas , o bebê cresce sentindo-se seguro. Mas, quando isso não acontece, vários tipos de vínculo disfuncional podem ser gerados, dentre os quais está o apego ambivalente.

Bebê chorão

Esse termo refere-se à relação que se estabelece quando o cuidador principal é inconsistente, variável e imprevisível ao cuidar da criança.

Às vezes ele responde rápida e apropriadamente, e outras vezes é indiferente ou reage com raiva aos gritos e demandas infantis. Essa dinâmica faz com que o bebê cresça em constante incerteza, sem saber se, quando necessário, poderá contar com o adulto para ajudá-lo.

Tenhamos em mente que neste momento a sobrevivência da criança depende inteiramente da capacidade da figura que cuidar dela; portanto, essa inconsistência é vivenciada como um perigo real de morte . Essa criança aprenderá então a estar sempre vigilante, insegura e ansiosa e a procurar maneiras de garantir que o adulto responda.

Dependência emocional nos relacionamentos

Por outro lado, a dependência emocional é um padrão psicológico em que o próprio bem-estar depende da presença, afeto e atenção de outra pessoa . Assim, eles procuram construir relacionamentos muito próximos e há um desejo fervoroso (e sim uma urgência) de manter uma forte intimidade com seu parceiro.

Há um grande medo da solidão, uma busca constante por atenção e uma tendência a se submeter, agradar e deixar o outro tomar as decisões. Agora, qual é a relação entre apego ambivalente e dependência emocional?

Apego ambivalente e dependência emocional: como estão relacionados?

É difícil entender por que um adulto agiria dessa maneira. Por que você permitiria um relacionamento desequilibrado, por que se sentiria tão ansioso com qualquer mudança no comportamento do seu parceiro ou por que concordaria em se submeter e se anular para manter alguém ao seu lado. Mas isso é mais fácil de entender se observarmos que é a criança emocionalmente carente que está tomando as rédeas.

Aquela criança que nunca poderia ter certeza de que teria ajuda se precisasse, hoje sente a necessidade de se certificar e se assegurar de que o outro está disponível para ela. Por isso, pede e exige sinais constantes de afeto e compromisso.

Aquele bebê que teve que aprender a captar os gestos indicativos do humor de seu cuidador, hoje treme à menor variação no comportamento de seu parceiro. E é que se sua figura de apego fosse feliz, provavelmente receberia atenção e apoio; mas se ela estivesse triste ou mal-humorada, certamente receberia indiferença ou hostilidade.

Um menino que também entendia que sua sobrevivência dependia de sua capacidade de agradar o outro.
Que entendeu que seu choro ou sua raiva podem perturbar seu cuidador e aprendeu a suprimi-los para obter a atenção imprevisível. Hoje, ele não hesita em conformar-se aos desejos e preferências de seu parceiro, em detrimento de suas próprias necessidades, para mantê-lo ao seu lado.

Rumo a um amor seguro

Se você teve a sorte de estabelecer um relacionamento de amor seguro em sua infância, hoje provavelmente é uma pessoa com boa autoestima, que confia nos outros e é capaz de se relacionar sem medo. E esses são justamente os objetivos que aqueles que apresentam apego ambivalente e dependência emocional podem buscar.

Para alcançá-los, ele deve ser capaz de identificar a origem de sua forma disfuncional de se relacionar;

Você precisa entender como essas experiências da primeira infância continuam a condicioná-lo hoje. A partir daqui, você deve começar a mudar seu comportamento, parar de procurar seu parceiro em busca de segurança e apoio e assumir o controle de si mesmo .

Para isso, pode-se considerar a ampliação do círculo social a fim de obter essa intimidade afetiva também com outras pessoas (amigos e familiares), reestruturar pensamentos e controlar a ânsia de garantir constantemente o amor do outro.

É, sem dúvida, um processo complexo que leva tempo, pois tudo o que se aprende na infância e que não serve mais deve ser desaprendido e substituído por atitudes, pensamentos e ações mais funcionais. Por esse motivo, o apoio psicológico é fundamental.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LLM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia