5 dicas para ter uma boa velhice

Fabiano de Abreu

A velhice não tem que ser respeitada por uma simples política cultural de educação ou de dever. A velhice tem que ser respeitada pelo simples fato de que um dia também seremos idosos.

O idoso tem que ser respeitado pelo fato óbvio de que tem mais conhecimento devido a sua experiência, a sua cognição. Eu vivo a minha vida hoje, organizando-a para uma boa velhice, pois é nela que irei descansar e abandonar todo o fardo que carreguei em toda a minha vida. O conhecimento e a leveza do pensamento da história que carrega um idoso é algo que não tem preço e nem dimensão. É sem dúvida a melhor idade.

1- Cuidar do corpo

A nossa forma e bem-estar físico são essenciais para que possamos viver plenamente essa nova fase. Uma boa movimentação é o primeiro passo para uma velhice mais feliz. Por essa razão devemos cuidar do corpo exercitando-o dentro da nossa resistência e capacidade. Exercícios de baixa intensidade, como caminhadas ou natação, são bons aliados. A atividade física deve ser acompanhada por uma alimentação equilibrada, adequada à idade e às necessidades do indivíduo.

2- Cuidar da mente

Se o corpo é essencial, a mente é uma peça-chave. Como já diz o velho ditado: “mente sã em corpo são”, a plenitude atingida pelo equilíbrio do corpo e da mente. As nossas capacidades cognitivas entram em decréscimo, mas podemos travar o processo mantendo exercícios cognitivos constantes. Aliar a aprendizagem de uma nova atividade que sempre quisemos fazer mas nunca tivemos tempo ou disponibilidade torna todo o percurso mais prazeroso. Aprender uma língua nova, capacitar-nos nas áreas das novas tecnologias, ler, ver filmes, pintar, escrever… existe um mundo inteiro de possibilidades.

3- Ter uma vida social ativa

A vida social é muito importante para manter o idoso ativo e integrado num mundo social. A velhice não deve nunca significar isolamento ou solidão. Manter um grupo de amigos e partilhar atividades com eles é muito importante para ter uma vida mais completa, feliz e recheada de partilha. Fazer um jantar ou viajar são sempre excelentes opções. Aproveitar essa fase para conhecer novos países e culturas, sem pressa, adquirindo, assim, mais conhecimento. Viver uma vida que o faça ter interesse em viver efetivamente! Uma vida em que se anseie o próximo dia, como uma dádiva, como uma nova oportunidade.

4- Adaptar -se

Se o envelhecimento for feito em casal, tenha certeza de que a vida íntima não acabou. Há novas realidades, reajustes a serem feitos, redescobertas, uma nova fase no amor. O casal terá agora mais tempo para compartilhar, descobrir novas formas de união e prazer. Não se negue uma vida íntima culpando a idade. Essa fase pode ser como uma nova adolescência, vivendo um para o outro, um com o outro, aproveitando o mundo juntos, criando memórias e tornando os dias leves e serenos. Velhice não significa resignação.

5- Aceitar a nova fase

As mudanças que efetivamente acontecem devem ser aceitas de mente e coração abertos para que tudo se torne menos pesado. Não devemos encarar a velhice como um fim, mas como uma nova oportunidade de viver um tempo de qualidade. Cada dia não deve ser visto como um dia a menos, mas, sim, como um dia a mais em que puderam ser, viver, experienciar, criar, estar presente na vida familiar. É a fase em que não devemos nos ver como um fardo, mas como um pilar, uma fundação, a consolidação do conhecimento e da experiência. Devemos reconhecer a nossa importância e posição. Como se costuma dizer: a idade é um posto! Vivemos o suficiente, sobrevivemos às provações e dificuldades, rimos e choramos, vimos nascer e morrer, superamos a perda e explodimos de alegria em muitas ocasiões. Somos agora, por si só, heróis por mérito de uma vida que ainda nos tem muito para oferecer!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é um jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.