A semana tem 7 dias, vamos resolver “algum dia” não é um deles!

Resiliência Humana

Se você costuma adiar as coisas dizendo “algum dia eu farei”, você deve saber que “algum dia” não é um dos 7 dias da semana. O hábito de adiar ad infinitum – ou não querer lidar com a situação – não é uma boa ideia, porque os problemas não resolvidos normalmente continuam a crescer.

O peso de problemas não resolvidos

Muitas vezes somos sobrecarregados pela lembrança de tarefas pendentes, em vez de enfrentá-las. Atrasar tarefas e decisões não fará com que seu peso desapareça de nossa mente; pelo contrário, elas se tornarão um fardo adicional. Cada vez que adiamos algo, nossa mente subconsciente marca um post-it , um aviso que permanece ativo como um foco vermelho.

Se assumirmos o hábito de adiar tudo o que não queremos enfrentar, nossa mente acabará cheia de post-it mental. Esses lembretes constantes se tornam uma fonte de tensão, mau humor e confusão mental. Como resultado, o peso do problema que adiamos é adicionado ao peso do lembrete constante, mais a incerteza de não saber como tudo terminará.

Quando temos muitos post-it mentais, corremos o risco de sofrer um bloqueio mental. A perspectiva de todos os problemas e questões que temos que resolver é simplesmente esmagadora. E nosso equilíbrio mental cai sob seu peso.

Em muitos casos, esse atrito se traduz em sintomas psicofísicos, de uma dor de cabeça emocional recorrente a exaustão constante ou problemas dermatológicos.

Se a procrastinação é tão ruim, por que fazemos isso?

Os biopsicólogos da Ruhr-Universität Bochum têm a resposta.

Eles examinaram o cérebro de 264 pessoas para entender por que alguns têm a tendência de adiar tarefas em vez de abordá-las diretamente. Eles descobriram que pessoas com pouco controle tinham uma amígdala maior.

Além disso, a conexão funcional entre a amígdala e o chamado córtex cingulado dorsal anterior era mais fraca. O que significa isto?

A amígdala é uma espécie de epicentro emocional que ativa a resposta de luta ou fuga. Quando confrontada com uma situação, seja ela qual for, a amígdala traz experiências semelhantes do passado para determinar se esse estímulo é perigoso ou não.

Também nos adverte sobre as possíveis conseqüências emocionais negativas de nossas ações. Em outras palavras, decidir em questão de segundos se essa situação é perigosa e, portanto, algo que devemos evitar.

A amígdala também escolhe entre uma série de opções de comportamento, priorizando algumas e inibindo outras.

Isso significa que as pessoas com uma amígdala maior aprenderam com seus erros do passado e avaliaram suas ações e consequências futuras de uma maneira mais meticulosa. No entanto, o que pode parecer positivo, tem um lado negativo.

O córtex cingulado dorsal anterior usa as informações fornecidas pela mialgia para escolher as ações que devemos colocar em prática.

Se a interação entre a amígdala e o córtex cingulado dorsal anterior for mais fraca, a amígdala realizará seu trabalho de análise emocional, mas não podemos executar as ações correspondentes com sucesso.

De fato, os pesquisadores descobriram que as pessoas com uma amígdala maior sentem-se mais ansiosas sobre as consequências negativas de uma ação, por isso tendem a duvidar e adiar as coisas.

Nós não estamos “condenados” a procrastinar

Essa conexão “defeito” entre a amígdala e o córtex cingulado dorsal anterior foi formada ao longo dos anos, é o resultado de comportamentos passados ​​em que decidimos que era melhor adiar o problema.

A boa notícia é que podemos corrigi-lo porque nosso cérebro tem uma grande neuroplasticidade, o que significa que podemos mudar as conexões funcionais.

Neurocientistas da Universidade de Pittsburgh, por exemplo, mostraram que 8 semanas de meditação mindfulness podem reduzir o volume da amígdala, por isso este é menos reativo e não é mais uma ameaça, enquanto o volume aumenta o córtex pré-frontal, que é o que nos ajuda a tomar decisões racionais, melhorando a conexão entre ambos.

Portanto, na próxima vez que você considerar deixar essa tarefa para “algum dia”, tente descobrir por que você a adiou e considere um plano de ação para enfrentá-la.

Fontes:

Schlüter, C. et. Al. (2018) Assinatura estrutural e funcional do controle de ação. Ciência Psicológica ; 1-11.

Taren, AA et. Al. (2015) Treinamento de meditação de mindfulness altera a conectividade funcional do estado de repouso da amígdala relacionada ao estresse: um ensaio clínico randomizado controladoSoc Cogn Affect Neurosci ; 10 (12): 1758-1768.

** Tradução e adaptação REDAÇÃO RESILIÊNCIA HUMANA. Com informações de Rincon Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia