Perdoe seus pais, eles fizeram o melhor que puderam

Resiliência Humana

Para crescermos como pessoas, devemos aprender a perdoar aqueles possíveis erros que nossos pais cometeram, já que nem a paternidade e nem a maternidade vêm com um manual de instruções.Perdoe seus pais, eles fizeram o melhor que puderam

Perdoe seus pais pelas carências afetivas que lhe causaram, por toda a dor em forma de maus-tratos que compartilharam.

Sabemos que hoje você sofre todas as consequências destes atos que julga. Eles doem e fazem com que você guarde certo rancor de seus progenitores.

Porém, se você pensar bem, eles fizeram o melhor que puderam e você, no lugar deles, com suas experiências e em sua situação, talvez tivesse feito o mesmo.

Perdoe seus pais porque não souberam fazer melhor, porque ninguém lhes ensinou a desempenhar este importante papel que decidiram tomar.

Somos conscientes de que muitas vezes ecoa em sua mente aquela frase que muitas pessoas dizem: “então que não me tivessem!”.

Porém, isso é injusto, isso é algo que sus pais não merecem ouvir. Coloque-se no lugar deles, como você se sentiria se seu filho lhe dissesse isso? E tudo pelo simples fato de você não ter conseguido fazer o melhor…

Além disso, perdoar seus pais vai ajudar você a perdoar a si mesmo quando se encontrar cometendo erros similares ou que possam surgir em qualquer outro âmbito.

Ninguém está livre de errar e menos ainda quando tem entre suas mãos a educação e a responsabilidade de criar outro ser humano.

Perdoe seus pais porque, ainda que você não acredite, seus erros e equívocos tiveram algo de positivo.

Sabe por quê? Porque você, ao ser consciente disso, pode escolher tomar outro caminho, e fazer muito melhor do que eles.

Porém, se o rancor continua habitando em seu coração, você terminará fazendo o mesmo, ainda que não perceba isso, e inclusive poderá fazer muito pior.

Libere-se dessa raiva

Em ocasiões, esta raiva em direção a uma infância desastrosa causada por pais que não souberam fazer melhor, faz com que durante anos carreguemos nas costas um sentimento cheio de amargura.

Não sabemos porque, mas não podemos encontrar a verdadeira felicidade. É que há algo que não queremos ver, nem curar.

Nosso orgulho, às vezes, nos impede de dar esse primeiro passo para perdoar, e ficamos esperando que seja o outro quem venha nos pedir desculpas.

Porém, por que estender mais o nosso sofrimento?

É nossa felicidade que está em jogo, é nossa responsabilidade escolher agora o caminho que queremos seguir. Já não somos crianças pequenas, já não estamos à mercê de nossos pais.

Agora somos adultos que devem dar esse primeiro passo, sem esperar que os outros o façam. Isso não significa rastejar, não implica em se humilhar nem dar razão a ninguém.

Esta é uma das melhores decisões que podemos tomar, porque nos liberará de uma carga pesada que mancha todo o nosso mundo de uma espessa escuridão.

Podemos aprender com tudo

Ainda que seus pais não tenham aprendido sobre toda a dor que lhe causaram, há alguém que compreendeu o ensinamento, e esse alguém é você!

O dano causado o faz sentir muito doído e não o inspira a sentir confiança sobre o fato de que há algo de bom nisso tudo. Porém, essa é a verdade, ainda que você não creia.

Como já mencionamos, você decide contornar a tudo o que viveu ou continuar carregando essa raiva que o levará a dar os mesmos passos que um dia você julgou errados.

Se tudo na vida ocorresse bem, jamais poderíamos aprender.

Curiosamente, são aquelas experiências mais negativas que mais nos marcam e das quais conseguimos tirar os melhores aprendizados. Essas que nos ajudam a crescer, a amadurecer e a ser melhores pessoas.

Antes você era uma criança pequena que não tinha poder para mudar as coisas, mas agora você já é um adulto que pode mudar seu rumo.

Você decide se perdoa seus pais e solta essa âncora angustiante de um passado já distante ou segue vivendo com rancor e ódio dos progenitores que não souberam fazer melhor.

FONTEMelhor com Saúde
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS