“A ignorância é a mãe de todos os males”

Jackson César Buonocore

“A ignorância é a mãe de todos os males”

François Rabelais foi padre, médico francês, humanista e genial escritor de sátiras e frases, que lançou o romance: “Os horríveis e apavorantes feitos e proezas do mui renomado Pantagruel, rei dos dipsodos, filho do gigante Gargântua.”

Ele é o herói sarcástico e glutão desse livro, que se destaca por sua força descomunal, superada apenas por seu apetite.

O nome Pantagruel significa “tudo alterado” e é também a alcunha de um demônio bretão, que se divertia em jogar sal na boca dos bêbados adormecidos, de onde nasce à expressão pantagruélico.

O conto foi inspirado na tradição oral do medieval, que narra em uma linguagem simples os episódios cômicos e delirantes, de um comilão.

Rabelais levou o escatológico e o humor ao limite do absurdo, e resolveu explorar o grotesco, a fim de satirizar e deixar enfurecidos os seus pares do clero e da nobreza.

O que ele escreveu sobre a sua época, “serve como uma luva” para a ignorância atual, que se baseia em preconceitos e que ignora o bom senso, a razão e a sabedoria.

Em plena modernidade ressurge um movimento grotesco, que se expande no Brasil e no mundo com o objetivo de banalizar a ausência de conhecimento, expondo o público ao erro e à ilusão, para lucrar com a exploração intencional de dúvidas ou confusões, e pensar que na era medieval Rabelais já alertava:

“A ignorância é a mãe de todos os males”.

A socióloga e professora da Universidade de Essex, a canadense Linsey McGoey, autora do livro: “Os desconhecedores: como a ignorância estratégica rege o mundo”, afirma que se olharmos para a história moderna perceberemos diversos exemplos de pessoas tentando gerar fatos alternativos ou dizendo que a realidade de alguém não é verdade, para ganhar vantagens políticas.

Além disso, a professora considera que a ignorância é explorada por diferentes grupos para fins políticos em governos, decisões jurídicas, na mídia e até nas mais influentes teorias econômicas.

Assim, a ignorância de hoje é usada como instrumento para manter o obscurantismo no meio do povo, ficando mais fácil submetê-lo à distração.

Segundo McGoey há três tipos de “homo ignorans”:

1) O ignorante inocente, que não tem ideia do que desconhece;

2) O ignorante que entende que não sabe tudo e que reconhece que o que você não sabe é tão relevante quanto o que você sabe;

3) O agnotologista que tenta fabricar incertezas, que pode estar em qualquer espectro político, dos mais conservadores ou progressistas;

É importante ressaltar que a “agnotologia” é o estudo das políticas de produção da ignorância. Para tanto, essas políticas devem ser eficazes, incessantemente repetidas, amplamente difundidas e aceitas pela população como a única verdade.

Nisso Rabelais foi certeiro:

“Medo e a subserviência pervertem a natureza humana”.

Aliás, a ignorância é o reflexo de crenças políticas, culturais, religiosas, etc., que são estimuladas pelas mídias sociais e por uma falsa narrativa: que a terra é plana, que não há evolução das espécies, que a defesa do meio ambiente é uma mentira, que a teoria da relatividade não existe e outros desatinos.

A sátira de Rabelais nessas questões é atualíssima:

“É mais difícil esconder a ignorância do que adquirir conhecimentos.”

Afinal, sem investimento em ciência, pesquisa e tecnologia será difícil erradicar a ignorância na vida das pessoas, permitindo que se legitimem os discursos de ódio em decisões políticas.

Ou seja, o único modo de combater a ignorância é com a educação de qualidade, que abre caminhos para liberdade e o conhecimento, é como disse Rabelais:

“Ciência sem consciência não passa de ruína da alma”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Jackson César Buonocore
Sociólogo e Psicanalista