Como os sensitivos sentem a energia tóxica planetária? Por Diogo Beltrame

Resiliência Humana

Nem sempre um desconforto emocional ocorre pela razão que aparenta ser. Algumas sensações de medo e angústia não estão necessariamente associadas com o aquilo que você pensa ser o motivo. Essa associação com algo externo é feita pela mente para justificar aquilo que ela não é capaz de entender, e que, na maioria dos casos, não é um juízo correto ou confiável.

É natural que algumas emoções (até então encapsuladas por terem sido bloqueadas em algum momento do passado), venham à tona em determinado momento por encontrarem alguma sintonia energética, isso acontece porque além do cérebro que conhecemos através da medicina convencional, existe um outro: o das emoções, conhecido também como vórtices energéticos ou chacras inferiores, que é onde ficam armazenadas as energias relacionadas ao ego (raiva, medo, ansiedade e angústia). Esses mesmos chacras também são responsáveis pela captação das energias dos ambientes externos para nutrir o seu campo de energia interno, por isso muitas vezes tais emoções sequer são suas.

Se a humanidade não jogasse tanto lixo energético produzido pelos seus pensamentos na psico-esfera planetária, a qualidade da energia captada seria outra.

Podemos comparar isso à uma represa que é responsável pelo abastecimento de água de uma cidade: se a água é boa todos se beneficiam, se é ruim todos se prejudicam. O estado natural da água é sempre perfeito, ele só perde essa característica quando há uma intervenção humana, assim ocorre também com a energia do planeta, ela só deixa de ser perfeita quando interferimos em sua alquimia com pensamentos coletivos tóxicos que são tão nocivos quanto um descarte de lixo nas águas de uma represa.

Nem sempre o que você sente traz alguma mensagem sobre você. Geralmente são apenas energias buscando a sua própria libertação, e para que isso aconteça em seu tempo natural você deve senti-las sem se envolver ou se identificar com elas. É importante usar o discernimento para saber detectar se o quê você sente pertence a você ou não, pois todos são afetados em algum nível pela energia do coletivo.

Ao perceber alguma tristeza, medo ou angústia, pergunte a si mesmo se existe algum motivo claro para que você esteja se sentindo assim, ou seja, se realmente está com algum problema manifestado em sua vida. Se a resposta for não, procure se afastar dessa sensação aceitando-a como uma visita, mas sem se identificar com ela, observando, ao invés de analisar. Essa é a forma mais eficaz de deixar isso ir embora e voltar ao seu estado natural. Qualquer tipo de resistência ou identificação farão com que tais sensações permaneçam ainda mais tempo em seu campo de energia, causando ainda mais desconforto.

Diogo Beltrame.
Título: Iara Fonseca – Redação Resiliência Humana

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia