ORGULHO: AQUELE QUE DEVORA A SI MESMO

O significado da palavra orgulho tem origem no termo catalão orgull que é uma característica de pessoa com um conceito muito elevado de si. Também significa altivez, brio, amor próprio exagerado e soberba.

O orgulho ou a soberba é também considerado um dos 7 Pecados Capitais. Para Tomás de Aquino, a soberba é um pecado tão grandioso que pode ser considerado fora de série, devendo ter um tratamento especial.

Não só Tomás de Aquino pensava assim. Para muitos a soberba diz respeito à aversão a Deus, cujo preceito da humildade o homem recusa aceitar. É por isso que a soberba é chamada o início, “porque é pela aversão que começa a razão de todo o mal.”

A base do pensamento acima pode ter sido extraída do Eclesiástico 10,15: “Pois o princípio de todo pecado é a soberba (…)”.

Na verdade, o orgulho não é de fácil definição: em excesso fere, pois não sabe pedir desculpas, não sabe perdoar, nem ser humilde, mas também machuca e corrói quem o alimenta. Teme a negativa e não quer perder. Enfim, é um veneno em doses homeopáticas.

O orgulhoso é importante demais para ir atrás do outro, é vaidoso demais para reconhecer que errou e, principalmente, para perdoar. Errar com ele é um ultraje que não cabe desculpas, mas quando é ele quem erra o problema é menor. Ele joga e nunca paga para ver. É uma pena!

Falam que quem opta pelo orgulho precisa aprender a lidar com a saudade. Aprender a lidar com a saudade é fácil diante de questões maiores. Orgulho em excesso deixa um rastro de palavras não ditas, sentimentos não vividos, mágoas não apaziguadas, ressentimentos não resolvidos, situações não esclarecidas. Frustrações de equações não solucionadas.

É fato que o orgulho, a vaidade e a arrogância caminham juntos, mas não estaria o orgulho também associado à covardia? A palavra covarde vem do latim coda que significa “cauda”, metaforicamente seria a pessoa que tem o rabo entre as pernas, ou seja, a que desiste da luta e deixa de enfrentar as mais diversas situações por medo.

Logo, deixar de enfrentar um fato por medo de ter o orgulho ferido é também uma forma de covardia. Viver é risco e exige coragem!

Quem não arrisca deixar o excesso de orgulho de lado pode não perder nada, mas pode também perder tudo. E, quando envolve pessoas, é difícil não ferir e ser ferido, como o velho ditado que diz “quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Benjamim Franklin já falava: “O orgulho que almoça vaidade janta desprezo.” Tudo tem seu preço!

O que mais escutamos por aí são as pessoas afirmando que não vão fazer isso ou aquilo por puro orgulho, mas ao mesmo tempo se corroem por dentro, esperando que o tempo resolva as suas inquietações. Para o orgulhoso a iniciativa deve ser sempre do outro e nunca dele. Aí mora o perigo!

Foi arrogante, não pediu desculpas e ainda esperou a ligação do outro! Esse é um pequeno exemplo do que as pessoas orgulhosas são capazes de fazer. Acontece que, se o orgulho for uma via de mão dupla, essa ligação pode nunca vir. E aí? E aí que a pessoa jogou errado e perdeu. Por essas e outras é que a frase de Shakespeare é tão pertinente: “o orgulho devora a si mesmo”.

Um ótimo romance que retrata muito bem o tema é o “Orgulho e Preconceito” da escritora inglesa Jane Austen, adaptado para o cinema, em que os protagonistas inicialmente não se entendem pelos motivos que dão nome ao livro. Vale a pena ler o romance ou ver o filme para refletir. É uma bela história de amor!

O bom mesmo seria deixar o amor prevalecer sobre o orgulho, a vaidade, o preconceito e o medo, na exata forma descrita pelo grande poeta Pablo Neruda: “Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, amo-te simplesmente sem problemas nem orgulho: amo-te assim porque não sei amar de outra maneira.”

Que o amor sempre prevaleça, não apenas sobre o orgulho, mas sobre todos os sentimentos que de alguma forma apequenam a alma.

 

VIAAna Andrade
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS