Aceitar que não temos o controle sobre a vida é a melhor forma de lidar com a ansiedade

Larissa Dias
aceitar-que-nao-temos-o-controle-sobre-a-vida-e-a-melhor-forma-de-lidar-com-a-ansiedade

Aceitar que não temos o controle sobre a vida é a melhor forma de lidar com a ansiedade

Quem sofre de ansiedade, sabe o quão difícil é aquietar a mente. Entre um pensamento e outro, há um pouquinho de futuro, um tanto de passado, ainda que a gente só consiga viver no presente.

Sou uma pessoa ansiosa, mas não tenho crises. Porém, às vezes, me pego pensando em coisas que não vivi e talvez nem viva um dia.

Tenho tanta pressa de viver, que é difícil decidir entre viver o presente e planejar um futuro. Porque parte de mim quer viver intensamente o agora e a outra parte questiona demais sobre o amanhã.

Sou uma mistura de medo e euforia, vontade e dúvida, fé e incerteza no mesmo coração.

Eu acho que um dos segredos para lidar com a ansiedade, é entender que a gente não tem controle de nada.

Temos o livre árbitro para fazer escolhas, mas nem tudo depende apenas do nosso esforço.

O ideal é fazer uma auto análise e buscar entender o que está deixando sua mente inquieta. Se questionar sobre seus sentimentos, é compreender a raiz da questão e buscar auto aceitação.

Ser ansioso não é um defeito, ainda mais em um mundo onde tudo é imediato.

Fé, esportes, leitura, escrita. Você precisa encontrar algo pra extravasar essa energia.

E lembre-se, é libertador aceitar a falta de controle. Isso faz a gente aquietar um pouco os nossos pensamentos.

*Foto de Ashkan Forouzani no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Larissa Dias
Estudante de jornalismo, radialista por amor, escritora nas horas vagas. Adora das boas risadas, costuma passar os domingos de pijama assistindo filmes e séries. Apesar de não curtir baladas, é incapaz de recusar uma rodinha de violão, e para pra cantar junto. Mesmo desafinada, garante que é simplicidade em pessoa.