A vida é linda, um filme sobre a superação das adversidades

A vida é linda é provavelmente o filme italiano mais reconhecido e aclamado internacionalmente. O roteiro, a trilha sonora e as interpretações dos atores fazem dele um filme inesquecível, capaz de ir do riso às lágrimas e transmitir uma infinidade de emoções. Em suma, uma obra-prima do cinema carregado de mensagens, dirigido e estrelado por Roberto Benigni em 1997.

Resiliência Humana

Por: Leah Padalino

Este filme é inspirado no trabalho Alla fine ho sconfitto Hitler por Rubino Romeo Salmoni, um sobrevivente de Auschwitz que narra sua experiência nesse livro. O filme é sobre a história de Guido Orefice, um judeu-italiano que se muda para Arezzo para trabalhar no hotel de seu tio. Logo, ele vai encontrar Dora, uma professora de uma família rica, semelhante ao regime fascista. Guido fará todo o possível para conquistar Dora, ele sempre aparece inesperadamente e tentará surpreendê-la de todas as formas possíveis.

“Bom Dia princesa”.

-Guido, a vida é linda-

Finalmente, o amor entre os dois triunfos, e eles terão um filho, Giosuè; Guido parece sorrir para a vida. No entanto, a Segunda Guerra Mundial fará com que sua vida inteira desmorone e acabe em um campo de concentração.

A vida é bela, nos leva a uma Itália submersa no fascismo e nos leva aos horrores dos campos de concentração. Ele faz isso de uma maneira diferente, ele nos apresenta essa história como uma espécie de conto com um final amargo.

«Esta é uma história simples, mas não é fácil dizer. Como em uma fábula, há dor e, como uma fábula, é cheia de maravilhas e felicidade »,

-Giosuè, a vida é linda-

A vida é linda, do cômico ao trágico
A vida é linda começa em um tom alegre, divertido e engraçado; De fato, por causa de suas primeiras cenas, dificilmente podemos adivinhar que estamos diante de um drama, embora tenhamos visto a ascensão do fascismo na Itália desde o início.

A comédia em La vida es bella encontramos em pequenos detalhes, em pequenos momentos que levam a um aceno cômico. No entanto, o mais interessante é como uma situação desagradável e assustadora consegue nos fazer sorrir.

A ideologia fascista que prevaleceu na época fez que em 1938 fosse publicado o Manifesto da raça, texto assinado por cientistas italianos que endossavam a existência de raças humanas. Essas raças foram divididas em pequenas e grandes raças, onde a ária era, naturalmente, a grande raça. Uma corrida italiana pura. Essas idéias, juntamente com as leis raciais fascistas, foram explicadas nas escolas e, assim, as crianças evitariam se unir aos judeus para não alterar sua “pureza”.

É possível que um judeu desrespeite essas leis raciais? É possível a um judeu desmantelar toda uma teoria fascista de cada vez diante de um grupo de crianças? Sim, é, pelo menos, na vida é bonita.

Guido finge ser um inspetor do ministério que deve oferecer uma conversa com as crianças sobre o Manifesto da raça. Na verdade, Guido quer chamar a atenção de Dora, mas o que a cena mostra é que somos todos iguais.

Guido aponta seu umbigo como um autêntico umbigo italiano, suas orelhas, etc. As crianças, quando vêem, imitam e riem. Deste modo, Guido consegue desmistificar as diferenças a que o manifesto agrada, já que ele é judeu e não apresenta nenhuma característica física que o distinga das crianças italianas “puramente arianas”.

Esta cena certamente nos traz todo um sorriso, mas é um sorriso amargo quando se considera o verdadeiro significado que eu tinha que falar, o que essas crianças suposto ouviram em uma palestra sobre Senhor das raças humanas.

Guido zomba de todas essas crenças, desmantela toda a ideologia racista com comentários espirituosos e engraçados. É um personagem que nos conquista desde o início, é despreocupado, muito criativo e sua luta para conquistar Dora nos fascina. Nada impede, nem mesmo o fascismo.

«Ontem à noite, eu sonhei com você, fomos ao cinema, você usou aquele vestido rosa que eu gosto tanto».

-Guido, a vida é linda-

A vida de Guido e sua família é truncada pelo Holocausto, Guido sai com seu filho e tio para um campo de concentração. Dora, sendo italiana e não judia, não é obrigada a ir, mas decide sair voluntariamente para tentar ficar com sua família.

A partir deste momento, o filme toma um rumo radical, o tom alegre e despreocupado caminha para a tragédia. Mas Guido não perde o sorriso por um momento, sempre tenta lutar por sua sobrevivência e a de sua família e começa a inventar uma história que evita o sofrimento do pequeno Giosuè.

A luta e sacrifício de Guido

Uma frase, uma crença ou uma ideia podem fazer o mundo de uma pessoa mudar completamente, que a nossa maneira de ver a vida é transformada e que tudo faz sentido. Ferruccio, amigo de Guido, conta a ele no início do filme que, segundo Schopenhauer, “com a vontade você pode fazer tudo”. Esta frase marcará Guido para sempre. No início, ele vai usá-lo comicamente, mas com o tempo, percebemos que será o seu modo de vida.

Guido tem um propósito, ele quer sobreviver, mas, acima de tudo, ele quer que seu filho faça isso. Ele lutará até o fim, tentando impedir que seu filho perca seu sorriso, seja feliz no inferno. Ele sacrificará sua própria segurança para que seu filho não veja os horrores do campo de concentração, ele fará todo o possível para encontrar Dora e enviar sinais para que ela saiba que ainda estão vivos.

Guido é um exemplo de luta e superação de adversidades. Sua grande imaginação e vontade criarão uma falsa realidade para que seu filho não tenha consciência do que está vivendo. Isso fará você acreditar que tudo é um jogo, que eles são gratuitos e podem sair quando quiserem, mas se eles resistirem e conseguirem ganhar mil pontos, eles terão sua recompensa. Por outro lado, Giosuè sempre sonhou em ter um tanque de verdade, por isso, Guido o fará acreditar que o prêmio será esse e, assim, cria em Giosuè uma vontade de viver.

Guido não sabe se eles vão sobreviver, ele não sabe quanto tempo eles devem permanecer no campo, mas sua ânsia de sobreviver é mais forte do que qualquer incerteza. Não deixe seu filho te ver devastado, triste ou não querendo viver. A vida é bela nos mostra que a felicidade, às vezes, está em nossa maneira de olhar a vida, aceitar e enfrentar a adversidade.

Apesar do grande extermínio que ocorreu nos campos de concentração, também houve sobreviventes, pessoas que conseguiram enfrentar tortura, fome e injustiça. Um exemplo disso é o psiquiatra Viktor Frankl que, após sua sobrevivência em um campo de concentração, publicou The Man in Search of Meaning. Trabalho em que ele expõe sua experiência e cita uma frase famosa de Nietzsche que pode resumir muito bem o argumento da vida é bela: “quem tem uma razão para viver pode enfrentar todos os comos”.

A vida é bela é um exemplo de superação, nos faz ver a beleza no horror e na liberdade mesmo onde não há, nos faz rir e chorar … Guido tinha um motivo, um testamento e conseguiu criar esse sentimento em seu filho. Desta forma, apesar da crueza do filme, poderíamos dizer que sua luta e seu esforço valeram a pena.

«Esta é a minha história, este é o sacrifício que o meu pai fez, este foi o seu presente».

-Giosuè, a vida é linda-

Traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia