O que tenho agora é calma, e encontrá-la me custou muitas tormentas

O que tenho agora é calma, e encontrá-la me custou muitas tormentas. Porque às vezes não basta virar a página ou trocar de livro, a verdadeira sabedoria está em reinterpretar o que já está escrito e também em entender que quando há calma no seu interior, a adversidade apenas faz parte da paisagem.

Todos nós já vivemos momentos caóticos, dias complicados e até etapas existenciais verdadeiramente difíceis. Apesar da mente nos exigir calma e sossego, nosso cérebro está imerso em outro tipo de discurso. A ativação neuroquímica provocada pelo estresse e pela ansiedade dos afasta deste ponto sutil de equilíbrio. Somos incapazes de encontrar a harmonia com que nos colocam acima das pressões ambientais.

“Acalme-se diante das injustiças e das adversidades da vida!”

-Mahatma Ghandi-

Existe um aspecto que é importante deixar claro. Quando falamos de calma, não falamos de rendição. A pessoa que opta por adquirir uma atitude calma e tranquila diante das dificuldades da vida não está se “deixando levar”. Muito pelo contrário, trata-se de encontrar a harmonia interior onde os pensamentos, desejos e capacidades conseguem agir em concordância e com sabedoria.

Encontrar a nossa calma interior é uma arte que convidamos você a descobrir conosco.

Alcançar a calma em um mundo de barulho incessante é uma coisa que não se consegue de um dia para o outro. Principalmente se nos permitirmos ser permeáveis. Vivemos em um mundo caótico onde recebemos exigências de tudo ao nosso redor. Devemos ser bons cidadãos, trabalhadores produtivos, bons filhos, excelentes pais e amigos excepcionais.

Com o termo “devemos ser” que a sociedade nos impõe, o termo de “quem eu sou” acaba por se desvanecer em muitas ocasiões. Jules Evans, diretor do Centro da História das Emoções da Universidade de Londres, nos explica através dos seus estudos sobre ansiedade e depressão que neste mundo acelerado nos limitamos em muitos casos a improvisar, enquanto nossas emoções se descontrolam. Perdemos este equilíbrio interior e nos afastamos das raízes que nutrem o nosso ser.

A calma e o equilíbrio interior são dois bens muito apreciados. Não falamos de espiritualidade, falamos acima de tudo de saúde e bem-estar. Porque quem não tem calma vive em uma ilha de barulho incessante onde você será incapaz de tomar decisões corretas. Por isso a mente inquieta se transforma na nossa pior inimiga, ao ponto de nos levar até os caminhos da impotência, da falta de controle e possivelmente à deriva de uma depressão. Temos que tomar o controle.

A filosofia dos samurais para encontrar a calma

Existe um livro igualmente curioso e enriquecedor chamado “Training the Samurai Mind: A Bushido Sourcebook” do historiador Thomas Cleary. No livro, ele esclarece de forma muito ilustrativa as técnicas que todo guerreiro colocaria em prática para acalmar a mente e conhecer melhor os seus adversários.

“As batalhas de amanhã são vencidas com a prática de hoje.”

-Provérbio Samurai-

É claro que no nosso dia a dia não travamos batalhas físicas. Não temos inimigos para matar, mas sim antagonistas para enfrentar, controlar e até mesmo derrubar. Falamos sem dúvida do medo, do estresse, das preocupações e também, por que não, da presença ou de certas atitudes de certas pessoas perante as quais somos permeáveis.

A seguir propomos que você leve em conta estas estratégias retiradas do Bushido que podem nos ajudar a encontrar a calma interior.

Como encontrar a calma em um mundo acelerado

Temos que entender que a nossa melhor aliada para encontrar sossego e equilíbrio interior é a mente. Mas, às vezes, nossos pensamentos nos fazem cruzar limites inadequados até o ponto de nos neutralizarmos. Precisamos nos transformar para podermos estar à frente das preocupações, nunca atrás, porque caso contrário elas irão nos tapar a visão para sempre.

Para isso, temos que ter em conta os seguintes aspectos:

•Seja leal a si mesmo. Você dispõe de uma série de valores que lhe conferem uma identidade: defenda-os.

•As suas emoções não o tornam fraco, muito pelo contrário, elas devem ser a arma cotidiana para encontrar fôlego, para aconchegar suas essências, suas virtudes, sua alma resiliente que já foi versada em batalhas anteriores.

•Aceite a adversidade. Da mesma forma que os samurais aceitam que mais cedo ou mais tarde terão que dar sua vida assim como manda o Bushido, nós temos que ser capazes de assumir que a adversidade existe. Não se trata em absoluto de “nos obcecarmos pela desgraça”, mas de assumi-la sem medo para poder aceitar todo o positivo que a vida nos oferece quando menos esperamos.

•A calma é treinada. A paz interior é trabalhada todos os dias e, para isso, nada melhor que encontrar uma ou duas horas ao dia para estar em silêncio e em equilíbrio com nós mesmos. Medite se desejar, passeie se for mais agradável para você, mas permita-se um tempo para si mesmo/a e você irá ganhar em saúde.

•Trabalhe todos os dias na sua sensação de controle. Devemos ser capazes de nos concentrarmos naquilo que podemos controlar: você deve e pode tomar as suas próprias decisões, deve e pode colocar limites e, acima de tudo, deve agir com assertividade em relação àquilo que você quer e o que não quer.

Todas estas ideias irão servir como estratégias psicológicas bastante adequadas para avançar com mais coragem nos nossos campos de batalha cotidianos. Porque a calma não é encontrada, é CONQUISTADA.

FONTEA mente é maravilhosa
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS