5 explicações para o ódio à primeira vista

Resiliência Humana

O amor à primeira vista existe tanto quanto o ódio à primeira vista. A verdade é que existem pessoas que combinam conosco ou que nos atraem profundamente desde o primeiro momento, e o contrário também acontece.

Nós somos capazes de desenvolver uma antipatia instantânea por pessoas que acabamos de conhecer. Não encontramos uma explicação racional em nenhum dos casos, seja no amor ou no ódio.

Costumamos pensar que todo o assunto se resume em uma palavra: intuição. No entanto, nem sempre é assim. Nós chegamos a sentir atração ou amor por pessoas que não merecem isso. Ou deixamos o ódio tomar conta com pessoas que são incríveis. Neste sentido, a intuição não é uma garantia.

É natural que sintamos ódio à primeira vista por aquelas pessoas que chegam a nossa vida causando danos ou algum mal. O que não é lógico sentir é rejeição por alguém que não fez nada. Por que isso acontece? Há cinco razões básicas. São as seguintes.

“Poucos veem o que somos, mas todos veem o que aparentamos ser”.
-Nicolau Maquiavel-

1. Não é você, sou eu

Muitas vezes o ódio à primeira vista não se origina de uma agressão ou de uma atitude ruim da outra pessoa. Às vezes, são os preconceitos que nos levam aos filtros que aplicamos sobre a informação que coletamos destas pessoas. Em todo caso, somos nós e não a pessoa que “odiamos à primeira vista”.

O ódio à primeira vista poderia ser, simplesmente, resultado de um preconceito. Você se deixou levar pela aparência e associou determinado aspecto com valores ou anti-valores específicos. O cabelo longo, a tatuagem ou uma aparência desleixada podem ter distorcido a sua visão da pessoa. Não se esqueça de que as aparências enganam.

2. Querem demonstrar algo que não são

Há pessoas que se preocupam demais com a impressão que elas causam nos demais. De fato, destinam muitos recursos na tentativa de projetar uma determinada imagem. De forma consciente, os demais detectam a artificialidade e o teatro que a rejeição provoca.

Às vezes, o conteúdo de seu discurso ou a sua linguagem corporal entregam seus objetivos. Por exemplo, alguém arrumado demais para uma determinada situação, ou levanta a voz para falar com os demais, pode projetar uma falsa sensação de superioridade. Isso costuma dar origem ao ódio à primeira vista.

3. O sentimento e o ódio à primeira vista

Quando o contraste entre duas pessoas é muito alto, é possível que elas não se deem bem desde o primeiro momento. Nesse sentido, o diferente pode nos atrair ou despertar em nós uma atitude de rejeição. Agora, acontecer uma ou outra reação vai depender de muitos fatores, entre os quais encontram-se nosso humor ou a forma como a outra pessoa se posiciona com respeito a estas diferenças.

Também depende, e muito, do grau de compromisso que temos com a nossa opinião sobre um determinado assunto. Se formos muito sensíveis às políticas ambientais, vai ser complicado se dar bem com alguém que as despreza, por exemplo. De algum modo, podemos sentir que a outra pessoa está maltratando algo que é nosso: o meio que nos rodeia.

4. A falta de habilidades sociais

Há pessoas incríveis que, no entanto, não desenvolveram suas habilidades sociais. Isso, dentro do marco social no qual nos desenvolvemos, não só as coloca em situação de desvantagem, como também faz com que elas não pareçam gente boa de início.

É como se fossem pessoas que não se encaixam, que são desagradáveis. Às vezes são desajeitadas, extremamente herméticas, ou simplesmente impertinentes. Elas não têm ideia de como estabelecer um vínculo com os outros de forma espontânea.

É possível que isso dê origem a um ódio à primeira vista. A falta de habilidade em lidar com as pessoas, especialmente no começo, quando ainda não há cumplicidade, pode se transformar em um obstáculo para uma possível relação. É preciso dar tempo ao tempo para saber quem essa pessoa realmente é.

5. Ela lembra alguém

Às vezes, por mais que você pense o contrário, não consegue entender o motivo de alguém parecer tão desagradável para você… mesmo sabendo que a pessoa é muito valiosa. Acontece que essa pessoa pode te lembrar alguém com quem você teve uma experiência negativa. Inconscientemente, você associa essa pessoa com outra.

As faces do ódio

Não é preciso que elas se pareçam fisicamente. Às vezes só é necessário um gesto ou um sotaque. Detalhes simples que trazem uma lembrança da pessoa que tem um significado ruim para você. Isso quer dizer que, talvez, você não tenha superado o ocorrido nem lidado com as emoções derivadas dele, e isso está condicionando o seu presente.

Quantas vezes nós já sentimos ódio à primeira vista e, depois, acabamos adorando a pessoa que a princípio não gostávamos? Isso certamente aconteceu várias vezes. As primeiras impressões podem enganar muito. Ninguém merece amor nem ódio à primeira vista. É sempre bom dar a nós mesmos a oportunidade de conhecer alguém melhor, em vez de aceitar ou rejeitar a pessoa depois de um contato superficial.

Nota de edição: neste artigo, quando nos referimos a ódio à primeira vista, não estamos nos referindo propriamente ao ódio, e sim à rejeição. A expressão é utilizada apenas como um oposto a “amor à primeira vista”, em contraposição à idealização.

FONTEA Mente á Maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS