A raiva por trás de alguns silêncios: Ela permanece nos pensamentos!

Resiliência Humana
a-raiva-por-tras-de-alguns-silencios-ela-permanece-nos-pensamentos

A raiva por trás de alguns silêncios: Ela permanece nos pensamentos!

Por Marián Carrero Puerto

Há pessoas que não falam após um conflito, mas que acumulam raiva dentro delas. O que está por trás desse comportamento? Por que eles fazem isso? Nós explicamos a você abaixo.

A raiva por trás de alguns silêncios

Qual é a razão por trás da raiva por trás de alguns silêncios? O que isso pode esconder? A raiva é uma emoção que nos é adversa ou desagradável quando a vivenciamos; portanto, sua utilidade geralmente não é reconhecida socialmente, o que não significa que ela não a tenha utilidade.

As emoções são reações psicofisiológicas que representam maneiras de se adaptar a certos estímulos quando percebemos um objeto, pessoa, lugar, evento ou memória importante. E também todas carregam uma mensagem.

No nível cerebral, a atenção é alterada por emoções que fazem com que certos comportamentos orientadores de resposta subam de categoria e ativem redes associativas relevantes na memória de cada pessoa. Isso também acontece com a raiva.

A Real Academia Espanhola (RAE) define raiva de acordo com diferentes significados, desta maneira:

1. Sentimento de indignação que causa raiva.

2. Apetite ou desejo de vingança.

3. Fúria ou violência dos elementos da natureza.

4. Repetição de atos de crueldade, raiva e vingança.

Agora que sabemos um pouco mais sobre as emoções em geral e em que consiste a raiva, vamos ver o que está por trás disso quando a raiva é silenciada.

A raiva é uma escolha e um hábito. É uma reação aprendida à frustração e, como resultado, você se comporta como preferiria não se comportar se não estivesse sentindo raiva. De fato, a raiva profunda é uma forma de insanidade. Você é louco quando não consegue controlar seu próprio comportamento ».-Wayne Dyer-

Desmascarando a raiva por trás de alguns silêncios

Como podemos perceber a raiva por trás de alguns silêncios?

Essa emoção, como qualquer outra, pode ser muito complexa e coexistir junto com várias emoções concatenadas. Ou seja, quando experimentamos a emoção da raiva, é mais provável que também possamos experimentar emoções como culpa, tristeza, decepção etc.

Se nesse momento conseguirmos lembrar de uma situação em que podemos ter experimentado a raiva, poderemos ver como ela aparece em um contexto entre duas ou mais pessoas. E é que, praticamente, a maioria das emoções ocorre em um contexto interpessoal, quando estamos na frente de outras pessoas.

Assim, se, por exemplo, brigamos com uma pessoa que apreciamos, a quem temos carinho e ela nos insulta, verificamos que a primeira emoção que aparece é a raiva, então pode ser que a culpa apareça e, em seguida, pode ser que sentamos a tristeza devido à reação que tivemos de insultar também a pessoa que amamos.

Poderíamos continuar dando um milhão de exemplos e perceberíamos que isso realmente acontece dessa maneira.

Além disso, se o aplicássemos a situações específicas, seria ainda mais fácil reconhecê-lo.

Agora, o que fazer para combater a raiva por trás de alguns silêncios e se sentir melhor?

Uma boa maneira de fazer isso é através da regulação emocional baseada na atenção plena. Exporemos a seguir.

«A expectativa me trouxe decepção. A decepção me trouxe sabedoria. Aceitação, reconhecimento e apreço me trouxeram alegria e satisfação.-Rasheed Ogunlaru

Regulação emocional baseada na atenção plena

Mais e mais intervenções baseadas na atenção defendem a incorporação de uma seção sobre regulação emocional em seus programas.

O programa pioneiro para incorporá-lo foi o MBSR (ou como está traduzido para o espanhol: Programa de Redução de Estresse com base em Atenção Plena ou Atenção Plena).

O MBSR foi criado por Jon Kabat Zinn em 1979 na Universidade de Massachusetts. O programa MBSR enfatiza a capacidade de parar e ver antes de agir, de aprender a exibir comportamentos mais eficazes e adaptados a eventos.

Agora, como a prática da atenção plena pode regular nossas emoções? Quais mecanismos você usa para esse fim? Quais são os seus benefícios?

Dizem que as emoções têm quatro componentes e, portanto, quatro maneiras de se manifestar.

São eles: o corporal, o cognitivo, o sentimento e, finalmente, o impulso.

A prática da atenção plena visa trabalhar a emoção através do corpo.

Dessa maneira, colocar nossa atenção no corpo faz com que nossa mente gere menos pensamentos. Esses pensamentos que apenas continuam alimentando a emoção da raiva e que não conseguimos parar de refletir sobre.

Ao praticar a atenção regularmente, conseguimos romper esse círculo vicioso e impedir que o impulso de que falamos no exemplo anterior (insultar outra pessoa) aparecesse. Deixamos a você uma prática orientada que serve para aprofundar mais.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações de LMM

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia