Sei que não está fácil para ninguém…

Iara Fonseca

Sei que não está fácil para ninguém…

Que tudo na vida vem de acordo com o merecimento…

Tudo o que acontece sempre vem com uma carga intensa de aprendizado e amadurecimento. O que nos mantêm fortes são as amizades e as pessoas que conquistamos por esse caminho torto e arrebatador que nunca é fácil pra ninguém.

Enfrento os percalços com pés firmes no chão, mas o coração flutuando, elevado ao céu, na certeza de que só receberei o que me pertence e o que me é de direito. E digo em alto e bom som que não quero e nunca vou ofuscar o brilho de ninguém, pois sei que cada um deve brilhar a vontade, pois quanto mais brilho pessoal existir no mundo, mais iluminado ele ficará, em termos evolutivos.

Ser mais um em meio a multidão, nos permite lidar com um diferencial que se chama “autenticidade”, o que faz de nós, pessoas singulares e especiais em cada serviço que prestamos na indústria da vida.

Sou uma agulha em um palheiro gigantesco, e tendo que ser palha como os outros, acabo alfinetando meu sentimento, malbaratando o tempo e escravizando meu potencial que fica acorrentado em um calabouço escuro dentro de mim, aguardando o momento em que poderei ser agulha, sem precisar fingir ser palha.

Alguns olhares me contemplam e me acusam de estar errada, de querer demais da vida e de querer mudar os rumos do celeiro. Mas enganam-se aqueles que pensam que serei palha para sempre, só porque querem que eu seja.

Serei sempre agulha e me disfarçarei de palha para não me queimarem junto a fogueira do esquecimento…

E se me encontrarem em meio as palhas do celeiro, nesse instante perceberão, o que ali havia, o tempo todo… O que não foi aproveitado, o que foi tolhido, o que foi abafado… Mas se nunca me encontrarem, serei eu quem terá que fugir do celeiro… Para ser agulha finalmente…, pois não aguentarei ser palha para sempre!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!