A metáfora da indelicadeza: o elefante em loja de porcelanas

Jackson César Buonocore

A metáfora da indelicadeza: o elefante em loja de porcelanas

A psicanálise se utiliza dos recursos simbólicos, pois o que sentimos, falamos e pensamos sobre a vida e o mundo podem ser explicados pelos conceitos metafóricos.

As metáforas são usadas de modo inconsciente e influenciam a nossa linguagem falada e escrita, que produz sentidos figurados por meio de comparações.

A expressão “o elefante em loja de porcelanas”, com suas variáveis: cristais ou louças é uma metáfora que explica o comportamento de gente grosseira, deselegante ou sem nenhuma delicadeza.

Em geral, essas pessoas são agressivas e colecionam inimizades, porque agem com indelicadeza, sem se preocupar que estão magoando os outros.

É como um elefante numa “sala de cristais”, que não quer entender que nesse ambiente tem seres humanos de diferentes idades, etnias, crenças, ideologias e orientação sexual. E que suas atitudes deselegantes geram mal-estar nas empresas, nas famílias, nas escolas e nos demais espaços públicos ou privados.

Essa agressividade pode estar ligada ao um desequilíbrio físico ou emocional, que é inconsciente e contém materiais reprimidos da consciência, e quando emergem para o consciente produzem ansiedade, que se revertem em hostilidade.

Os indivíduos com esse perfil agem de maneira vil, como se fossem palhaços do circo de horrores ou como um elegante que se mostra tenso na “loja de louças”, constrangendo quem está ao seu redor.

É cada vez mais comum vê-los, inclusive nas redes sociais, sendo ofensivos com pessoas frágeis física e emocionalmente, como crianças, idosos, mulheres grávidas, pessoas com deficiências, pacientes com depressão profunda e doentes crônicos, que não conseguem dar uma resposta aos desaforos.

Precisamos protegê-las de palavras afrontosas, que tem o poder simbólico e psicológico de ferir e humilhar os mais fracos.

O ID desses indivíduos tem uma estrutura de personalidade, que se comporta de forma caótica, sentindo prazer nas ofensas contra os demais.

No entanto, o que eles ganham como isso?

É o lançamento dos seus desejos ao consciente, pela satisfação plena e imediata, da destruição do afeto, do respeito e da confiança, que são delicados como cristais ou porcelanas.

Há duas possíveis análises para entender esse tipo de conduta desagradável;

Primeiro: está agindo só pelo impulso, como uma criança mimada, que pressiona o ego para satisfazer os seus mais diversos desejos.

Segundo: ou se move pelo instinto de morte, um instinto autodestruidor, que está na fonte de todos os tipos de agressividade.

Entretanto, para se relacionar com os brutamontes da indelicadeza precisamos de assertividade, que é dizer o que precisa ser dito, no lugar certo e no momento certo, mas com a mesma elegância dos cristais, uma vez que esses sujeitos não estão acostumados a ser tratados com gentileza.

É por isso, que a polidez se torna impactante para quebrar a frequência da má educação, que vem do rico ou do pobre, do culto ou do ignorante, já que ser assertivo e calmo é uma virtude moral e divina.

Enfim, a redenção dessas criaturas é autocrítica e a busca por ajuda psicoespiritual, a fim de mudar esse padrão inconsciente de hostilidade.

Também devem ser dar conta que é importante ter – autocontrole e refletir antes de falar –, visto que não se deve colocar para fora tudo o que vem à mente, e pôr na consciência que o mundo não gira em torno do seu umbigo.

Aliás, ninguém quer manter na sua loja ou melhor na sua vida, um elefante para quebrar seus cristais ou suas louças, já que a restauração desse material é muito custosa.

IMAGEM:PIXABAY

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Jackson César Buonocore
Sociólogo e Psicanalista