“​ ​A​ ​vaidade​ ​destrói”

Bruno Cabral

“​ ​A​ ​vaidade​ ​destrói”

A vaidade é um cupim, que destrói até mesmo o que não existe; é ela quem liquida a fatura da alma do ser humano, capaz de enganar qualquer um, a subserviência de um ser humano a uma paixão.


Guerras acontecem transversalmente, longitudinal e até mesmo equidistantes, sendo capazes de trazer orgulho, teimosia e astúcia, quando o ser humano está em posse da vaidade.

Não é difícil de imaginar uma paixão e os seus poucos limites, que cegam o sujeito de uma forma sem precedentes e ponderações.

É a paixão que ajuda a vaidade e o ego a se inflarem, desmedidos não sabem o que é certo e o que é errado, enrugados por este amor transbordante.

Em Provérbios 18:12 nos ensina que antes da sua queda o coração do homem se envaidece, mas a humildade antecede a honra.

E o que é uma vida envaidecida?

É Trazer glórias a si, é andar às margens da sociedade, caminhar sozinho e ser derrotado mais a frente.

Pois é, a vaidade destrói qualquer um e qualquer coisa, mesmo a existir no plano material.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Bruno Cabral
Professor, Palestrante e Escritor.