Por que nosso cérebro precisa de pelo menos 8 abraços por dia?

Os abraços são uma forma particularmente íntima e intensa de expressar emoções. Através de um abraço pode transmitir a nossa alegria ou tristeza, podemos dizer a uma pessoa que você pode contar conosco incondicionalmente ou compreender o seu humor, sem recorrer a palavras. No entanto, o fato é que engloba não só nos ajudar a conectar com outras pessoas e expressar o que sentimos, também são muito benéficas para o nosso equilíbrio emocional e físico.

O que acontece quando alguém nos abraça?

Quando alguém nos abraça, o contato ativa receptores de pressão que temos na pele, que são conhecidos como corpúsculos de Pacini e respondem principalmente à pressão profunda. Estes receptores enviam sinais para o nervo vago imediatamente.

Nesse ponto você começa a se sentir bem, porque esse nervo está conectado com fibras nervosas que alcançam diferentes nervos cranianos e desempenham um papel importante na regulação da maioria das principais funções do corpo, incluindo pressão arterial. Portanto, como resultado de um abraço e estimulação do nervo vago diminui a freqüência cardíaca e pressão arterial. Na verdade, o nervo vago desempenha um papel importante no sistema parassimpático, o que seria uma espécie de freio de mão quando estamos sob muito estresse.

Outra importante mudança ocorre diretamente no cérebro. Um abraço estimula a produção de dopamina, um neurotransmissor conhecido como o “hormônio do prazer” porque cria uma agradável sensação de satisfação que alivia o stress e tensão. Também foi apreciado que um abraço é suficiente para aumentar a produção de oxitocina, conhecido como o “hormônio do amor”, que nos permite conectar emocionalmente com os outros e nos encoraja a confiar neles.

O melhor de tudo é que os efeitos do abraço são imediatos. Um estudo realizado na Advanced Telecommunications Research Institute Internacional de Kyoto fez um grupo de pessoas conversarem por 15 minutos com os seus parceiros, em seguida, uns receberam abraço e alguns outros não. Ao avaliar os parâmetros fisiológicos, os pesquisadores apreciaram que aqueles que tinham recebido o abraço mostraram uma redução significativa do nível de cortisol no sangue, o hormônio do estresse que nos faz muito mal.

Abraços ajudam a nos sentirmos bem

Verificou-se que um abraço ou um toque suave cheio de afeto, influenciam na capacidade do cérebro para construir a imagem corporal, mesmo em adultos. Este tipo de contato físico também é essencial para desenvolver e manter um sentido próprio do nosso corpo.

De acordo com um estudo realizado na University College de Londres, a chave é que este tipo de contato com o corpo proporciona agradáveis ​​sensações tácteis que geram uma série de sinais proprioceptivos, que nos ajudam a sentir melhor em nosso corpo.

Na prática, um toque ou um abraço não apenas envia sinais proprioceptivos para nosso cérebro que nos permite ser mais conscientes do nosso corpo, mas também dizer-lhe que somos dignos de ser amado. E esses sentimentos nos fazem sentir muito bem.

Na verdade, de acordo com esses pesquisadores, a falta de abraços e carícias poderia ser um gatilho ou agravante de distúrbios da imagem corporal, como anorexia e bulimia.

Quantos abraços precisamos por dia?

Na verdade, poderíamos viver sem abraços, mas seria como morrer lentamente, um pouco cada dia. Assim, o psicoterapeuta familiar Virginia Satir disse: “Precisamos de quatro abraços por dia para sobreviver, oito abraços para manter e 12 abraços para crescer.”

De fato, em uma pesquisa realizada com os pesquisadores da UCLA, escanearam os cérebros dos participantes enquanto recebiam choques elétricos. Os seus parceiros os acompanharam durante o ensaio e, em alguns casos, permitiu-lhes segurar a mão. Então, eles apreciaram que o contato físico ajudou a lidar com o estresse da experiência e, nestes casos, as áreas do cérebro responsáveis a ​​mitigar o medo ativado.

Estas investigações mostram que abraços têm um poderoso efeito sobre nosso cérebro e nos ajudam a alcançar um estado de relaxamento e bem-estar, ao mesmo tempo que nos permite lidar melhor com situações de estresse e medo. Portanto, embora não exatamente 8 abraços, devemos garantir uma dose diária deles.

VIAJennifer Delgado Suárez
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS