Ao invés de julgar, pergunte, DIALOGUE. ACOLHA.

Daniele Abrantes
ao-inves-de-julgar-pergunte-dialogue-acolha

Hoje eu vim aqui te fazer um convite: Ao invés de julgar, pergunte, DIALOGUE. ACOLHA.

Cada um está travando uma batalha interna que você não sabe e talvez por isto, você se decepciona com suas próprias expectativas acerca do outro.

A posse, a ideia de querer que o outro seja igual a você, mata o desejo.

Seja leve. Desapegue. E deixe fluir. Julgar o comportamento alheio não vai mudar nada. No tempo certo tudo se encaixa. Isto é um vício ocasionado por traumas e vai fazer com que você sabote sua vida antecipadamente.

A verdade é que as pessoas ligaram o piloto automático e estão cada vez mais em busca de serem saciadas por conexões vazias, noite de prazer sem bom dia, brevidades, porque foram ensinadas que, ser abundante, é ter várias conquistas.

A busca frenética pelo externo para tapar o buraco interno. Mas a Matrix apresenta uma falha. Uma lacuna entre o que eu preciso versos o que eu acho que preciso.

Como calar as vozes que ficam o tempo todo dizendo que ser poderoso é TER e não SER?

Como calar as vozes que dizem que é perdedor aquele que dá a outra face?

Apenas pare. Silencie estes pensamentos com meditação, focando nos seus objetivos, mantendo sua mente ocupada, para não tomar atitudes precipitadas.

Interiorize. Procure aceitar que o outro vai agir conforme ele consegue no momento. Pare de julgar. Se te servir, aceite. Senão, agradeça o ensinamento e apenas se afaste. Sem alarde.

Aprendi que, na vida, todos somos alunos e professores. Claro que, como seres sociais que somos, o natural é querer tudo pra ontem.

Uma pessoa que tem me ajudado muito nesta peregrinação no autoconhecimento, é a querida e sábia escritora e jornalista Iara Fonseca, razão pela qual eu mergulhei no tema deste texto, após silenciar a mim mesma, através dos sábios conselhos dela.

Em suma, é tudo sobre nós mesmos e as lições que precisamos aprender, a cada ciclo que se abre e se fecha. E claro que, muitas lições irão doer. E muito. Mas apenas faça a SUA parte. Dê o primeiro passo. O mais forte é aquele que perdoa. Portanto, nunca se julgue trouxa.

Vejo muito na internet comentários do tipo: “Fulano é trouxa”. Oi?? E desde quando ser verdadeiro é ser trouxa? O legal é fingir ser quem não é? Hã?? Que mundo é esse em que vivemos, com valores tão deturpados?

Desculpa, mas não é ser trouxa ser quem se é de verdade e tem a “audácia” de se expor. Quem se expõe demonstra um ato de coragem. Pare de julgar quem sente com sinceridade.

Claro, se você dá mais do que recebe, reavalie. É preciso aplicar a Lei da Oferta e da Procura. Lei dos Investimentos. Se você investe e não obtém lucro, está perdendo tempo. Recue. Mas se vale o risco, tente novamente! Afinal, só se vive uma vez. Mas antes, limpe a bagunça interna. O quanto de sujeira você empurrou pra dentro da sua alma?

A nossa intuição também nos avisa. Mas nem sempre é um ponto final. Às vezes, é só uma questão de colocar uma vírgula no lugar certo, para então tudo ganhar um novo sentido.

Precisamos parar de ser extremistas e querer tudo no nosso tempo, do nosso jeito. Precisamos parar de julgar.

“Ah, mas comigo ou é 8 ou 80.” Desculpa, mas se você pensa desta forma, você ainda é uma criança (mimada, por sinal) presa no corpo de um adulto.

Este é o tipo de mentalidade que não vai te levar a lugar nenhum. Nem na sua vida pessoal, nos relacionamentos afetivos, nem na sua vida profissional.

O jogo da vida requer jogadas estratégicas, maleabilidade, temperança, e saídas assertivas quando as coisas não estiverem tomando o rumo correto. Para só então, de longe, reavaliar os pontos fracos e torná-los pontos fortes.

Lembre-se, posto que o que mais temos de precioso é nosso tempo, ninguém quer ficar ao lado de quem só julga, aponta, cobra. É desgastante demais. O que eu mais AMO é a minha LIBERDADE. É o ficar em algum lugar porque se fez uma ESCOLHA, não porque ela me foi imposta. Isto sim é ser LEVE.

Dê ao outro o que ELE quer. E não o que VOCÊ acha que ele quer.

Maturidade não vem com o tempo. Não tem a ver com idade, crença, religião, nada disso. Há, muitas vezes, mais maturidade no conselho de uma criança, no de um adulto “com PHD”, que se julgam donos da verdade.

Eu mesma, quando me meto numa treta política , peco neste quesito. Mas sei me posicionar sem agredir. Porque é mais importante pra mim a troca, e não o desejo de estar certa.

É até petulante tretar, porque você se coloca numa posição de superioridade em relação ao outro. Refleti e vi o quanto também erro. E sei que ainda errarei muito, porque ainda estou em processo de reconstrução.

Pressupondo que somos seres únicos, individuais, cada um possui o direito de exercer e acreditar nas suas verdades.

A você, só resta respeitar, mas se manter fiel às suas, baseando-se não no que o outro fala, mas no que ele faz. Isto se chama “se ater aos fatos”.

Só assim, despido desse traço egóico de querer controlar o que não pode ser controlado, você vai conseguir viver uma vida plena, feliz.

Não prenda nada. Solte. Se voltar, é seu. Se ficar, é sorte.

A vida não vai te dar a mesma chance duas vezes, então seja esperto, agarre a oportunidade e aí sim, não solte.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Daniele Abrantes
Sou jornalista de espírito vintage, que ama compor músicas ,pintar, e escrever sobre assuntos voltados à compreensão das relações humanas e da profundidade da alma. Acredito que as duas maiores forças que possuem o poder de mudar o nosso dia a dia são o Amor e a Empatia. Grata por compartilhar com vocês esta jornada.