A mente em crise: o labirinto do pensamento caótico

Resiliência Humana
a-mente-em-crise-o-labirinto-do-pensamento-caotico

A mente em crise: o labirinto do pensamento caótico

Por Valeria Sabater

Estar em crise é como se o mundo inteiro estivesse pendurado por um fio. A mente é sequestrada pelo estresse e por essa incerteza que alimenta ainda mais o nervosismo.

O que podemos fazer nessas circunstâncias?

A mente em crise não atende a razões, responde a instintos e se limita apenas a nos deixar suspensos em um estado de sobrevivência.

Ela consegue se comunicar, ir e vir do trabalho, socializar, etc. No entanto, sabemos que, no meio dessa aparente normalidade, nada parece fazer sentido e cada vez nos sentimos mais perdidos e presos pelo sentimento de angústia.

Albert Einstein disse que as crises são sempre necessárias ; eles atuam, afinal, como impulsionadores da mudança que as sociedades e os indivíduos precisam se atualizar.

No entanto, como fazer isso?

Como aplicar uma abordagem tão construtiva?

Elas nos deixam presos, presos em constantes incertezas, em um mar de perguntas em que o medo e as dúvidas navegam.

Não é fácil.

Além disso, para entender o significado dessas situações da vida, vale lembrar o que Hipócrates apontou em seus dias.

Ele argumentou que a palavra crise teve sua raiz em sânscrito: kibh (cortar) e foi assimilada ao grego para compor o termo krisis, que significava “ter que decidir”.

Crise significa então: Cortar! Ter que decidir!

O pai da medicina ocidental insistia que esses períodos colocavam a pessoa em um momento decisivo a partir do qual se pode sair melhor ou pior.

Em outras palavras, essas situações não nos impulsionam automaticamente para o progresso. Devemos promovê-lo, cuidando de uma série de fatores emocionais, cognitivos e motivacionais.

Vamos nos aprofundar um pouco mais neste tópico.

A mente em crise, como isso funciona?

As crises são poliédricas. Elas têm muitas formas: pessoais, devido a certas transições; originada por fatores sociais, situações emocionais, trabalho e até razões existenciais.

Agora, além do gatilho, há um fato inegável: a mente em crise sempre reage e age da mesma maneira.

Antes de tudo, o que vemos diante de nós é o colapso absoluto de nossa estabilidade.

Há um obstáculo que impede o nosso progresso e aquele que podemos continuar com tudo o que tomamos como garantido.

Que algo que interfere em nosso equilíbrio está além de nós, porque não temos meios ou estratégias para saber como enfrentá-lo. E algo assim gera uma clara sensação de perda de controle e angústia .

Uma crise é uma síndrome de estresse agudo

A mente em crise, o que experimenta, é estresse e, geralmente, é vivida com uma sobrecarga de emoções opostas, pensamentos caóticos e a sensação de não saber como agir.

São períodos de alta tensão psicológica em que é comum derivar ideias obsessivas como “Não vou conseguir fazer isso” ou “tudo está ficando cada vez pior”.

Também em resistência, “isso não deveria ter acontecido”, e mesmo na busca de culpados”, isso é culpa do meu chefe que abusa de mim, ou da minha família que não me respeita, ou desses políticos que fazem tudo errado ».

Esse tipo de fluxo mental intensifica ainda mais o sofrimento, de modo que derivamos para um círculo constante de luta e fuga, de querer agir e, ao mesmo tempo, escapar daquela situação que está além de nós.

Crises duram em média oito semanas

Como explica o professor de psiquiatria González de Rivera (2001), a mente em crise evolui ao longo de 8 semanas. Durante esse período, você pode encontrar soluções e avançar ou cair em um estado mais indefeso.

Durante esse período, é comum a pessoa passar por 4 fases muito específicas:

1- Choque e impacto antes do evento estressante.

2- Desorganização psíquica. Momento em que nossas emoções e fluxo mental são complexos, angustiantes e com alto sofrimento.

3- Resolução. A pessoa busca uma estratégia de enfrentamento.

4- Avance ou reinicie. A aplicação dessas ferramentas de alteração e controle pode ou não ser bem-sucedida. Caso contrário, voltaremos ao começo, sentiremos frustração, pensaremos em novas saídas … Agora, quando a pessoa vê que cai nessa primeira tentativa, tudo é vivido com grande exaustão mental e física. De fato, é comum que às vezes a gente decida não agir, o que leva a estados depressivos, ansiedade etc.

A mente em crise, como lidar com essas situações?

O primeiro passo para acalmar uma mente em crise é atender àqueles estados emocionais que a mantêm firme.

Vamos pensar nesse universo mental como águas sujas, cheias de folhas, de gosma … Tudo isso é causado por estresse, angústia, medo, etc. Essas águas devem ser “purificadas” para ver o que há embaixo, quais problemas subjacentes existem e poder resolvê-los de forma mais clara e calma.

O segundo passo é redefinir e reconstruir.

Devemos entender que uma crise supõe uma ruptura, algo que tomamos como garantido mudou ou não existe mais.

Da mesma forma, uma parte de nós mesmos também foi destruída nesse processo e, portanto, somos obrigados a nos redefinir novamente, a criar um novo “eu” que possa enfrentar e gerenciar o estágio que está à frente.

Por último, mas não menos importante, precisamos treinar novas habilidades para a vida, como autoconfiança, auto-estima,resolução de problemas, gerenciamento correto do estresse, uma abordagem mais positiva das coisas e, é claro, resiliência.

Finalmente, como Confúcio bem apontou:

“a pessoa sábia está sempre atenta à não permanência das coisas”.

As mudanças no nosso dia-a-dia são constantes e precisamos aprender a gerenciá-las.

*DA REDAÇÃO RH. Tradução e adaptação de La Mente es Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia