A carência te torna aquela pessoa que sempre manda mensagens sem esperar as respostas.

Resiliência Humana
a-carencia-te-torna-aquela-pessoa-que-sempre-manda-mensagens-sem-esperar-as-respostas

A carência te torna aquela pessoa que sempre manda mensagens sem esperar as respostas.

Às vezes, me imagino jogando meu telefone pela janela, ou mergulhando-o em uma banheira cheia de água, ou deixando-o ser atropelado por um trem do metrô.

Penso em quantas vezes o meu celular se tornou um recipiente para minha carência, minha insistência em checar, minha tendência para iniciar, mesmo em face do silêncio.

Eu mantive tantas conversas por dias, semanas, anos depois que elas deveriam ter acabado, porque eu nunca consigo parar meus dedos fantasmas de pegar o telefone e mandar um daqueles leves-mas-incrivelmente pesados ​​“oi” s.

Eu gostaria de saber como ser a garota que é imparcial e sem esforço, que responde após o período de tempo apropriado para que você saiba que ela tem outros interesses acontecendo, mas eu não. Eu mando uma mensagem primeiro, e eu respondo imediatamente.

Nunca há dúvida de que estou ou não ocupada. Posso estar, mas se você é uma das poucas pessoas que meu cérebro definiu como Muito Importante, minha ocupação não tem influência sobre quanto tempo levarei para responder.

Estou sempre disponível, sempre pronto para rolar na cama e digitar um “Sim, estou acordada” por trás de meus olhos vermelhos e turvos.

Estou há dois minutos da cama, sem maquiagem e sem pijama, quando a pessoa certa me manda uma mensagem e me manda para a cidade novamente em busca de algo. Eles nunca saberão que eu estava pronta para encerrar a noite, porque para eles, estou sempre ligada.

Às vezes, desejo que meu vício em comunicação pare em meus relacionamentos românticos.

Claro, todo mundo é pressionado por uma paquera de vez em quando e não consegue parar de enviar quatro mensagens seguidas (em uma tentativa cada vez mais apavorante de parecer relaxada), isso é normal.

Alguns de nós chegam ao ponto de deletar seus números em nossos telefones para nos impedir de ser essa pessoa, de revelar a verdadeira extensão de nossa necessidade de dizer algo, de preencher o espaço.

Se você remover essa tentação, terá que esperar até que eles considerem o momento certo para entrar em contato – e então esse será exatamente o momento certo. Você não tem esse julgamento, então deixa outra pessoa fazer a ligação.

Mas minhas mensagens de texto não param nas paixonites.

Mantenho uma paixão por amigos, tão obsessiva e impaciente quanto qualquer relacionamento romântico que já tive.

Vou querer vê-los, compartilhar coisas engraçadas, mostrar a eles tudo que me faça lembrar deles.

Vou querer saber onde eles estão e sentir uma onda de inveja quando ouvir que está com algum outro amigo de quem nunca ouvi falar.

Eu me apaixono por amigos da mesma forma que me apaixono por parceiros, e eles estão acostumados com meu nome aparecendo repetidamente com alguma coisa nova e engraçada que acredito que eles simplesmente precisam ver.

Talvez se eu tivesse esperado mais alguns minutos, eles teriam me procurado, mas nunca vou deixar isso ir tão longe. Quando estou com pressa, a comunicação constante é como uma droga, e não quero que a conversa termine nunca.

A única maneira de acabar é se a força da conexão diminuir, se passarmos de um amigo para um conhecido e não precisarmos mais escrever nossa própria história particular.

Conhecidos são ótimos, temos um milhão deles. Mas o amor é algo tão maravilhoso e raro e, para alguns de nós, essa é a única desculpa de que precisamos para deixar nossa carência sangrar por completo.

Suponho que demonstro amor irritando, essa carência que me invade, faz com que eu me coloque um pouco presente demais e nunca mantendo aquela tela atraente de mistério na minha vida.

Sempre mando mensagens primeiro, porque não tenho vergonha.

Paixão, para mim, é algo que deve ser queimado como um pedaço de papel – nunca posso tomá-lo em pequenas doses, nem deixar a ansiedade crescer.

Se eu quero você, eu quero você agora, agora, agora.

Uma amiga estava me contando recentemente sobre um encontro que deu errado, que parecia promissor no início, mas foi desperdiçado pela insistência do cara em mandar mensagens de texto para ela duas vezes nos próximos dois dias, e sempre iniciando a conversa.

Ela riu de sua franqueza, sua expressão franca de necessidade e interesse. Eu ri porque é isso que ela faz, mas eu senti as críticas tanto por mim quanto por ele.

Eu sou essa pessoa, em outro corpo.

Eu sou aquela necessidade de estender a mão, aquele desejo ardente de dizer olá e iniciar outra conversa – para obter mais de você.

Eu não acho que minha amiga verá aquele cara de novo, e eu brevemente me perguntei quantas pessoas eu perdi porque elas não aguentavam o bip-bip da minha presença em suas vidas.

Oh, bem, pensei, me virei e fui enviar outra mensagem. Marca TC

“A carência é a minha verdadeira identidade!”

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Thought Catalog.
*Foto de Nicolas Lobos no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia