Vamos brincar de “Como mãe eu nunca…”?

Resiliência Humana

Vamos brincar de “Eu nunca!”?

Qual de nós mães nunca brincou de “Eu nunca!” com os amigos, valendo um copinho de álcool?? Hein hein?? Relaxem que apesar de falarmos de crianças aqui, o papo é sempre de adulto e para adultos. Crianças que por acaso estejam me lendo nesse momento…fechem o computador, desliguem os Ipods e vão ver um desenho que o negócio agora vai pegar fogo.

Proponho que vocês continuem a brincadeira, aqui chamada de “Como mãe eu nunca!” com coisas que já fizeram. Mamães, tirem a “vodega” de trás do armário, que é pras crianças não beberem achando que se trata de água, e bebam comigo a cada atitude que vocês já tomaram nesse nosso conturbado mundo. Porque vamos combinar, os AA´s da vida que não me ouçam, mas que às vezes dá vontade de tomar um porre pra esquecer de tudo, dá, não dá?

Então bora lá.

– Eu nunca andei de carro com o João fora da cadeirinha. (agora bebe quem já andou, mesmo que tenha sido até a esquina pra criança não chorar porque o carro já está em movimento);

– Eu nunca amamentei só pra que meu filho parasse de chorar! (nessa bebe quem já deu esse “cala boca meu amor” mesmo sabendo do futuro vício que a criança irá desenvolver em querer ficar grudada no peito);

– Eu nunca dormi com o bebê entre eu e meu marido, mesmo sabendo de todo o histórico de sufocamento de bebês e tal. (agora bebe quem já fez isso pra não ter que levantar pra ir no berço na madruga e nem transportar o mesmo até o seu quarto, o que acabaria com a decoração E/OU o casamento!);

– Eu nunca amaldiçoei meu marido/namorado/companheiro por ele ser homem e às vezes não me ajudar quando eu mais preciso;

– Eu nunca bebi bebidas alcoólicas e mesmo assim amamentei antes das 3 horas recomendáveis. (agora bebe filha, bebe por ter bebido naquela vez!);

– Eu nunca dei um pouco de Tylenol pro meu filho pra que ele dormisse mais tranqüilo e consequentemente, eu também. (sei que parece sacanagem mas quem teve um filho com longas crises de cólicas sabe do que eu estou falando);

– Eu nunca deixei meu filho cagado um tempo, mesmo sabendo que ele estava sujo, pelo simples fato de ter preguiça de comprar a briga da troca de fraldas! (agora que João já corre pelo mundo cada troca de fraldas é praticamente um Vale-Tudo);

– Eu nunca dei um pirulito pro meu filho só pra ele parar de me incomodar em algum lugar público. (João nunca comeu chocolate e doces em geral mas um pirulito de vez em quando não faz mal a ninguém);

– Eu nunca mirabolei planos malévolos sobre trancar o meu filho chorão (antes dos seis meses) no banheiro da empregada (aquele beeeem longe do quarto sabe) só pra ficar um pouco em silêncio;

– Eu nunca me peguei pensando porque eu fui ter um filho? (essa é pesada mas bendita a mãe que reconhece a sua fraqueza e faz esse tipo de questionamento pra depois chegar na feliz conclusão de que não conseguiria viver sem ele!).

E aí já estão bêbadas? Foi só uma brincadeirinha hein…

Beijo beijo

FONTEFala Mãe
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS