Toda mulher tem um Mr. Big na vida

Marina Barbieri

Acontece assim: você está lá, vivendo a sua vida de forma tranquila, trabalhando, saindo com as suas amigas, conhecendo carinhas que não duram mais do que um punhado de semanas, cuidando da casa, da família, do corpo, da mente e tudo parece estar na mais perfeita harmonia, e então ele surge.

Você o conhece em um dia onde não esperava mais nada. Você sente aquele frio na barriga que grita “perigo” e você até poderia virar as costas e ir embora, mas ele é tão charmoso, tão bonito, tão o seu número, que você simplesmente não consegue. Suas pernas não respondem, sua boca não se controla, suas mãos não resistem. Você está hipnotizada e aceita mais um drink. Pronto, é caso perdido. Ele é o seu Mr. Big e agora nada mais pode impedi-la de se jogar de cabeça.

Ele é o cara que parece ter o seu manual de instruções. Ele sabe como você funciona sem precisar se esforçar muito para isso. Ele sabe como te beijar, te tocar, te abraçar, te sorrir. Ele parece perfeito pra você. Ele é o que você sempre quis. Ele não é apenas mais um. Ele é o Mr. Big e ninguém mais no mundo se compara a ele. Você se apaixona. Rapidamente. Fortemente. Ridiculamente. Mas não é correspondida.

E estaria tudo bem se parasse por aí, mas Mr. Big não é apenas uma história de amor não correspondido. Mr. Big não é nem sequer uma história de amor. Mr. Big é uma história de obsessão. De tortura sentimental. De falta de responsabilidade emocional. De egoísmo. Mr. Big é uma história onde alguém sempre se fode.

E infelizmente esse alguém é você.

Mr. Big nunca pode ficar. Essa é a sua premissa básica, seu mandamento fundamental, e é com isso que ele a tortura dia após dia. Ele não pode ficar na sua casa, ele não pode ficar para conhecer sua família, ele não pode ficar na sua vida, ele não pode ficar na festa dos seus amigos, ele não pode ficar no seu coração. Mr. Big é o cara que sempre a deixa sozinha. Em todos os sentidos da palavra.

Ele é cheio de historinha para justificar todos os “nãos” que joga no seu colo. Ele nunca pode fazer nada para tranquiliza-la emocionalmente. E possui um certo sadismo em brincar deliberadamente com os seus sentimentos sem dó ou peso na consciência.

Porque ele não tem nenhuma.

Mr. Big está sempre emocionalmente indisponível para você. Mas apenas para você.

Ele cultiva incansavelmente uma infantil e duvidosa fobia de compromisso, mas basta vocês se afastarem para que ele firme compromisso com alguma outra pessoa qualquer que ele acabou de conhecer, fazendo com que você se sinta a mais desprezível, insignificante e difícil de ser amada criatura da galaxia.

E não por acaso, é assim que ele sempre acaba fazendo-a sentir.

Mr. Big é aquele cara que só quer algo a partir do momento em que não pode mais ter. Enquanto você está borbulhando de amor por ele, ele te arrasa, te avassala, te arrebenta emocionalmente e te descarta como papel amassado em cada oportunidade que tem. Ele não a quer de verdade, mas mesmo assim nunca a deixa realmente ir embora.

Toda vez em que você decide seguir em frente, ele reaparece.

E então diz tudo o que você sempre quis ouvir da boca dele. Promete o que nunca esteve disposto a te oferecer. E pela primeira vez na vida, é o cara que você sempre quis que ele fosse.

E logo agora?

Logo agora que você estava terminando de catar os caquinhos do seu coração?

Logo agora que você estava finalmente esquecendo-o?

Logo agora que você conheceu uma pessoa legal?

Logo agora que sua vida estava seguindo em frente?

Mr. Big é o cara que sempre e somente reaparece nos momentos “logo agora”.

E você sempre dá uma nova chance. Não importa quantas vezes ele volte pedindo mais uma. Porque o sentimento ainda não foi embora totalmente. Porque você ainda tem esperanças. Porque você acredita no amor. Porque vocês tem anos de história. Porque ele mudou. Porque dessa vez pode ser diferente.

Mas nunca é.

Ele ainda é o mesmo cara que fez tudo o que fez no passado, e é evidente que não se arrependeu de nada.
A verdade, que você se recusa a aceitar, é que ele não está pedindo uma nova chance para fazer certo dessa vez. Ele está apenas pedindo uma nova chance para te destruir sentimentalmente mais uma vez. E mais uma. E mais uma. E mais quantas você deixar.

Além do Mr. Big destroçar a sua vida, a sua cabeça e o seu coração, ele também tira o pior de você mesma. É ao lado dele que você se torna uma pessoa que você mesma deixa de gostar e de admirar. É ao lado dele que você mente para as suas amigas, decepciona a sua família, desaponta no seu trabalho, e trai aquele novo namoradinho tão bom e cuidadoso que você acabou de arrumar.

É ao lado dele que você se torna possessiva, neurótica, e auto-destrutiva. É ao lado dele que você se torna a pessoa que sempre jurou nunca se tornar.

Tudo o que Mr. Big toca, morre. E aos poucos ele está matando-a, mas você não consegue enxergar. Porque esse muro de expectativas e sonhos que você criou cimentado por tamanha obsessão disfarçada de amor, é alto demais para você conseguir ver qualquer coisa que não seja ele. E pode vir família, amigos, estranhos, psicólogos, livros, músicas, textos, ou até Jesus Cristo encarnado te dizendo para desistir, que você continuará negando a verdade evidente: Ele não é bom para você e não importa o quanto você queira e se dedique, vocês nunca darão certo.

Sabe porque no final Carrie e Mr. Big ficam finalmente juntos?
Porque eles não existem.

Na ficção até o Mr. Big tem conserto, mas na vida real as coisas são bem diferentes.

Na vida real o Mr. Big não tem a tão desejada consciência do que fez. Ele não se arrepende, não muda, e mesmo que você passe 6 temporadas, 94 episódios, 2 filmes e 10 anos lutando por ele, ele não acordará um dia percebendo que você é o amor da vida dele. E você precisa parar de esperar por isso.

Na vida real a Carrie uma hora se cansa de ser tratada como segunda opção pelo cara que ela mais se doou e se dedicou e uma hora aprende a fechar a porta definitivamente para o Mr. Big e não importa quantas vezes ele volte a bater naquela porta, ela nunca mais a abrirá.

Faça alguma coisa por você mesma e feche essa porta. Porque na sua vida ainda há de acontecer muitos outras histórias, dramas, comédias, cenários e personagens. Você só precisa concluir de vez essa temporada para que outra se inicia em seguida, e então ficará no passado, tudo aquilo que nunca quis ficar no presente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Marina Barbieri
Aprendeu a ler antes mesmo de conseguir segurar um livro e descobriu neles o que queria fazer para o resto da vida. Além do blog cuida de 3 gatos e é autora do livro “Fique com alguém que não tenha dúvidas”, lançado pela editora Única.

COMENTÁRIOS