A intuição é a alma que nos fala

Como figuras como Howard Gardner ou Daniel Goleman explicam para nós, confiar em nossa intuição nos ajudaria a tomar melhores decisões.

Resiliência Humana

Por: La Mente es Maravillosa

Para Albert Einstein, a única coisa realmente importante era a intuição. Não é mágica ou feitiçaria, mas essa capacidade sutil que nos faz inclinar a balança para o lado, ela que em pouco mais de dois segundos nos permite avaliar se uma pessoa é confiável ou não.

Embora haja muita bibliografia que confunde o sentido de intuição mais psicológico, puro e interessante, você estará interessado em saber que é um assunto muito estudado e analisado pela ciência.

Tanto que, um especialista notável em teorias da mente, Howard Gardner, nos fala da necessidade de desenvolver um tipo intuitivo de inteligência, com o qual ser mais receptivo ao nosso mundo interior.

Se o estudo da intuição sempre se interessou por algo, é porque é essa estratégia que norteia grande parte de nossas decisões cotidianas. Pegue um caminho e não outro, desconfie de alguém, recuse uma oferta de emprego, aceite um projeto… Há aqueles que meditam muito nas coisas, outros, porém, se deixam levar por isso: pela intuição.

Nenhum marinheiro consulta um livro para saber como enfrentar um oceano embaralhado, é levado pela sua intuição, por aquela voz interior que sabe ler os perigos e antecipar o melhor caminho, a melhor estratégia. Aquele que leva em alguns segundos …

Intuição: o caminho do inconsciente para o mundo consciente

Ninguém pode garantir que, seguindo nossa intuição, tomaremos as decisões mais bem-sucedidas. No entanto, o que vamos conseguir é um aspecto igualmente importante: agir de acordo com nossas essências, valores, emoções e valorações obtidas de acordo com nossas experiências anteriores. Vamos dar um passo com equilíbrio interno adequado.

“Duvido que um dia um computador ou um robô combinem com a intuição do intelecto humano.”

-Isaac Asimov-

Um dos máximos compreendidos neste assunto é, como já indicamos no início, o sociólogo e ensaísta Malcolm Galdwell. Através de seus estudos, ele nos mostra como corretores, médicos, psicólogos, publicitários, mecânicos ou donas de casa são capazes de tomar decisões acertadas em poucos segundos. Estamos então diante de um tipo de poder que vai além das habilidades psíquicas comuns? De jeito nenhum, vamos explicar para você abaixo.

Características essenciais da intuição

Nós apontamos há pouco o crescente interesse na área da intuição. O leitor ficará interessado em saber que o Centro para o Estudo da Intuição ( CAI ) foi criado nos Estados Unidos há 40 anos . Este corpo é dirigido pelo Dr. William H. Kautz, do Instituto de Pesquisa de Stanford. O objetivo deste centro é estudar precisamente essa dimensão de maneira científica e válida.

Assim, poderíamos dizer, portanto, que hoje já encontramos consenso sobre as seguintes conclusões:

  • A intuição é parte do que é conhecido como “inconsciente adaptativo”. Tudo o que aprendemos, sentimos, interiorizamos, pensamos e experimentamos cria um fundamento de sabedoria único e particular que nos define. É a nossa essência, é um “capital mental” que usamos quase sem perceber todos os dias.
  • O poder da pessoa intuitiva reside em saber como usar esse capital como canal. O bom intuitivo saberá separar todos os ramos da floresta para encontrar o caminho no meio da encruzilhada. Porque decidir é afinal a arte de descartar, e acredite ou não, a intuição é uma ferramenta formidável.
  • Existem pessoas mais intuitivas do que outras. A diferença está na abordagem, em quem é levado pelo capital mental interior, e não pelo filtro da lógica e pela análise completa da realidade.

Como desenvolver nossa inteligência intuitiva

Antes de saber como podemos melhorar nossa inteligência intuitiva, você pode se perguntar por que deveríamos fazê-la e como é útil. Bem, para isso temos que lembrar como funciona a inteligência tradicional, isto é, através de uma reflexão e processamentos mais lógicos.

Graças a Howard Gardner, sabemos que existem muitos outros tipos de inteligência e que todos são igualmente úteis . A inteligência intuitiva, por outro lado, nos permitirá expor nossa consciência e nossas emoções para podermos tomar decisões mais rápidas, ou pelo menos, permitir que tenhamos outro tipo de informação “mais íntima” para podermos contrastá-la com um ponto de vista mais amplo. racional ou convergente.

«Ouça mais a sua intuição do que a sua razão. As palavras falsificam a realidade, mas não são.

-Alejandro Jodorowsky-

Por sua vez, como indicado em um estudo da Universidade de New South Wales conduzido pelos psicólogos Galang Lufityanto, Chris Donkin e Joel Pearson, a intuição e a ousadia de desenvolvê-lo e fortalecê-lo podem nos ajudar a tomar decisões mais bem sucedidas. Se não está conectado, pelo menos, com as nossas necessidades reais, algo assim já é importante.

Chaves para o desenvolvimento de inteligência intuitiva

A intuição sente mais do que o pensamento. Portanto, é necessário saber ouvir nossas emoções, entender o que está acontecendo em nosso mundo interior para encontrar calma e equilíbrio.

  • Daniel Goleman recomenda que, uma vez que controlemos e compreendamos nossas emoções, nos permitamos pensar em Zen (pense em Zen) que nada mais é do que alcançar um estado mental de profunda calma para sermos mais receptivos ao nosso interior e ao meio ambiente.
  • As mensagens que a intuição geralmente envia algumas vezes são um tanto complexas: sensações, formas, palavras … É nossa tarefa saber como interpretá-las. Quanto mais liberdade dermos à nossa mente, sem preconceito ou barreiras, mais nossa intuição aparecerá.

Para concluir, a inteligência intuitiva pode ser treinada todos os dias, desde que nos permitamos estar mais livres do pensamento e, ao mesmo tempo, receptivos às nossas emoções.

A intuição não é apenas uma questão de mulheres, todos nós temos essas explosões de luz mentais, aquelas que nos levam a uma opção muito específica que, no final, pode ser a correta. Vale a pena nos deixar ser guiados por elas, por aquela linguagem especial…

Texto originalmente publicado no La Mente es Maravillosa, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia