A sexualidade não é um problema, o ódio à diferença é!

Resiliência Humana
a-sexualidade-nao-e-um-problema-o-odio-a-diferenca-

A sexualidade não é um problema, o ódio à diferença é 07 de julho de 2019

Por Valeria Sabater

A sexualidade não é um problema. Não seria, se não houvesse gente determinada a nos doutrinar, mentes obcecadas em nos impor como devemos amar, sentir e até revelar nossa própria identidade de gênero, como se ela pudesse ser escolhida. O verdadeiro problema é simplesmente o ódio pela diferença.

De alguma forma, e quase desde que desenvolvemos o conceito de sociedade ou mesmo o disputado conceito de “civilização”, o ser humano sempre fez questão de estabelecer um “nós” de ferro diante dos “outros”, como diria recentemente o falecido Tzvetan Todorov.

A aceitação da diversidade humana, da liberdade cultural, religiosa ou sexual, é uma questão pendente que muitos se recusam a reconhecer, como se a existência de outras opções fosse um atentado à sua própria opção.

“Nada é mais intenso do que a terrível sensação de ter nossa própria identidade arrancada de nós” -Alejandra Pizarnik ”

Exemplo disso vivemos ao longo desta semana com a autocaravana criada pelo grupo ultracatólico “HazteOír”, que partiu de Madrid com um propósito muito específico: doutrinar a sociedade sobre a identidade de género através do seguinte slogan “Os meninos têm pênis. As meninas têm uma vagina. Se você nasceu homem, você é homem. Se você for mulher, continuará sendo”.

Este slogan puramente transfóbico, antiquado e discriminatório teve grande repercussão na mídia nacional e internacional, à qual quase ninguém foi indiferente.

O gênero sentido e o gênero atribuído

Começaremos nosso artigo contando a história de Trinity Xavier Skeye. Ela mora em Delaware, Estados Unidos, e hoje é uma linda e feliz menina de 12 anos. Agora, o que nem todo mundo sabe, ao ver essa menina, de olhos grandes e cabelos multicoloridos, é que aos 4 anos ela queria se suicidar.

“Você deve ser capaz de amar o outro de tal maneira que ele se sinta livre” -Thich Nhat Hanh Espanha-

Trinity nasceu com um pênis e, como marca da sociedade, foi criada, vestida e orientada de acordo com o seu gênero. Porém, quando tinha 3 anos, disse à mãe que havia algo “que estava errado, muito errado”: ​​ela era uma menina, não um menino. A família dele não queria dar muita importância a essas ideias, afinal … Como fazer, se ele era apenas um menino de 3 anos?


Trinity Xavier Skeye 12 anos

Agora, quando aquele menino de três anos fez quatro, caiu em silêncio absoluto e começou a se sentir deprimido. Mais tarde, Trinity tentou cortar seu pênis. O “sim ou sim” dos pais era um “NÃO” à vida para ela, era um firme e retumbante “NÃO” continuar a existir num corpo, que, mais do que um invólucro físico, era uma prisão.

Quando os terapeutas infantis receberam Trinity, eles sabiam claramente que o problema não era com a menina. A primeira coisa que fizeram foi dizer à garota que “não havia nada de errado com ela”. O erro estava nos pais. Portanto, eles foram enfáticos e muito claros. Foi perguntado a eles: O que você prefere, uma garota feliz ou um garoto morto?

Até hoje, Trinity é a primeira criança em Delaware cujo tratamento médico é subsidiado. Sua mãe, DeShanna Neal, é uma defensora ferrenha de sua filha, alguém que ela lamenta não ter apoiado quando pediu ajuda. Ela finalmente entendeu que as crianças não devem ser tratadas pelo sexo biologicamente designado, mas pelo sexo sentido.

Transexualidade e intersex

Pessoas que não se enquadram na tradicional atribuição de gênero exigem maior visibilidade, longe dos clássicos tópicos ofensivos e informações desatualizadas.

Um exemplo disso é encontrado em crianças intersex.

Ser intersexo, e isso deve ficar claro, não é ser hermafrodita. Ocorre quando há discrepância entre o sexo genético, da gônada e da genitália; fator que caracteriza, segundo a OMS, 1% da população.


Jonathan, 8 anos A transexualidade não é um problema.

Um exemplo disso temos em Jonathan. Ele tem 8 anos e desde os 2 anos e meio sabia claramente que era menino e menina ao mesmo tempo. Sua família também teve que dar o passo psicológico e social em direção a essa realidade em que algo inquestionável está em jogo: a felicidade de seu próprio filho. Porque quem ama, respeita e tem como prioridade o bem estar do filho, apoia, aceita e ajuda.

Atualmente, Jonathan costuma passar suas férias no “Camp Rainbow Day” na Baía de São Francisco, Califórnia. Aqui, as crianças podem expressar livremente sua identidade de gênero, e aqui, nosso protagonista sempre gosta de se vestir como um animal muito específico: o unicórnio.



É hora de redefinir o conceito de gênero

Em nossa sociedade não existe uma “Inquisição Gay” como afirma o grupo “HazteOír”. Tampouco existem comunidades, escolas ou famílias que busquem, por capricho, confundir as crianças orientando-as para uma identidade de gênero específica, como também defendem nesta caravana de polêmica e injúria. Nada disso é verdade por um motivo muito simples: a identidade de gênero não é escolhida.

Nenhum menino acorda um dia e decide ser menina da mesma forma que decide que naquele dia vai colocar um casaco ou outro, nem qualquer menina escolhe ser menino por capricho só porque quer mudar o estilo de roupa. Porque o gênero não é uma cor, nem um sabor, nem um calçado que se calça e retira de acordo com o humor .

“A violência, seja física ou verbal, é recurso do incompetente”-Isaac Asimov-

Até hoje, a maioria de nós sabe que os termos “masculino” e “feminino” não são conjugados com clareza ou sucesso adequados. O gênero é um amálgama constituído pelos cromossomos (X e Y), pela anatomia (genitália externa e órgãos sexuais internos) pelos hormônios e, sobretudo, por aquela psicologia que a criança sente desde muito jovem, qual a sua identidade de gênero.

Isso explica porque aumentou hoje o número de famílias que exigem das escolas que seus filhos sejam tratados pelo “sexo sentido” e não pelo “sexo designado”. As crianças, seja qual for sua identidade, precisam ser aceitas.

Se continuarmos a invocar a rejeição, à diferença, ao ” se você nasceu homem, você é homem, se você é mulher continuará sendo”, estaremos alimentando ódio ou causando repetição de acontecimentos traumáticos e imperdoáveis ​​como o que aconteceu com Leelah Alcorn, uma jovem trans que cometeu suicídio há alguns meses, atirando-se em um trailer em Ohio, por não ter sido aceita por seus pais.

Vamos tomar partido

Compreendamos que o mundo não se divide em rosa e azul e que talvez seja hora de redefinir o conceito de gênero.

Quer queiramos ou não, termos como transgênero, cisgênero, gênero não binário, queergênero ou aggênero moldam uma realidade social imparável que devemos reconhecer a fim de fornecer apoio, reconhecimento e normalização.

Cabe a nós criar um mundo mais justo e com menos preconceito. O gênero não é um problema, o problema é a intolerância com o diferente.

*DA REDAÇÃO RH. om informações LMM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia