Um amor que me julga melhor do que julgo ser

Fabíola Simões

Adélia Prado queria seu “Amor feinho”. Eu gosto do meu amor facinho _ um amor simples e recíproco, que cuida do essencial.

Por que tanta gente permite que o medo _ de perder, de não ser especial, de ser substituído _ seja o fio condutor de seu amor?

Por que não almejar um amor facinho, que fica porque quer ficar, que ama sem impôr condições, que aceita sem exigir mudanças, que acompanha sem necessidade de recompensa, que está presente sem máscaras ou imposições?

Amores turbulentos baseados no medo e na insegurança, repletos de idas e vindas, que geram dores e lágrimas só funcionam bem na ficção. No dia a dia quero meu amor facinho, decifrável, transparente e companheiro.

Que não camufle desejos, que exponha cicatrizes, que cresça de mãos dadas. Um amor sem escândalos, que ama sem escancarar e respeita abertamente. Que olha nos olhos, não tem medo de assumir, de acolher mãos dadas e afeto declarado. Que não domina, mas autoriza ser generoso sem ser submisso.

Um amor que me julga melhor do que julgo ser, que me aproxima de mim e me permite ser livre.
Um amor que “reabilite o meu coração”…

Um amor simples. Um amor facinho.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Fabíola Simões

Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: “A Soma de todos os Afetos” e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.


COMENTÁRIOS