Psicologia da conexão: a arte de se conectar através do coração

Resiliência Humana

De acordo com a psicologia da conexão, conhecer pessoas não é o mesmo que se “conectar” com elas. Na verdade, quando nos conectamos com alguém, sentimos os batimentos cardíacos compartilhados, uma sintonia profunda e estranha ao mesmo tempo. Quase sem sabermos como, dessas conexões surgem as melhores amizades da nossa vida ou os amores mais inesperados.

É muito provável que muitos dos nossos leitores se sintam surpresos. Existe realmente uma “psicologia da conexão? Como em muitos campos da própria psicologia, é muito comum que determinadas disciplinas desenvolvam o seu trabalho em uma área específica e percebam em pouco tempo que os resultados obtidos podem ser aplicados a muitas outras áreas.


“Conhecer é um luxo, mas conectar é um milagre”.

No caso da psicologia da conexão, pode-se dizer que surgiu especificamente na área de marketing. Os pesquisadores e gerentes comerciais de grandes empresas estavam interessados ​​em saber quais processos latentes tornam o consumidor mais “conectado” ou atraído por um produto específico e não por outro.

Às vezes as nossas decisões de compra são regidas por processos tão inconscientes, tão complexos e inexplicáveis ​​que os próprios especialistas em neuromarketing ficam intrigados. Esta abordagem científica, desenvolvida ao longo de uma década, trouxe tantas informações e materiais que muitos pesquisadores e psicólogos da personalidade se desligaram um pouco da área de marketing para lançar as bases de uma nova área de estudos.

O que é descrito aqui é tão interessante quanto revelador. São processos que integram as neurociências, o estudo da mente e as emoções, todas as áreas que configuram o que conhecemos como psicologia da conexão profunda.

As conexões do cérebro

Alguns aspectos fundamentais da psicologia da conexão

Nós dissemos no início que conhecer não é o mesmo que se conectar com alguém. Isso é algo que todos nós experimentamos diariamente. No nosso ambiente cotidiano, como o nosso emprego, a escola, a universidade, as nossas comunidades de vizinhos ou espaços de lazer, conhecemos muitas pessoas. Convivemos com elas; no entanto, ao longo das nossas vidas, só conseguimos nos “conectar” profundamente com algumas pessoas.

Judith E. Glaser, psicóloga e antropóloga organizacional da Universidade de Harvard, é uma das principais referências no estudo e aplicação do que é conhecido como “Conexão Profunda”. Ela diz em muitos do seus livros e inúmeros trabalhos que temos uma voz interior que nos diz em um tempo muito curto se algo ou alguém pode ser importante ou significativo para nós.

Na realidade, o que chamamos de “intuição” tem um lugar específico no nosso cérebro.

A conexão profunda: quando o nosso cérebro se “ilumina”

Nosso cérebro é uma entidade governada por uma série de necessidades básicas: a socialização é uma delas. Então, quando no nosso dia a dia conhecemos outras pessoas e nos conectamos com elas, o nosso cérebro recebe um impulso; podemos dizer que ele se “ilumina”. Esse impulso é sentido na área do córtex pré-frontal rostromedial.

No entanto, há outra parte mais profunda, misteriosa e fascinante que se ilumina como uma árvore de Natal quando encontramos alguém com quem nos conectamos intensamente. Este lugar está localizado exatamente naquele espaço onde o lóbulo temporal e o lóbulo parietal se encontram.

Os neurocientistas dizem que é nesse lugar que os nossos julgamentos são desenvolvidos, onde ocorrem os processos cognitivos mais abstratos, complexos e até inexplicáveis.

Processos que originam a psicologia da conexão

Todos nós ouvimos alguma vez na vida que basta um olhar para nos conectarmos com alguém. Podemos dizer que isto é uma meia verdade e que uma “conexão profunda” vai além dos olhares. Os especialistas neste campo demonstram que este vínculo tão íntimo e revelador cruza muitas outras fronteiras.

A conexão profunda vai além dos olhares porque se inicia através da interação e do tratamento, mas ocorre principalmente através de uma palavra muito concreta, mágica e significativa para todos: “compartilhar”.

Quando compartilhamos certas intimidades com alguém, quando fazemos confidências, quando compartilhamos valores, paixões, preferências, o nosso cérebro libera “oxitocina”.

No entanto, o processo de compartilhamento deve ser um ato transparente e honesto governado por outra palavra essencial: a confiança.

Os neuropsicólogos explicam que a oxitocina é um neurotransmissor que atua como um ingrediente essencial para estabelecermos conexões significativas com os nossos melhores amigos ou parceiros. Quando trazemos essas pessoas especiais para este espaço tão particular, profundo e carismático da nossa mente, nos sentimos seguros, confortáveis e confiantes … mas acima de tudo, nos sentimos muito felizes.

A arte de se conectar com os outros

Embora não seja fácil construir este tipo de compromisso, de vínculos tão mágicos e fortes no nosso dia a dia, não podemos perder a esperança. Isto será possível se utilizarmos nas nossas interações diárias três comportamentos muito simples: abertura, confiança e sinceridade.

O que tiver que acontecer chegará no seu devido tempo e nós perceberemos imediatamente: o nosso cérebro e o nosso coração responderão intensamente diante dessa pessoa especial.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS