ORE… NÃO ATÉ DEUS TE OUVIR, MAS ATÉ VOCÊ OUVIR DEUS!

Fabiana Dainese Mauch
a woman is praying to god with hope

Essa frase foi lida algum tempo depois que tudo havia acontecido.

Entre as olhadelas na Internet de uma página à outra, foi surpreendente como ela se encaixou perfeitamente aos fatos. A frase trouxe de volta a emoção e a vivência exata daquela noite! O que não era conhecido e muito menos sabido ser possível antes daquela noite…

Foi um dia difícil após o segundo procedimento cirúrgico, a espera era por respostas positivas que infelizmente não se confirmaram na manhã seguinte na UTI e então a terceira cirurgia se fez necessária.

Ela passou as várias horas do procedimento em oração na capela do hospital, um lugar tão familiar e especial para ela…a Oração do Cuidado na parede era parte de sua rotina assim como a esperança que ela lhe dava.

Procedimento finalizado, restava somente aguardar. Ele foi para o quarto da UTI, já era tarde da noite e ela o observava e orava enquanto ele dormia sem saber o que estava acontecendo ali sob os efeitos da anestesia.

Ela sabia que eles não a deixariam permanecer por muito tempo, pois acompanhantes não eram permitidos, se não fosse por isso ela passaria a noite naquela cadeira velando-lhe o sono e orando.

Duas horas da manhã, a enfermeira a expulsou dizendo que ela precisava descansar para o dia seguinte…ela pretendia ter notícias logo cedo e não queria abandoná-lo, então não teve dúvidas….deitou seu corpo exausto no sofá da recepção e ali repousou em momentos de sono, acordada, orando para que tudo estivesse bem no dia seguinte…orava…cochilava….chorava…era um looping….horas intermináveis…

Por outro lado ela sentia a presença de Deus e de alguma maneira descansou…estava pronta para o que seguiria. Sete horas da manhã, hora de tentar adentrar novamente a UTI.

Ela entrou, lá estava ele em um sono tranqüilo. Os raios do sol adentravam o quarto através das pequenas janelas de vidro, no momento em que ela entrou, fitou os raios de sol e logo algo totalmente inesperado invadiu-lhe o peito, preenchendo-o totalmente, uma sensação de plenitude, uma explosão de um sentimento bom e calmante, muito difícil de explicar em palavras algo tão profundo e misterioso, o choro de felicidade foi instantâneo e compulsivo, ela colocou a mão sobre ele e agradeceu, o que havia acabado de acontecer estava acima das coisas conhecidas!

Deus havia falado com ela através da explosão dentro de seu coração, rapidamente ela entendeu que Ele havia dito que tudo ficaria bem! Foi uma das melhores sensações de toda sua vida! Ela sabia que até aquela noite, ela nunca havia antes estado tão perto Dele!
A oração e a fé a aproximaram Dele de uma maneira inimaginável…

Logo depois chegou o enfermeiro, ele seria medicado e ela foi expulsa novamente. Na recepção, ela passou o tempo tentando compreender o que havia experenciado….dez horas da manhã, ela recebeu uma mensagem via WhatsUp da Dra.: Estava tudo bem…de acordo com o esperado dessa vez…Nesse momento ela agradeceu mais uma vez e teve a certeza de que sim, Ele havia falado com ela!

Preste muita atenção aos sinais! Sempre que a dúvida bate à porta…é dessa cena que ela se lembra…Deus havia enviado um sinal não apenas para aquele dia, mas sim para toda a vida!
Nos momentos difíceis, descobrimos o quão forte podemos ser, se sentirmos a fé por inteiro, com todo nosso coração, se aceitarmos ajuda de quem nos ama…descobrimos forças que jamais imaginaríamos ter, nos mantemos em alerta e o cansaço não nos bate à porta e finalmente aprendemos que sozinhos nunca seria possível!

E você, também tem uma história com Deus? Se você está respirando neste momento, se está sentindo a brisa que lhe acaricia o rosto, se fez alguém sorrir, etc.. Seguramente deve ter muitas histórias para contar…

COMPARTILHAR


RECOMENDAMOS


Fabiana Dainese Mauch
Apesar de apaixonada por filosofia, psicologia e relações humanas, estudou e trabalha na área de exatas, encontrando na escrita uma forma de se aproximar de suas paixões. Ama pensar sobre a vida e o que podemos fazer para melhorar o mundo e a nós mesmos.

COMENTÁRIOS