Vale a pena “insistir” em uma série para ver se ela melhora?

Resiliência Humana

As séries cada vez mais pautam nossas conversas com amigos e conhecidos, e o Instituto Farofa Geek já identificou em pesquisas que o assunto já é mais comentado que futebol, novela, política e “esse tempo doido que anda fazendo”. Nesses papos, é muito comum que as pessoas troquem recomendações de suas séries preferidas no momento. E recorrentemente, quando um conhecido te indica uma série e você diz que já tentou assistir e não gostou, ele retruca:

“Ah, mas você viu até onde? Você tem que insistir!”

Apesar de algumas séries já nos cativarem de cara, com o mundo e os personagens apresentados no primeiro episódio, é inegável que muitas vezes só nos apegamos a uma série depois de alguns episódios. Você não sente nada por ela e assiste só por assistir, até o momento crucial em que fala “meu Deus, eu preciso assistir o próximo episódio agora”.

Será que o primeiro episódio é crucial para saber se vamos curtir uma série ou conseguimos nos viciar em qualquer uma, desde que insistamos até nos apegarmos aos personagens?

Há algum tempo atrás, o Netflix declarou que acompanha de forma recorrente através da análise dos dados de uso da plataforma qual é o episódio crucial para que as pessoas fiquem “viciadas” em suas principais séries. É sobre isso que iremos falar.

E se você está pensando em abandonar esse post, insiste mais um pouco que você vai gostar.

Podemos julgar se iremos gostar de uma série pelo episódio piloto?

Essa é a exata pergunta que o Netflix buscava responder.

Afinal, para um serviço de streaming com um vasto catálogo seria essencial saber o mais rápido possível quais séries apresentam maior potencial de sucesso e deveriam receber um maior esforço de divulgação. Com os dados de todos os usuários em mãos, o Netflix rodou uma pesquisa para buscar essa informação. Foram analisados o comportamento de assinantes de mais de 15 países, dentre eles o Brasil.

O serviço buscou, portanto, dentre as sua principais séries no momento, qual seria o episódio da primeira temporada que teria a maior probabilidade de converter espectadores casuais em usuários “viciados”, que prosseguiriam assistindo a temporada até o final. O Netflix estava buscando o “hooked episode”, ou seja, o episódio “fisgante”, a partir do qual, de acordo com a metodologia utilizada pelo menos 70% dos espectadores estariam destinados a assistir a temporada completa.

Neste estudo, o serviço detectou achados muito interessantes, como o fato de que os holandeses tendem a se viciar em séries mais rápido do que usuários de outras nacionalidades, enquanto os australianos e neozelandeses são os mais “céticos”, e em geral precisam assistir mais episódios para se comprometerem com uma obra. Ou que os alemães se viciaram rapidamente em Arrow, enquanto com How I Met Your Mother os franceses foram os espectadores “fisgados” mais rapidamente.

Além das curiosidades entre o comportamento dos diferente países, a principal informação levantada foi a de que o episódio piloto não seria o principal responsável por “fisgar” os usuários. A partir desses resultados, conseguimos entender a estratégia do serviço, que cada vez mais disponibiliza temporadas inteiras em uma tacada só na sua ferramenta.

O próprio CCO (Chief Content Officer, ou líder de conteúdo) do Netflix, Ted Sarandos, declarou: “em nossa pesquisa com 20 séries em 16 mercados, descobrimos que ninguém é ‘fisgado’ no episódio piloto. Isso nos dá confiança de que disponibilizar para nossos usuários todos os episódios de uma vez está mais alinhado com como as pessoas viram fãs“.

Coincidentemente (ou não), o Netflix escolheu divulgar este achado de que o primeiro episódio de uma série não é o mais importante no mesmo dia em que a Amazon divulgou que lançaria em sua plataforma os pilotos das séries de Louis C.K. e Sacha Baron Cohen.

A partir daqui possivelmente passaremos por leves spoilers das primeiras temporadas de Bates Motel, Breaking Bad, Better Call Saul, Demolidor e Mad Men, então prossiga com cuidado.

Os episódios mais “fisgantes”

Se o piloto de uma série não é suficiente para constatar se vale a pena assisti-la, quanto episódios precisamos assistir então para dar este veredito?

A resposta é: depende.

Com base no estudo, o Netflix constatou que cada série tem uma quantidade distinta de episódios que precisam ser vistos para transformar os espectadores em fãs.

Na imagem abaixo você pode ver quanto episódios são necessários para “fisgar” a maior parte dos usuários em uma série. Enquanto How I Met Your Mother e Blacklist são as que demoram mais para viciar os usuários, Bates Motel e Breaking Bad foram as obras que precisaram de menos episódios para convencer os usuários a assistir sua primeira temporada até o final.Netflix When Were You Hooked Infographic

Mais interessante ainda pode ser analisar o conteúdo específico dos “episódios-fisgantes” de algumas das séries estudadas, buscando o que eles têm em comum.

Em Bates Motel, por exemplo, o episódio-chave é o segundo, quando Dylan chega em White Pine Bay irritando Norman, que o recebe de uma forma bastante especial. Em Breaking Bad, também é o segundo, onde Walter White e Jesse Pinkman matam “Krazy 8” e o teto de Jesse despenca após a tentativa da dupla de se livrar do corpo em uma banheira de ácido. Já em seu spin-off, Better Call Saul, o episódio quatro é o crucial, que explora em mais profundidade o histórico do advogado trambiqueiro Saul Goodman.

Em Demolidor, o quinto, quando vemos a experiência de vida de Matt Murdock, que ele chama de “um mundo pegando fogo”. E na clássica Mad Men, por sua vez, no episódio em que Peggy Olson conquista seu status de redatora publicitária e Joan Holloway mostra que é capaz de conduzir uma pesquisa em uma sala de espelho falso, o sexto capítulo da trama.

O que podemos detectar em todos estes episódios é como eles são um ponto de virada crucial para mostrar a que a série veio. E mais ainda, somos apresentados à profundidade dos personagens.

Ou seja, não só temos tempo de entender a mitologia da série como nos apegamos aos protagonistas, somente para sermos confrontados com uma virada que nos mostra do que eles realmente são capazes.

É como se fosse uma primeira transformação do herói, que nos deixa curiosos sobre até onde ele pode chegar e nos mostra que a obra é promissora e ainda tem muito a evoluir. A partir daí, estamos “fisgados”.

Então quando um amigo falar que você deveria insistir em uma série, acredite. Pode valer a pena.

FONTEFarofageek
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS