Se a alma não puder entrar, eu nem vou!

Bruna Stamato

Eu sou desse tipo que cria expectativas tão bem quanto lindos cachorrinhos. Não consigo ser de outro jeito. Nasci assim.
Meu coração se mantém com esse entusiasmo infantil, e o “porque” eu nem sei. Eu ainda acredito no ser humano. Eu ainda acredito que tudo dará certo no final…

Eu nunca soube me apaixonar parcialmente por alguém; por algo. Pela vida.

Eu nunca soube amar moderadamente. Sonhar sem entusiasmo e ouvir rock sem acompanhar com as mãos as batidas.

Eu não sei molhar só a pontinha dos pés… Contentar-me com o raso; não mergulhar de cabeça.

Se a alma não puder entrar, eu nem vou. Se não for pra ir até o fim, eu nem começo. Se não for para acreditar, eu nem imagino. E se não for para SENTIR, eu recuso.

Se não for para me demorar num beijo, eu nem faço questão de beijar. Se não for para me perder num abraço, eu nem faço questão de me achar.

Se não for para vê-lo, eu nem faço questão do tempo contar. Coragem?

Creio que seja necessário muito mais coragem para vir a este mundo e só olhar pela janela. Viver exige FÉ. Boa fé.

Optar por não viver exige uma coragem absurda.

O preço pago por quem quebra a cara é muito menor do que o preço cobrado de quem se recusou, a vida inteira, a dar a cara para bater. Não tenha medo.

Ou melhor, tenha medo! Mas VÁ, com medo mesmo!

Tenha mais medo é de se deparar com a morte e perceber que, no fim das contas, não tem muita diferença da vida que levou. O arrependimento deve ser caro demais.

Escolha descer do trem. Mesmo que isso implique, certas vezes, em pular com ele em movimento. Pois nem sempre temos o tempo necessário para chegar à próxima parada. Nem sempre encontramos as condições perfeitas para a jornada. Ficar esperando o IDEAL, é utopia. Desça do trem. Desça de qualquer jeito. Vá ver a vida lá fora!

Se pararmos para pensar, abrir os olhos todas as manhãs já é um risco terrível, então, em certos momentos, temos que parar de pensar, e só agir.

Num impulso; num ímpeto; num suspirar profundo. Assim chegamos e assim partimos deste mundo. Por que não, aproveitarmos a estada?!
Dá para chegar atrasado um ou outro dia… dá! Dá para sair mais cedo, ficar até mais tarde. Dá pra fazer poesia. Dá para andar descalço pelas ruas da cidade.

Dá para rir de doer a barriga e chorar sem fazer alarde. Dá sim. Dá para amar infinitamente por uma noite e brevemente ao longo de uma vida inteira.Dá para fazer amizade… e aprender a fazer café, sem uma cafeteira. Dá! Dá pra dar amor, tempo e ouvidos, a quem se queira, e não ficar mais pobre com isso. Afeto é um treco que quanto mais se dá, mais se torna rico.

Se não for para estar junto na sobriedade e na bebedeira, eu nem amiga fico.

Se não for para casar acreditando ser para sempre, eu não caso.Se for para sair já contando as horas para voltar, eu nem saio.

E se a alma não puder estar presente em todos esses momentos, eu peço a Deus que me leve deste mundo.
Porque se não for para viver com ENTUSIASMO, êxtase, paixão… eu prefiro nem viver!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Bruna Stamato
"Mãe, mulher, geminiana, maluca e uma eterna sonhadora!"

COMENTÁRIOS