A gordura corporal reduz a capacidade de pensamento e memória, diz estudo!

O padrão de beleza, geralmente é um fator que contribui para que, muitas pessoas, se sintam infelizes com o seu corpo e com a sua aparência. O que muitos não sabem é que a gordura corporal não é uma questão meramente estática, mas sim, um fator que contribui para a redução da capacidade de pensamento e de memória. Isso foi revelado em um estudo realizado por pesquisadores e publicado no JAMA Network Open.

Um novo estudo descobriu que uma maior gordura corporal é um fator de risco para a redução da função cognitiva, como a velocidade de processamento, em adultos.

Mesmo quando os pesquisadores levaram em consideração fatores de risco cardiovascular (como diabetes ou pressão alta) ou lesão cerebral vascular, a associação entre gordura corporal e escores cognitivos mais baixos permaneceu.

Isso sugere outros caminhos ainda não confirmados que ligam o excesso de gordura corporal à redução da função cognitiva.

A pesquisa

No estudo, 9.166 participantes foram medidos por análise de bioimpedância elétrica para avaliar sua gordura corporal total.

Além disso, 6.733 dos participantes foram submetidos a ressonância magnética (RM) para medir a gordura abdominal em torno dos órgãos conhecidos como gordura visceral, e a ressonância magnética também avaliou lesões cerebrais vasculares – áreas do cérebro afetadas pela redução do fluxo sanguíneo para o cérebro.

Os resultados foram publicados no JAMA Network Open e gerou um alerta:

“Nossos resultados sugerem que estratégias para prevenir ou reduzir o excesso de gordura corporal podem preservar a função cognitiva”, disse a principal autora Sonia Anand, professora de medicina da Escola de Medicina Michael G. DeGroote da Universidade McMaster e especialista em medicina vascular da Hamilton Health Sciences. (HHS). Ela também é cientista sênior do Population Health Research Institute of McMaster e HHS.

Ela acrescentou que “o efeito do aumento da gordura corporal persistiu mesmo após o ajuste de seu efeito no aumento dos fatores de risco cardiovascular, como diabetes e pressão alta, bem como lesão cerebral vascular, o que deve levar os pesquisadores a investigar quais outras vias podem ligar o excesso de gordura ao função cognitiva reduzida.”

O coautor Eric Smith, neurologista, cientista e professor associado de neurociências clínicas da Universidade de Calgary, disse que “preservar a função cognitiva é uma das melhores maneiras de prevenir a demência na velhice. que uma boa nutrição e atividade física previnem a demência pode ser através da manutenção de um peso saudável e do percentual de gordura corporal.”

Smith é chefe do brain core lab para as duas coortes populacionais usadas para esta nova análise – a Canadian Alliance for Healthy Hearts and Minds (CAHHM) e PURE Mind – um subestudo do grande e internacional Prospective Urban Rural Epidemiological (PURE) estudar.

Os participantes estavam na faixa etária de 30 a 75 anos com idade média de cerca de 58 anos. Pouco mais de 56% eram mulheres; todos eles moravam no Canadá ou na Polônia. A maioria era de origem branca europeia, com cerca de 16% de outras origens étnicas. Indivíduos com doença cardiovascular conhecida foram excluídos.

O estudo CAHHM foi financiado pela Canadian Partnership Against Cancer, Heart and Stroke Foundation of Canada e Canadian Institutes of Health Research (CIHR). O estudo PURE-Mind foi financiado por várias fontes, incluindo o Population Health Research Institute, o CIHR e a Heart and Stroke Foundation.

A partir desse estudo, podemos parar de nos preocupar com a estética e começar a nos movimentar e cuidar ndo nosso corpo por um motivo mais relevante, não acham?

*DA REDAÇÃO RH. COM INFORMAÇÕES JAMA Foto de Fuu J no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia