Quando o sentimento não é o suficiente

Bruna Cosenza

Gostamos de alguém e esse alguém também gosta de nós, mas, mesmo assim, não conseguimos ficar com essa pessoa. Não entendemos. Ou melhor: não queremos entender. Eu explico. O que acontece é muito simples: nem sempre o sentimento é o suficiente. É preciso de muito mais para fazer um relacionamento funcionar. É claro que o sentimento é um dos principais ingredientes, mas sem algumas outras coisas o negócio não vai pra frente.

E, então, ficamos nos questionando, levantando hipóteses e fazendo mil teorias sobre tudo aquilo. Por que algumas pessoas são tão complicadas? Tão racionais… Simplesmente porque elas sabem que não há sentimento o suficiente e irão machucar o outro caso se deixem envolver.

Sou daquelas que acredita que quando o amor fala mais alto do que absolutamente tudo, os outros ingredientes são pura consequência. No entanto, também admiro pessoas que são capazes de serem fortes e não se deixarem envolver com o outro se o sentimento não for o suficiente para isso. E, acredite, muitas vezes não é o suficiente.

É difícil para os dois lados. Quem quer seguir em frente sofre porque sabe que ainda existe sentimento de ambas as partes. Quem tem consciência que não pode seguir em frente sofre porque é difícil se despedir de alguém de quem gostamos, mesmo que aquela não seja a pessoa com quem podemos ficar naquele momento.

Pois é, às vezes parece que o mundo dos relacionamentos está completamente de ponta cabeça. Pessoas que se gostam e não ficam juntas?

Isso realmente não faz sentido nenhum, mas quando paramos para pensar, até que faz um pouquinho de sentido. Simplesmente porque o sentimento nem sempre é o suficiente.

Quanto mais crescemos, mais aprendemos a aceitar esse tipo de coisa e entendemos que o amor é estranho mesmo, mas que tudo isso faz parte para que, lá na frente, a gente encontre alguém que tenha sentimento o suficiente por nós.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Bruna Cosenza

Bruna Cosenza é paulista e publicitária. Acredita que as palavras têm poder próprio e são capazes de transformar, inspirar e libertar. É autora do romance “Lola & Benjamin” e criadora do blog Para Preencher, no qual escreve sobre comportamento e relacionamentos do mundo contemporâneo.


COMENTÁRIOS