A arte de ser feliz e encontrar a felicidade e parar te tentar amargar ainda mais a vida!

Resiliência Humana

Felicidade não se compra com um cheque de zeros infinitos! Precisamos aprender a ser feliz com pouco e principalmente, precisamos aprender a parar de tentar amargar a vida!

Por Valeria Sabater

Felicidade é um conceito muito difuso e complexo.

Poderíamos falar sobre aspiração, algo que alcançamos brevemente e que instantaneamente perde levemente sua intensidade.

No entanto, há o cotidiano das pequenas coisas, de um simples equilíbrio para se sentir bem, onde podemos apreciar tudo o que nos rodeia, nos acompanha e nos define e faz isso sem ficar amargo.

Pode ser que estar ciente dessa felicidade “humilde” seja um presente que nem todo mundo tem.

Vamos dar um exemplo: de acordo com a revista Forbes, boa parte das pessoas mais ricas do nosso planeta está infeliz.

Isso nos mostra duas coisas que talvez já soubéssemos, que a felicidade não se compra com um cheque de zeros infinitos e que a arte da vida amarga talvez seja a ordem do dia em todas as escalas sociais. Mesmo nos milionários.

A essência da arte de ser feliz mesmo quando a vida está amarga

Às vezes nos preocupamos com aspectos que não importam.

Coisas que não têm solução ou não precisam acontecer.

Todos conhecemos pessoas que tendem a antecipar as coisas: “Temos que fazer isso porque isso pode acontecer” , ideias obsessivas em que a insegurança contínua está presente, o que as torna não apenas amargas, mas também as que estão à sua volta.

Medo do fracasso, medo da solidão … Tudo isso às vezes nos leva a fazer coisas que complicam ainda mais a nossa realidade, nossa vida cotidiana aparentemente simples, onde não há problemas sérios.

Como amargar a sua vida?

A arte da vida amarga às vezes tem comportamentos que são facilmente reconhecíveis para nós. Vamos ver alguns exemplos:

Seu presente está bom, mas você começa a ficar obcecado com o futuro, com o incerto, porque é claro, a tranquilidade não dura muito.

Se há algo que não está indo bem na sua vida, por menor que seja, tudo fica complicado. Você já discutiu com alguém? Um dia ruim no trabalho? O suficiente para ter uma semana ruim e estender essa negatividade a todos os níveis da sua vida.

O importante é não ficar sozinho. Então você tem que aguentar qualquer coisa e com quem quer que seja.

Se você alcançou uma meta e é especialista na arte da vida amarga, não vai gostar. É possível que você defina outro objetivo ainda mais difícil, cuja complicação lhe causa frustração.

Se alguém lhe der uma crítica, mesmo que seja construtiva, você não a aceitará.

Como você acha que ninguém faz algo para o bem, a maioria das pessoas tem uma dupla intenção e isso nunca é bom.

A ausência de sentido

Os exemplos anteriores mostram de forma ampla as dimensões que definem aquelas pessoas incapazes de apreciar a felicidade, a bondade das coisas e das pessoas ao seu redor.

Inveja, incapacidade de assumir responsabilidades, perfeccionismo exagerado, raciocínio excessivo, negativismo, baixa auto-estima … e, em essência, o vazio do senso vital, caracterizam essas pessoas.

Não é necessário seguir uma religião ou praticar um tipo específico de filosofia para perceber que nossa vida deve ter um significado.

Um significado para nós mesmos.

As pessoas ao nosso redor não são uma ameaça, ninguém está esperando em um canto para nos machucar.

Também não devemos ficar obcecados com o que acontecerá amanhã ou cairemos no erro do raciocínio excessivo. O importante é manter um equilíbrio, usar a lógica … saber confiar.

A arte de NÃO ficar amargo na vida exige que aprendamos a confiar; é impossível controlar todos os aspectos de nossa vida para impedir que certas coisas aconteçam.

Felicidade não é uma meta, é um estado, uma emoção. A felicidade está no dia a dia, no agora e na nossa capacidade de saber como cultivá-la da maneira mais humilde possível.

*Via Rincon del Tibet. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia