A sua dor não é “mimimi”. A falta de empatia revela a dureza do coração, amargura e infelicidade, mesmo que a pessoa não admita nada disso.

Pessoas que demonstram falta de empatia, são pessoas que fingem estar bem, mas na verdade, não estão. Porque uma pessoa que não consegue ser empático, que não se compadece, não sente compaixão, só se comporta assim, por estar impregnada de sentimentos ruins.

No mínimo, ela alimenta um profundo egoísmo, e a insensibilidade a transforma em uma pessoa grotesca, que não se importa se os seus julgamentos ferem, machucam, e ofendem.

Muitas pessoas são tão apegadas a própria infelicidade que se tornam amargas, e quando se deparam com alguém que não está bem, que precisa de ajuda, sem ter condições de ajudar, mas não reconhecendo isso, ela acaba respondendo à situação com um “ar de superioridade”.

Essas pessoas acreditam que a vida é dura e que todos precisamos ser fortes o tempo todo, elas se mostram assim socialmente, mas internamente, estão desequilibradas, e quando percebem alguém vulnerável, logo abusam, se aproveitam, tiram vantagem e emitem opiniões extremamente duras.

Elas conseguem piorar o que já não está bom.

É tão cruel chegar para alguém que está se sentindo infeliz e dizer que ela está fazendo “Mimimi”.

Algumas pessoas dizem: Você precisa ir “roçar um terreno”, “lavar uma pia cheia de louças”, “vá trabalhar que passa”… Sentenças que ferem e demonstram total falta de empatia.

Algo está infinitamente errado com essas pessoas, mas elas negam, por isso pisam, riem, zombam da dor dos outros, mesmo sabendo que, fazendo isso, contribuem para que as suas dores aumentem.

Parece que são incapazes de expressar uma palavra de apoio, um conselho amoroso, um abraço sincero, um acolhimento fraterno… Parece que elas precisam espizinhar, brigar, criar um estado desconfortável até ver a reação de tristeza nos olhos do outro.

É triste ver a falta de sensibilidade e empatia em muitas pessoas, pois não são apenas algumas, são muitas. São são só as palavras que são duras, existe uma dureza no coração.

Chamar a dor de um amigo, de um parente, do companheiro (a), do colega de trabalho, de mimimi, significa: “Eu não te respeito”, “Eu desejo que você sofra ainda mais”, “Eu não ligo a mínima para você”.

Não seja essa pessoa! Porque quando você menospreza a dor do outro, existe ainda maior em você, e mesmo que você negue essa dor, ela transparece nas suas ações e palavras. Me chame no direct @rhamuche, e agende uma consulta individual, para se libertar dessa dureza no coração! A vida pode ser leve!

Tudo o que precisamos quando estamos tristes é de alguém que diga “A sua dor não é “mimimi”. Eu vejo e sinto você! Conta comigo!”

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.