A inveja é a maldade disfarçada de falsidade!

Quando a gente vive em um país com grandes diferenças sociais, esse fator favorece um desdobramento de cultura fútil, onde se distorce o que é ser uma boa pessoa, onde ter mais é ser melhor, já que, quem tem menos sofre mais.

O fato de uma pessoa ter mais condições do outra, gera um estado de inveja, mesmo que velado.

Mas quando a gente vive em uma sociedade mais igualitária, caso alguém se sobressaia, esse alguém sofre a inveja por sair do padrão.

A inveja é uma maldade disfarçada de falsidade, só sente inveja quem não está satisfeito consigo mesmo.

Quem não consegue se sentir feliz em ver o outro feliz, por acreditar, mesmo que inconscientemente, que o outro é melhor, que se destaca de alguma maneira, a pessoa invejosa, se sente diminuída.

Ter inveja é uma perturbação, que desmembra fracionadamente pedaços de insatisfação, que molda a anatomia do cérebro em uma atmosfera que nos coloca num abismo em que é difícil sair.

A inveja é a formatação da baixa inteligência, já que foge às características de uma personalidade que reconhece, raciocina e conquista o próprio espaço, e se sente mal mediante ao conhecimento do próprio limite de suas competências.

Quem sente inveja procura tempo para depreciar o outro na rede social ou para os amigos, manipulando a informação na busca de argumentos que tragam essa gananciosa e obscura conquista de superioridade em relação ao outro que verdadeiramente se mostra mais competente e poderoso.

Ter inveja é uma maldade que não só afeta a quem sente, mas també a quem é o alvo da inveja. Mas quem é alvo de inveja, consegue se desvenciliar rapidamente das investidas do invejoso, quando olha para às suas conquistas e reconhece que o outro se consome em si mesmo.

A pessoa que é invejada, pode recorrer ao sistema de defesa do cérebro para ignorar informações que o tirem da homeostase.

Quem fala mal de alguém pra si, tem a personalidade de falar mal, é semântico, poderá falar mal de si também.

Se livre dessas pessoas, ignore-as, pois, esta doença, a inveja, só ameniza quando não alcança o resultado.

Se você se deparar com alguém falando mal de qualquer pessoa na rede social, ou para você, ignore, pois por pior que seja a pessoa atacada, a pessoa que ataca está dedicando tempo para derrubar alguém e, isso, configura maldade.

Pois se alguém não te satisfaz, é simples, ignore.

Quem quer paz, não movimenta a discórdia para que não perca essa paz.

A vida é simples, óbvia, permanente. Basta usar a coerência, inteligência emocional, para encontrar a plenitude necessária para que tenha mais e melhores picos de felicidade.

A maldade tem relação íntima com a falsidade e a inveja segue o mesmo caminho.

* Nosso colunista Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues é:

PhD em neurociências, mestre em psicologia, mestre em psicanálise, biólogo, historiador, antropólogo, com formações também em neuropsicologia, neurolinguística, inteligência artificial, neurociência aplicada à aprendizagem, filosofia, jornalismo, programação em python e formação profissional em nutrição clínica – Diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Professor e investigador na Universidad Santander; Membro da SFN – Society for Neuroscience, Membro ativo Redilat.

*DA REDAÇÃO RH.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.